quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Ousou, mudou e melhorou

Mesmo sem ter vencido o jogo, o Corinthians teve uma nova postura em campo, fez um bom primeiro tempo, mas decaiu na etapa final. As sete mudanças feitas pelo Carille tornou o time mais leve e mais veloz. Atuando com mais intensidade e com uma postura mais ofensiva, o Timão teve 55% de posse de bola e 16 finalizações, com três chances de gol. 
Infelizmente o time não conseguiu manter a intensidade nos 90 minutos e o Goiás, no final do primeiro tempo, conseguiu equilibrar a partida.
Aos 10 minutos de jogo, Janderson abriu o placar, mas aos 36 minutos Misael empatou para o Goiás e, aos 25 minutos do segundo tempo, Barcia virou o jogo para o time da casa. O Timão foi pra cima, buscou o gol até o fim e, depois de muito insistir, conseguiu o empate nos últimos minutos do jogo. Aos 49 minutos, após consulta ao VAR, o árbitro marcou toque de mão de Dudu dentro da área, e, aos 51 minutos, Gustagol converteu o pênalti e empatou o jogo. 
Mais importante do que o resultado, foi a mudança da postura do time. Se no Majestoso o time teve uma postura omissa, em Goiânia, os jogadores entraram com mais vontade, com mais determinação e as alterações promovidas pelo Carille foram bastante positivas. Com o time visivelmente cansado, o técnico demorou para fazer as substituições e os jogadores que entraram foram pouco efetivos e não conseguiram mudar o jogo. 
Individualmente, merecem destaque as atuações de Janderson, o melhor em campo, de Gil, Ralf, Gustavo e Mateus Vital. Bruno Méndez foi bem, mas ressentiu a falta de ritmo de jogo e de entrosamento. Pedrinho, que veio direto da seleção olímpica, quando atuou contra o Japão na Arena Pernambuco na segunda feira, 14/10, para Goiás, teve seu desempenho prejudicado pelo desgaste do jogo e da viagem. Destaque negativo para a apatia de Sornoza e para o fraco desempenho de Carlos Augusto. 
Com o resultado, o Corinthians, com 44 pontos, permanece no 4º lugar na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, e o Goiás, com 37 pontos, ocupa a 10ª posição. 
O próximo compromisso do Timão será contra o Cruzeiro no sábado, 19/10, às 19:00 horas (de Brasília) na Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo. O Goiás enfrentará a Chapecoense no domingo, 20/10, às 19:00 horas, na Arena Condá, em Chapecó, Santa Catarina. 

Créditos e fonte de imagem
globoesporte.globo.com - Carlos Costa/Futura Press/globoesporte.globo.com 

