sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Botafogo X Corinthians

Pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians foi para o Rio de Janeiro enfrentar o Botafogo neste sábado, 1º de outubro, às 16:30 horas, no estádio Luso-Brasileiro. Sétimo colocado na tabela de classificação, com 41 pontos, 12 vitórias, 5 empates, 10 derrotas e 51% de aproveitamento, o Timão terá por adversário o Botafogo, 10º colocado, com 38 pontos, 11 vitórias, 5 empates, 11 derrotas e 47% de aproveitamento. No Brasileirão, o Botafogo vem de uma derrota para o lanterna América-MG por 1 a 0, e o Corinthians perdeu do Fluminense, pelo mesmo resultado, com um gol irregular. Apesar desses maus resultados, os dois times estão animados com a possibilidade de mais uma vaga no Brasileirão para a Copa Libertadores, e com apenas 3 pontos de diferença na tabela, o jogo assume maior importância para a recuperação de ambos no Campeonato.
Ficha Técnica - Botafogo X Corinthians 
Local: Estádio Luso-Brasileiro, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 1º de outubro de 2016, sábado
Horário: 16:30 horas (de Brasília)
Árbitro: Caio Max Augusto Vieira - RN - (CBF-1)
Assistente 1: Flávio Gomes Barroca - RN - (CBF-1) 
Assistente 2: Vinícius Melo de Lima - RN - (CBF-2)
Quarto árbitro: Alexandre Vargas Tavares de Jesus - RJ (CBF-1) 
Botafogo: Sidão; Alemão, Emerson Santos, Joel Carli e Victor Luís; Dudu Cearense, Bruno Silva, Camilo e Diogo Barbosa; Neilton e Gustavo Canales (Rodrigo Pimpão); Técnico: Jair Ventura
Corinthians: Walter; Fagner, Yago, Balbuena e Guilherme Arana; Willians, Camacho, Marquinhos Gabriel, Marciel e Marlone; Romero; Técnico: Fábio Carille 
No Corinthians, além dos escalados, também foram relacionados o goleiro Matheus Vidotto, o lateral Léo Príncipe, o zagueiro Léo Santos. os volantes Cristian, Jean e Warian, e os atacantes Gustavo, Isaac, Léo Jabá, Lucca e Rildo.
Estão fora, no Botafogo, Aírton, suspenso; e no Corinthians, Cássio, Uendel, Danilo, Bruno Paulo, Guilherme, Pedro Henrique e Vilson, lesionados, e Giovanni Augusto e Rodriguinho, suspensos.
Estão pendurados, com dois cartões amarelos, no Botafogo, Anderson Aquino, Fernandes, Renan Fonseca, Rodrigo Pimpão, Sassá e Sidão; e no Corinthians, Balbuena, Vilson, Guilherme, Uendel, Pedro Henrique e Romero. 
O técnico do Botafogo, Jair Ventura, fechou o treino para a imprensa e fez mistério da escalação. Mas, deverá contar com a volta do meia Camilo, recuperado de um edema muscular na coxa direita, e do lateral esquerdo Victor Luís, livre de suspensão. O lateral direito Alemão, reforço vindo do Bragantino, deverá assumir a vaga de Emerson Santos, que estava improvisado e retornará à zaga. No ataque, Rodrigo Pimpão disputa posição com Gustavo Canales. O atacante Sassá voltou a treinar e deve ficar como opção no banco de reserva. O Botafogo pretende ter consistência como mandante, pressionando desde o começo, dificultando a troca de passes e não deixando o Corinthians jogar.
No Corinthians, o técnico Fábio Carille, com 9 desfalques e com apenas dois meias à disposição precisará improvisar no meio campo. Sem Giovanni Augusto e Rodriguinho, Willians substituirá Camacho na cabeça de área, que deverá jogar de 2º volante, com liberdade para criar e atacar, e Marciel deverá completar a linha ofensiva com Marquinhos Gabriel e Marlone abertos pelos lados, e Romero de centro avante. Não haverá mudança na defesa, que terá Walter no gol e Fagner, Yago, Balbuena e Guilherme Arana compondo a 1ª linha de quatro no esquema 4-1-4-1. 
Com pouco tempo para a recuperação dos atletas, no último treino, na manhã desta sexta feira, enquanto os reservas treinaram em outro campo, Carille comandou uma atividade só com os titulares, com ênfase no posicionamento nas bolas aéreas ofensivas. 
A expectativa é de um jogo pegado e muito disputado. Embora vindo de uma derrota, o Botafogo tem a terceira melhor campanha do 2º turno, enquanto o Corinthians tem uma campanha de time rebaixado. No entanto, o time paulista, apesar de seus percalços, tem apresentado nos últimos jogos uma postura mais propositiva e determinada, além de uma melhor organização e compactação. Possivelmente, as mudanças efetuadas por necessidade, poderão interferir negativamente no desempenho do time. Será um jogo equilibrado, no qual o Timão precisará do máximo de concentração e disciplina tática para não desperdiçar nenhuma oportunidade. Eles prometem marcação forte. Portanto, muita atenção e movimentação para numa roubada de bola, aproveitar o contra ataque para definir a partida. E que São Jorge nos ajude. 

Créditos e fontes de imagens 
meutimao.com.br-oglobo.globo.com-MAON 
Vitor Silva/SSPress/Botafogo/gazetaesportiva.com-Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/corinthians.com.br-MAON 
Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians/globoesporte.globo.com-MAON 
Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-MAON 

Raposa ferida, mas não abatida

Na caça à Raposa, o Corinthians até conseguiu feri-la, mas não foi capaz de abatê-la. Vencendo de dois a zero, tomou um gol bobo, após uma vacilada da zaga, em especial do Balbuena, que não conseguiu cortar uma reposição de bola do Rafael, dando uma sobrevida à Raposa. Analisando no conjunto, o Corinthians fez um bom jogo, com boa organização tática, boa movimentação e bom entrosamento, resultado da repetição da escalação. Mesmo assim, continuamos pagando o preço do desmanche e da reposição de jogadores sem as qualidades técnicas daqueles que saíram. E apesar da determinação dos jogadores, continuamos errando nos principais fundamentos. Erramos 45 passes, 17 cruzamentos, (apenas 7 certos), 21 lançamentos, (10 certos) e 11 finalizações. Finalizamos 16 vezes e acertamos apenas 5, contra 10 finalizações do Cruzeiro, 6 certas e 4 erradas. E para complicar, com um elenco limitado, agravado pelas contusões, nosso banco de reservas não oferecia opções capazes de fazer a diferença. Com pouca força no ataque, perdemos inúmeras oportunidades de obter um resultado mais amplo. 
Gols
Merece destaque a atuação impecável do Walter, que pela sua técnica, habilidade com a bola nos pés, segurança e agilidade não pode ser reserva do Cássio, que hoje está longe de ser aquele goleiro que brilhou em 2012. Carille precisa repensar sua posição, pois o Cássio está sem agilidade, pesadão, inseguro, têm dificuldade para jogar com os pés e, quando não caça borboletas, espalma a bola nos pés do adversário. Camacho é outro que foi muito bem e, embora sua posição de origem seja 2º volante, vem melhorando a cada jogo e passando muita segurança na cabeça de área. Romero consegue superar suas limitações técnicas pela raça e entrega. Teve participação efetiva no gol contra do Léo e foi premiado ao voltar a marcar após 85 dias e se igualar ao peruano traíra como artilheiro de Itaquera. Guilherme Arana, a cada dia que passa prova ser a melhor opção para a lateral esquerda e Rodriguinho, apesar de perder dois gols, foi importante na transição para o ataque. Marlone foi bem, Giovanni Augusto e Marquinhos Gabriel continuam devendo, Yago abusou dos chutões a esmo e Fagner parece estar com a maldição da seleção, pois depois que foi convocado deixou de ser o jogador decisivo de antes. 
Infelizmente, com o gol do Cruzeiro, nossas chances diminuíram e poderemos ter dificuldades no jogo de volta no Mineirão. O pior é que o gol só saiu por erro de nossa defesa. Mas, se não tem nada ganho, também não tem nada perdido e ainda temos possibilidades de classificação.
Mas, o que mais temos a lamentar, é a baixa presença da torcida, que bateu o record negativo de público na Arena. Obviamente que a crise afeta o bolso do torcedor, principalmente das camadas mais populares e ao final do mês, a grana está curta. Com os preços aviltantes cobrados, fica impossível a presença do torcedor que tem seu salário quase que totalmente comprometido com a sobrevivência da família. E o torcedor modinha, o torcedor de Libertadores, o cliente, não acompanha nem apoia o time quando ele está mal. Como cliente, vai ao estádio para ver o jogo e não para apoiar e cantar os 90 minutos. E como cliente, se não gosta do produto, sente-se no direito de reclamar e, qual criança mimada bate o pé quando contrariado, vaiando jogadores e técnico durante o jogo, sem analisar a situação, as causas das mudanças e não se importando se sua atitude vai prejudicar o desempenho do time em campo. 