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Postura omissa

É muito triste ter que admitir que o time do Corinthians não encarou o Majestoso com a devida responsabilidade exigida num clássico. O que vimos contra o São Paulo no Morumbi foi um time apático, displicente, sem alma, sem gana e sem vontade. Além dos problemas técnicos e das dificuldades táticas, faltou raça e faltou empenho. Nossos jogadores pareciam estar jogando uma pelada depois do churrasco de domingo. 
Erros de passes, lançamentos e cruzamentos errados, falta de criatividade e apenas três finalizações, só duas certas, contra 18 do adversário. Na realidade, o time só se defendeu e o que vimos foi um jogo de ataque contra defesa.  
Mesmo que o pênalti cometido pelo Manoel tenha sido originado de uma falta não marcada em Danilo Avelar, não se justifica tamanha grossura do zagueiro que nos últimos jogos tem cometido muitos erros. E o São Paulo não desperdiçou a oportunidade, e na cobrança, Reinaldo abriu o placar no Morumbi. Mas não deixa de ser estranho o VAR não ter sido acionado para checar o que de fato aconteceu. 
No entanto, pela postura omissa do Corinthians, não dá para reclamar do resultado. Embora não tenha tido uma atuação de gala, o tricolor buscou mais o jogo, se empenhou mais e foi superior ao Timão, que jogou como um timinho. 
Tento entender o que está acontecendo com o Corinthians e não encontro uma resposta plausível. O técnico não consegue dar um padrão de jogo ao time, os jogadores não se empenham devidamente e não mostram raça em campo. Todos reconhecem que o time está mal, mas ninguém assume a responsabilidade pelo mau desempenho. Carille reclama de reforços que não vieram, da pouca experiência dos garotos e não assume que assim como o regente de uma orquestra é responsável pela desafinação dos músicos, o técnico é também responsável pelo mau desempenho dos jogadores. Com sua atitude ele acaba criando um clima ruim no time e desmotivando os jogadores, com reflexos negativos na postura em campo. 
Será que o técnico perdeu o controle do time e os jogadores estão querendo derrubá-lo? Ou será que apareceu um "negócio da China" e ele quer ser demitido para ganhar uns trocados da multa rescisória do contrato? Afinal, tudo é possível para quem deixou o time na mão por dois caminhões de dinheiro. Eis algumas hipóteses que vem sendo levantadas por muitos torcedores e preocupando parte da Fiel. 
Apesar da derrota ainda manter o Corinthians na zona da classificação para a Copa Libertadores, o São Paulo alcançou a mesma pontuação, 43 pontos, o Grêmio e o Internacional estão se aproximando e aumentou a distância para os primeiros colocados. Se o time não se acertar e começar a reagir, corremos o risco de ficar fora do principal torneio continental. 
O próximo compromisso do Timão será contra o Goiás, na quarta feira, 16/10, às 21:30 horas (horário de Brasília) no estádio Serra Dourada, em Goiânia, Goiás. No mesmo dia, às 21:00 horas, o São Paulo enfrentará o Cruzeiro, no Mineirão, em Belo Horizonte, Minas Gerais. 

Crédito e fonte de imagem 
globoesporte.globo.com 

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Mais dois pontos perdidos em Itaquera

Com um primeiro tempo horrível, errando muitos passes e levando bolas nas costas, o Corinthians foi totalmente dominado pelo Athlético-PR. Desorganizado defensiva e ofensivamente, com um meio campo inoperante, só conseguiu empatar nas bolas paradas. Muito à vontade, o time paranaense parecia estar jogando em casa. Na etapa final, o Timão voltou melhor e, com a defesa mais organizada, conseguiu segurar as investidas athleticanas, mas o setor ofensivo continuou falhando. Sem poder criativo do meio campo, a bola pouco chegou ao ataque e quando chegou faltou pontaria e objetividade no arremate final. 
Os gols foram marcados no primeiro tempo. Aos 15 minutos, em cobrança de escanteio por Clayson, Gil abriu o placar. Mas, aos 23 minutos, Léo Cittadini empatou e aos 31 minutos, Erick virou o jogo para o time paranaense. Aos 47 minutos, em cobrança de falta por Fagner, Boselli empatou o jogo, deixando tudo igual em Itaquera. 
Diante do que apresentou na partida, com o empate, o Corinthians ficou no lucro. Mesmo jogando em casa e com o apoio da torcida, o alvinegro não conseguiu se impor. Com apenas 40% de posse de bola, finalizou 10 vezes, teve 6 chances reais de gol, mas não soube aproveitá-las. Taticamente falando é um time previsível, sem repertório, sem variação de jogadas, sem um padrão de jogo ofensivo, sem inspiração e que depende de lampejos individuais. Estamos em outubro e Carille ainda não conseguiu acertar o time no seu todo. A defesa, apesar de algumas derrapadas, é mais segura, mas o setor ofensivo é muito prejudicado pela falta de criatividade. Além disso, o time vem sendo mau escalado, as substituições tem sido tímidas e tardias e sem condições de mudar o jogo. 
Individualmente, merecem destaque as atuações de Gil e Boselli. Destaque negativo para Manoel, Danilo Avelar e Ramiro, que ainda não se encaixou no time. E para o gol perdido por Vagner Love, cara a cara com o goleiro Léo. 
Com o resultado, o Timão, com 43 pontos e 60% de aproveitamento, permanece no 4º lugar na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, e o Athlético-PR, com 35 pontos e 49% de aproveitamento, ocupa o 9º lugar no Brasileirão. 
O próximo compromisso do Corinthians será contra o São Paulo, no domingo, 13/10, ás 18:00 horas (de Brasília) no Estádio do Morumbi, São Paulo. No mesmo dia, às 16:00 horas (de Brasília) o Athlético-PR recebe o Flamengo no estádio Joaquim Américo Guimarães, mais conhecido por Arena da Baixada, em Curitiba Paraná. 

Créditos e fontes de imagem 
globoesporte.globo.com-twitter.com/@brunocassucci 

domingo, 6 de outubro de 2019

Méritos para a defesa

Pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians empatou com o Grêmio em Porto Alegre. Eficiente na defesa, o Timão conseguiu segurar o ataque gremista e garantir um ponto fora de casa. 
O time gaúcho, empurrado por sua torcida, foi bastante ofensivo, teve mais posse de bola (64%) e pressionou durante toda a partida, enquanto o Corinthians optou por se segurar na defesa e tentar achar uma bola nos contra ataques. Mas, se o setor defensivo cumpriu o seu papel, o setor ofensivo ficou devendo. Nosso meio campo foi pouco criativo e continuamos com problemas no arremate final. Embora o time tenha finalizado 13 vezes, teve apenas 4 chances reais de gol. 
Apesar das dificuldades no setor de criação, Carille demorou para mexer no time. A entrada de Boselli em substituição ao Clayson melhorou o setor ofensivo, e Janderson, que substituiu Mateus Vital, em 9 minutos de jogo, foi mais produtivo que o Clayson, (substituído aos 17 minutos da etapa final), em todo o tempo em que esteve em campo. Jadson, que substituiu Vagner Love, foi pouco efetivo e em nada contribuiu para melhorar o jogo. 
Individualmente, merecem destaque as atuações da dupla de zaga, (Gil e Manoel), do Ralf, do Boselli e do Cássio. Destaque negativo para Clayson, Sornoza, Jadson e Vagner Love. 
Carille precisa urgentemente arrumar o meio campo, pois a bola pouco chega ao ataque. Boselli está merecendo um lugar no time e Clayson e Sornoza um lugar no banco. Jadson, cujas atuações em nada têm contribuído para melhorar o meio campo, não faz jus às suas frequentes entradas no segundo tempo. Faz-se necessário buscar outras alternativas para o setor criativo. 
Com o resultado, o Corinthians, com 42 pontos e 61% de aproveitamento, permanece no 4º lugar na tabela de classificação, e o Grêmio, com 35 pontos e 51% de aproveitamento, ocupa o 8º lugar no Brasileirão. 
O próximo compromisso do Corinthians será contra o Athletico-PR na quinta feira, 10/10, às 19:15 horas (de Brasília) na Arena Corinthians em Itaquera, São Paulo. O Grêmio enfrentará o Ceará na quarta feira, 09/10, às 21:00 horas (de Brasília) no estádio Centenário em Caxias do Sul, Rio Grande do Sul.  