Entrevista do Carille
A substituição contestada por parte da torcida não foi por problemas táticos ou técnicos, mas sim porque o Rodriguinho sentiu dor na perna. Sem nenhum meia no banco, Carille chamou Willians para a cabeça de área e adiantou o Camacho. Com limitações no elenco, agravado por contusões, era a opção possível. Mas, os clientes, não torcedores, nem sequer analisaram a situação e partiram para a contestação, mesmo correndo o risco de desestabilizar o time. Estes não são fiéis nem podem serem chamados de torcedor, pois não têm a mínima sintonia com o Corinthians.
Sabemos que o time não está bem, mas não vai ser vaiando e xingando jogadores e técnico que as dificuldades irão desaparecer. A cobrança tem que ser direcionada à diretoria, a principal responsável pelos problemas que estamos enfrentando. E o maior problema não é tático, não é o técnico nem os jogadores, mas quem os contratou. Carille em apenas 7 treinos, e mais na base da conversa, porque 3 deles foram regenerativos, conseguiu organizar e compactar o time, que deixou de ser um amontoado de jogadores à deriva em campo. Com o elenco limitado, técnica e fisicamente, não dá para ter um time brilhante. Com os ingredientes que tem, não dá pra fazer um banquete, mas, está se esforçando para preparar uma refeição nutritiva. E, até conseguiu motivar o time, que, em campo está demonstrando mais vontade e determinação, está correndo mais, está buscando o jogo. Por mais que lamentemos, não dá para ser tão impaciente com um time que perdeu na temporada mais de 20 jogadores, boa parte de sua comissão técnica e que é refém de um péssimo planejamento. 
Quero muito o meu Corinthians de volta, mas isso só ocorrerá com o apoio e o incentivo da torcida. O comportamento de uma boa parcela dos frequentadores da Arena Corinthians, dos clientes, não dos torcedores, em nada ajuda, pelo contrário, só atrapalha o time. Essa turma, que tanto nos envergonha, não aguentaria os anos do jejum nem fazem parte da Fiel. 
Melhores momentos
Ficha Técnica - Corinthians 2 X 1 Cruzeiro
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 28 de setembro de 2016, quarta-feira
Horário: 21:45 horas (de Brasília)
Árbitro: Eduardo Tomaz de Aquino Valadão
Árbitro assistente 1: Fabrício Vilarinho da Silva
Árbitro assistente 2: Bruno Raphael Pires
Quarto árbitro: André Luiz de Freitas Castro
Público: 18.796 pagantes (total de 19.180)
Renda: R$ 961.342,00
Cartões amarelos: não houve
Gols: Corinthians: Léo (contra), a 1 minuto, e Romero, aos 8 minutos do segundo tempo; Cruzeiro: Robinho, aos 32 minutos do segundo tempo
Corinthians: Walter; Fagner, Yago, Balbuena e Guilherme Arana; Camacho, Giovanni Augusto, Marquinhos Gabriel, Rodriguinho (Willians) e Marlone (Rildo); Romero (Lucca); Técnico: Fábio Carille
Cruzeiro: Rafael; Lucas, Manoel, Léo e Edimar, Henrique, Ariel Cabral (Arrascaeta), Robinho, Rafinha e Rafael Sóbis (Ábila); Willian (Alisson); Técnico: Mano Menezes
Bastidores

Créditos e fontes de imagens e vídeos 
globoesporte.globo.com-meutimao.com.br-MAON
twitter.com/@walterartune27-twitter.com/@sccp-Luis Moura/Wpp/Gazeta Press-MAON
youtube.com/Esportes HD-espn.uol.com.br
youtube.com/Canal Corinthians
twitter.com/@mabragatchelo
youtube.com/Futebol Rei-foxsports.com.br
youtube.com/Corinthians

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Corinthians X Cruzeiro - Copa do Brasil

Pelas quartas de final da Copa do Brasil, o Corinthians receberá o Cruzeiro nesta quarta feira, 28/09, às 21:45 horas, em sua Arena em Itaquera, São Paulo. Com dificuldades no Campeonato Brasileiro, o Timão tem na Copa do Brasil a oportunidade de conquistar um título em 2016 e, assim, garantir-se na Copa Libertadores do próximo ano. Já o Cruzeiro, que tenta salvar-se do rebaixamento no Brasileirão, embora dando prioridade ao mesmo, segundo o seu comandante, Mano Menezes, a equipe tem condições de trabalhar bem as duas competições. Pelo regulamento do campeonato, o gol fora de casa é decisivo em caso de empate, por isso, é importante não tomar gol.
Ficha Técnica - Corinthians X Cruzeiro 
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 28 de setembro de 2016, quarta-feira
Horário: 21:45 horas (de Brasília)
Árbitro: Eduardo Tomaz de Aquino Valadão
Árbitro assistente 1: Fabrício Vilarinho da Silva
Árbitro assistente 2: Bruno Raphael Pires
Quarto árbitro: André Luiz de Freitas Castro
Corinthians: Walter; Fagner, Yago, Balbuena e Guilherme Arana; Camacho, Giovanni Augusto, Marquinhos Gabriel, Rodriguinho e Marlone; Romero; Técnico: Fábio Carille
Cruzeiro: Rafael; Lucas, Bruno Rodrigo, Manoel e Edimar; Lucas Romero, Henrique, Robinho e Arrascaeta; Rafael Sobis, Ramón Ábila; Técnico: Mano Menezes 
Além dos possivelmente escalados, também foram relacionados
No Corinthians, os goleiros Matheus Vidotto e Caíque França, o zagueiro Léo Santos, o lateral Léo Príncipe, os volantes Willians, Cristian e Warian, e os atacantes Léo Jabá, Rildo, Carlinhos, Isaac e Lucca.
No Cruzeiro, os goleiros Lucas França e Lucão, os zagueiros Fabrício Bruno e Léo, os meio campistas Ariel Cabral, Bruno Ramires, Denílson, Elber, Frederico Gino e Rafinha, e os atacantes Alisson e Willian,
Estão fora, no Corinthians, Cássio, Uendel, Guilherme, Bruno Paulo, Pedro Henrique, e Danilo, todos lesionados, e Jean, Gustavo e Marciel, por já terem atuado na Copa do Brasil por outros times; e no Cruzeiro, Elisson, Bryan e Ezequiel, por já terem participado do campeonato por outras equipes.
Com exceção do goleiro, Fábio Carille manterá o mesmo time e o mesmo esquema tático do jogo das oitavas de final contra o Fluminense. Walter substituirá o Cássio, que se lesionou ao final daquela partida. Já no Cruzeiro, Mano Menezes é todo misterioso. Fechou a maior parte do treino para a imprensa e não revelou a escalação. Mas prometeu vir com a força máxima. 
No último treino, na tarde deste sábado, o técnico alvinegro trabalhou o posicionamento da equipe, apenas com os titulares em campo, além de ensaiar jogadas de bolas paradas e cobrança de faltas. 
Focado na Copa do Brasil como a tábua de salvação da temporada, o Corinthians necessita da vitória, de preferência com o placar adversário zerado, para fazer o jogo de volta em Belo Horizonte sem grandes dificuldades. É um enorme desafio para a equipe, que vai precisar de todo o apoio da Fiel. Sabemos das nossas limitações, mas, sabemos igualmente que nosso amor e nossa fidelidade são infinitos. Vaiar e xingar técnico e jogadores só vai piorar a situação e diminuir nossas chances. E sabemos que o maior responsável pelas dificuldades que ora enfrentamos estão no 5º andar do Parque São Jorge e não no CT Dr Joaquim Grava. Assim, em consonância com a nossa denominação de FIEL, vamos apoiar o time, incentivar, empurrar, torcer e vibrar. Vamos acreditar na força da camisa, na força da torcida, na superação. Se não for na técnica, que seja na raça.