Crédito e fonte de imagem 
globoesporte.globo.com

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

Muita água, pouca bola

Pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro, em jogo atrasado devido a participação na Copa Sul Americana, o Corinthians venceu a Chapecoense na Arena Condá pelo placar de 1 a 0. A forte chuva que caiu em Chapecó deixou o campo totalmente alagado, acarretando grande prejuízo ao futebol apresentado pelos dois times. Com o campo encharcado, a bola não rolava, obrigando os times apelarem para os chutões, lançamentos e cruzamentos. Constatando a dificuldade, Carille trocou o improdutivo Júnior Urso por Sornoza, e Pedrinho por Gustavo. 
Mesmo jogando contra o lanterna, o Corinthians teve problemas no setor ofensivo. Sem criatividade no meio campo, apresentou dificuldades de infiltração na defesa adversária e só conseguiu fazer o gol num lance de bola parada. 
Numa cobrança de escanteio de Clayson, Danilo Avelar subiu livre para cabecear para o fundo da rede e colocar o Timão na frente. E a segurança do setor defensivo, com defesas milagrosas do Cássio, garantiu a vitória alvinegra, a terceira consecutiva no Brasileirão. 
Gol
Se o estado calamitoso do gramado minimiza o jogo feio e as dificuldades ofensivas do Timão, o recuo do time após o gol é preocupante. Já passou da hora do Carille arrumar o setor ofensivo e fazer o time continuar atacando após fazer o gol. 
Individualmente, merecem destaque as atuações do Cássio, Gil e Danilo Avelar. Júnior Urso, apesar do inverno já ter acabado, continua hibernando em campo. 
Com a vitória o Corinthians, com 41 pontos e 62% de aproveitamento, está em quarto lugar na tabela de classificação, a mesma pontuação do terceiro colocado, o Santos, que tem uma vitória a mais, quatro pontos a mais que o Internacional, o quarto colocado, e oito pontos a menos que o líder Flamengo. O Chapecoense, com 15 pontos e 23% de aproveitamento, continua na lanterna do Brasileirão. 
O próximo compromisso do Timão será contra o Grêmio no sábado, 05/10, às 19:00 horas na Arena do Grêmio em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. E o Chapecoense enfrentará o Flamengo no domingo, 06/10, às 11:00 horas na Arena Condá em Chapecó, Santa Catarina. 

Créditos e fontes de imagens e vídeo 
globoesporte.globo.com-twitter.com/@anacanhedo 
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/gazetaesportiva.com 
youtube.com/Mundo da Bola-globo.com 

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Mau desempenho, bom resultado

Foi um jogo feio e duro de assistir. Repetindo os erros de jogos anteriores, o Corinthians, mesmo jogando em casa, teve dificuldade para vencer o Vasco da Gama. Desorganizado, errando muitos passes, sem criatividade e com baixa produtividade do setor ofensivo, o Timão, mais na raça do que na técnica e na tática, conseguiu a vitória e garantir os três pontos. 
Após um primeiro tempo ruim, com mau desempenho dos dois times, Carille voltou para a etapa final com Jadson no lugar de Ramiro e aos 12 minutos substituiu Sornoza por Mateus Vital. Aos 39 minutos, Boselli saiu para a entrada de Gustavo. 
O gol do Corinthians foi marcado pelo Ralf, aos 13 minutos do segundo tempo. Pedrinho cruzou na área, a defesa vascaína afastou e a bola sobrou para Ralf que tocou para Boselli, que fez o pivô e devolveu para o volante mandar para o fundo da rede e abrir o placar em Itaquera. 
Gol e lances polêmicos
Com 51% de posse de bola, o Corinthians, em decorrência da baixa criatividade, finalizou apenas seis vezes, todas no alvo, contra 7 finalizações do Vasco, duas no alvo e cinco fora. (Fonte: gazetaesportiva.com). 
Individualmente, merecem destaque as atuações de Ralf, seguro nas roubadas de bola, nos desarmes e autor do gol da vitória corinthiana, de Gil e de Pedrinho. Ramiro teve outra atuação apagada e Clayson e Manoel tiveram um desempenho muito aquém de suas possibilidades. 
Auxiliado pelo VAR, o árbitro da partida anulou três gols, dois do Corinthians e um do Vasco. Aos 9 minutos de jogo, anulou um gol do Timão, por falta do Manoel no goleiro vascaíno. Aos 5 minutos da etapa final foi anulado o gol do Vasco, por impedimento do Werley, e já nos acréscimos, aos 51 minutos, anulou o gol de Jadson, por impedimento de Matheus Vital na origem da jogada. 
O horário do jogo, 11:00 horas da manhã, sob um forte sol e calor, contribuíram negativamente no desempenho dos jogadores de ambos os times. Num país tropical, com o fim do inverno, a tendência é aumentar o calor, o que interfere diretamente nas condições físicas dos atletas. Considerando as condições físicas dos jogadores e o melhor desempenho em campo, a CBF deveria repensar essa situação e transferir os jogos para um horário mais adequado. 
Com o resultado, o Corinthians, com 38 pontos e 60% de aproveitamento, está em 4º lugar na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, com 11 pontos a menos do líder Flamengo. O Vasco da Gama, com 24 pontos e 38% de aproveitamento, ocupa a 14º posição. Ambos os times têm um jogo a menos. 
O próximo compromisso do Timão será contra a Chapecoense na quarta feira, 02/10, às 19:15 horas na Arena Índio Condá em Chapecó, Santa Catarina. No mesmo dia e horário, o Vasco enfrentará o Atlético-MG no estádio Independência em Belo Horizonte, Minas Gerais. 

Crédito e fonte de imagem 
globoesporte.globo.com-Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com 
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com 
youtube.com/Jon Futebol-globo.com

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Quando só a raça não é suficiente

Após perder na Arena por 2 a 0 e empatar no Equador por 2 a 2, o Corinthians foi eliminado pelo Independiente del Vale na semifinal da Copa Sul Americana. Sabíamos que seria um jogo difícil, com o complicador de jogar numa altitude de 2.850 metros, mas acreditávamos, (ou desejávamos) ser possível a classificação. Confiávamos que a raça corinthiana seria capaz de superar o time equatoriano e que iríamos para a final. 
As modificações feitas pelo Carille, com as entradas de Ralf, Ramiro e Boselli, funcionaram e fomos para o vestiário vencendo o jogo por 1 a 0, com gol de Boselli, e, naquele momento, nem o mais pessimista torcedor corinthiano desacreditou da possibilidade da classificação.
Não faltou raça aos jogadores do Timão. Mas, embora imprescindível, nem sempre só a raça é suficiente para conquistar uma vitória. É preciso, também, técnica e tática de jogo. E nesses quesitos, os equatorianos, com seus contra ataques rápidos e mortais, mostrou-se superior tecnicamente e melhor treinado que a equipe alvinegra. Ao contrário, o Corinthians, lento nos contra ataques e na recomposição, não conseguiu manter o mesmo ritmo do primeiro tempo e, num contra ataque em que nossa defesa vacilou, Sanches empatou o jogo. Aos 41 minutos da etapa final, Clayson, de pênalti, marcou para o Corinthians, mas nem deu tempo para comemorar. Aos 44 minutos, em outro contra ataque, Cabeza deixou tudo igual, carimbando o passaporte dos equatorianos para a final da Copa Sul Americana. 
Individualmente, merecem destaque as atuações de Ralf, o melhor corinthiano em campo, Boselli, Vagner Love e Pedrinho. Destaque negativo para os jogadores da defesa; Cássio, mal posicionado nos dois gols do del Valle, Fagner, que esqueceu seu futebol nos treinos da seleção, também fora de posição nos dois gols, Manoel, com atuação bizarra, falhou nos dois gols equatorianos, Gil, teve uma atuação confusa, e Danilo Avelar, cujo melhor lance no jogo foi ter sofrido o pênalti. 
Será que fica difícil para o Carille entender que não adianta inflar o time de atacantes se não existe poder de criação no meio campo? Com Pedrinho pelas pontas, tendo que marcar lateral, e com Vital no banco, a bola pouco chegou ao ataque, obrigando os atacantes buscá-la na intermediária. Assim fica complicado, principalmente para o time que entrou no jogo precisando fazer 3 gols e não tomar nenhum. 
Eliminado da Sul Americana, resta ao Corinthians, na temporada, apenas o Campeonato Brasileiro. Com 35 pontos e em 5º lugar na tabela de classificação, com um jogo a menos e com 13 pontos atrás do líder Flamengo, precisará de muito esforço para vencer a competição. Carille terá mais tempo para treinar o time, mas só terá êxito se encontrar outra estratégia de jogo, com variação de jogadas e com um meio campo mais criativo. Se continuar com o mesmo esquema tático, extremamente manjado e facilmente anulável, ficará difícil até uma vaga para a Copa Libertadores. 
O próximo compromisso do Timão será contra o Vasco da Gama no domingo, 29/09, às 11:00 horas, em sua Arena, em Itaquera, São Paulo. 

Créditos e fonte de imagens 
globoesporte.globo.com-Bruno Cassucci/globoesporte.globo.com