Créditos e fontes de imagens 
meutimao.com.br-MAON
Daniel Augusto Júnior/Agência Corinthians/corinthians.com.br-Pedro Vilela/Light Press/Cruzeiro/gazetaesportiva.com-MAON
globoesporte.globo.com
Sergio Barzaghi/Gazeta Press/gazetaesportiva.com
Sergio Barzaghi/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-MAON

Quem não faz, toma

Incrível a incapacidade do Corinthians para fazer fazer um gol. Mesmo quando o time consegue criar, erra-se no arremate final, isolando a bola ou recuando-a para o goleiro. E isso tem acarretado um custo muito alto nos campeonatos, criando-se um círculo vicioso: gols perdidos, jogos perdidos, pontos perdidos, queda na tabela e títulos cada vez mais distantes. Já nem dá para se entusiasmar quando há falta ou escanteio a nosso favor. Não há ninguém que saiba cobrar e o desperdício é geral. Também se perde gol cara a cara com o goleiro e, quando se tenta chute de longa distância, erra-se o alvo. Nosso ataque não consegue marcar e, volto a afirmar: é um ataque de nervos para nós, torcedores, e um ataque de risos para os nossos adversários. 
Assim como já ocorreu em outras ocasiões, perdemos o jogo por falta de efetividade no arremate final. Até tivemos um bom volume de jogo, com um time mais compactado e melhor organizado, mas não conseguimos fazer valer esse volume, pois, no futebol, o que vale é bola na rede, é gol. Fomos melhores durante todo o jogo e, numa cobrança de uma falta que não ocorreu, com um jogador impedido, o Tapetense, ops. Fluminense, já nos acréscimos, fez o gol de sua vitória. Depois de toda pressão em cima da arbitragem, exercida pelo time que deve uma Série B, o árbitro se acovardou e não teve peito para anular o gol ilegítimo. E assim, despencamos na tabela, perdendo duas posições, afastando-nos do título e, se não reagirmos rápido, até da vaga para a Copa Libertadores. 
Em uma semana, Carille até conseguiu dar ao time uma organização e compactação, possibilitando melhorar o setor criativo. O problema maior não é tático. O elenco é limitado, falta qualidade física e técnica aos jogadores e, para alguns, falta motivação. 
A responsabilidade pelo mau momento do Corinthians não é da comissão técnica, ou do que restou dela, nem do elenco, mas de quem contratou jogadores sem qualidade, de quem permitiu sucessivos desmanches sem reposição de jogadores do mesmo nível, de quem está sendo incompetente para administrar um time com a grandeza do Corinthians. Se pelo menos houvesse transparência nas contas, se fossem apresentados os balancetes, poderíamos entender o que está acontecendo. 
Temos que reconhecer que, ao contrário da diretoria, o time não foi omisso e buscou a vitória. Mas, por deficiências técnicas, foi incompetente no arremate final. Precisa de muito treino para alguns jogadores superarem tais deficiências, o que é difícil num calendário apertado, com um jogo a cada três dias. Só na base da conversa é quase impossível. 
Novos desafios nos aguardam, no Campeonato Brasileiro e na Copa do Brasil. Ainda temos muito o que melhorar, em todos os setores, do posicionamento da defesa ao setor ofensivo. Está na hora de experimentar novas formações, principalmente no ataque. Por que não dar uma chance para o Isaac e para os recém promovidos garotos da base, colocando-os no time, mesmo se for no 2º tempo. Se não está funcionando com os mesmos, por que não buscar uma alternativa? Há tempos, não temos gol de atacante e piorar essa situação parece ser impossível. 
Talvez, o grande desafio no Brasileirão seja preparar o time para 2017, o que só será possível com um mínimo de coragem e de ousadia. Não se trata de jogar a toalha, mas sim de fazer algo diferente e de dar oportunidades àqueles que ainda não tiveram chance de mostrar se têm ou não condições de jogar no Corinthians. Porque alguns que estão atuando já mostraram que, no máximo e com muito boa vontade, servem apenas para compor elenco.

Créditos e fontes de imagem
globoesporte.globo.com 

domingo, 25 de setembro de 2016

Corinthians X Fluminense

Pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians receberá o Fluminense neste domingo, 25/09, às 16:00 horas em sua Arena em Itaquera, em São Paulo. Quinto colocado no Brasileirão, com 41 pontos, 12 vitórias, 5 empates, 9 derrotas e 53% de aproveitamento, o Timão terá como adversário o 6º colocado, com 40 pontos, 11 vitórias, 7 empates. 8 derrotas e 51% de aproveitamento. Será, portanto, um jogo de 6 pontos, no qual o vencedor ficará mais próximo do G4 e o perdedor correrá o risco de ser ultrapassado e ficar mais distante da zona de classificação para a Copa Libertadores. 
Ficha Técnica - Corinthians X Fluminense
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo, SP
Data: 25 de setembro de 2016, domingo
Horário: 16:00 horas (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco - RS (FIFA)
Assistente 1: Rafael da Silva Alves - RS (ASP-FIFA) 
Assistente 2: Elio Nepomuceno - RS (CBF-1)
Quarto árbitro: Flávio Rodrigues de Souza - SP (ASP-FIFA)
Corinthians: Cássio; Fagner, Yago, Balbuena e Guilherme Arana; Camacho, Marquinhos Gabriel, Giovanni Augusto, Rodriguinho e Marlone; Romero; Técnico: Fábio Carille
Fluminense: Julio Cesar; Igor Julião, Gum, Henrique e William Matheus; Pierre, Douglas, Cícero e Gustavo Scarpa; Marcos Júnior e Wellington; Técnico: Levir Culpi 
Além dos possíveis escalados, também foram relacionados:
No Corinthians, os goleiros Walter e Matheus Vidotto, o zagueiro Léo Santos, os volantes Cristian, Willians, Jean, Marciel e Warian, e os atacantes Gustavo, Lucca, Isaac, Carlinhos e Léo Jabá.
No Fluminense, o goleiro Marcos Felipe, o zagueiro Renato Chaves, o lateral Giovanni, os meias Edson, Marquinho, Danilinho e Aquino, e os atacantes Henrique Dourado, Magno Alves, Maranhão, Osvaldo e Richarlison.
Estão fora, no Corinthians, Léo Príncipe, suspenso, Uendel, Guilherme, Bruno Paulo, Pedro Henrique, Danilo e Vilson, lesionados. No Fluminense, Cavalieri e Samuel, lesionados e Wellington Silva, suspenso. 
Estão pendurados, com dois cartões amarelos, no Corinthians, Balbuena, Vilson, Guilherme, Uendel, Pedro Henrique, Rodriguinho, Romero e Giovanni Augusto; e no Fluminense, Danilinho, Edson, Jonathan e William Matheus.
As novidades no Timão estão no banco e vêm da base. Além do volante Marciel, que voltou recentemente de empréstimo do Cruzeiro, também foram relacionados o volante Warian e os atacantes Carlinhos e Léo Jabá, recém promovidos ao time titular. Carille deverá manter o mesmo esquema tático e o mesmo time que venceu o Fluminense na Copa do Brasil. 
Na manhã deste sábado, em treino nas Laranjeiras, Levir Culpi manteve a escalação sem centroavante, com Marcos Junior e Wellington no ataque e confirmou a escalação de Igor Julião na lateral pelo lado direito. Para esse jogo, o técnico deverá reforçar a marcação com a entrada do volante Pierre, no lugar do atacante Henrique Dourado. Levir. que comandou um treino em campo reduzido, parou a atividade algumas vezes, para acertar o posicionamento em jogadas de bola parada. 
Sem dúvida, teremos um confronto decisivo na briga pelo G4. Jogando em casa, o Corinthians tem como vantagem o mando de campo e a torcida. No entanto, o adversário, com muito mimimi e chororó, tentou tumultuar a partida, botando pressão na arbitragem. Espero que isso não desestabilize emocionalmente os corinthianos, que já mostraram ser possível ganhar na bola, e que a equipe de árbitros não seja suscetível à pressão do time carioca. 
Precisamos dessa vitória, e para consegui-la é necessário ao time preocupar-se apenas com o jogo e manter a postura determinada da última partida. Com marcação reforçada, o Fluminense vai tentar impedir o Corinthians de jogar. Nesse contexto, os laterais terão que ser mais incisivos no apoio e não podemos continuar errando no arremate final, perdendo as chances de gol. Carille escalou o Romero de falso 9. Creio que Gustavo, embora não tenha ido bem contra o Palmeiras, seria mais útil para fazer o pivô e segurar os zagueiros rivais. Romero atua melhor pelos lados do campo e por ter baixa estatura, dificilmente pega uma bola alçada na área. Como o centro avante estará no banco, se o esquema não funcionar com o Paraguaio, será possível promover a mudança. 
Para se manter vivo no campeonato, o Timão não pode dar moleza, não pode jogar como timinho. Tem que entrar focado, determinado, com faca nos dentes e sangue nos zóios. No último jogo o Corinthians já se mostrou mais compactado e organizado, além de apresentar uma postura mais propositiva. É só manter a pegada, a concentração, trabalhar bem as jogadas, manter a bola nos pés e acertar os chutes a gol, lembrando que teremos um jogador a mais: a Fiel.

Créditos e fontes de imagens
meutimao.com.br-twitter.com/@brunotrolo-MAON
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-Nelson Perez/Fluminense F.C./Divulgação/odia.ig.com.br-MAON
Fernando Dantas/Gazeta Press-Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians/globoesporte.globo.com-MAON
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com-MAON

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Fazendo a lição de casa

Não foi uma vitória fácil. Sofremos do começo ao fim e só nos tranquilizamos após o apito final. Pelo menos fizemos a lição de casa, vencemos e nos classificamos para as quartas de final da Copa do Brasil. E, se ainda não vimos um Corinthians com cara de Corinthians, percebemos alguns progressos, pois vimos o Corinthians com cara de time, com mais organização e compactação, não levamos gol e a postura dos jogadores em campo foi mais determinada que nos últimos jogos. Pelo menos quem estava em campo não ficou só andando e desfilando. 
Mas, nem tudo foi perfeito. Nos gols impedidos, nossa defesa bobeou e se a arbitragem não estivesse atenta poderia ter validado pelo menos um dos gols, pois é difícil, na movimentação dos jogadores, perceber a diferença de centímetros. Tivemos mais posse de bola, 52,5%, mas pouca efetividade. No 1º tempo, apesar de 62% de posse de bola, não levamos perigo à meta adversária. Em todo o jogo, de 16 finalizações, acertamos 4 e só fizemos 1 gol. Erramos 41 passes e 22 cruzamentos, para apenas 4 certos. Ao final do jogo, tinha jogador muito cansado, obrigando Carille fazer substituições que facilitaram a vida do Fluminense. Física e tecnicamente temos muito que melhorar. Com muitos jogadores no Departamento Médico e sem meia no banco, ficou difícil para o treinador, que teve que apelar para os volantes e fechar o time no final.
Gol
Merecem destaques as atuações de Rodriguinho, o melhor em campo, não só pelo gol, mas pelo conjunto da obra, de Camacho, que como cabeça de área melhorou a qualidade do passe, e de Arana, seguro na defesa e bem no apoio. Fagner ficou muito preso à marcação e só se soltou um pouco na etapa final, Marquinhos Gabriel foi bem, mas precisa soltar mais a bola. 
Entrevista do Carille
Carille, com os ingredientes disponíveis não conseguiu preparar um banquete, mas soube preparar uma refeição nutritiva para matar a nossa fome de vitórias. Seu maior mérito foi, com apenas dois treinos e na concentração, ter mudado a atitude dos jogadores em campo, que tiveram uma postura muito diferente da apresentada no dérbi, mostrando maior comprometimento e respeito com a nossa camisa. 
Sou uma pessoa de fé e nunca perco a esperança. Por isso, acredito que meu Corinthians está voltando. 
Sobre o mimimi e o chororó, só vou me importar quando o Tapetense, ops, Fluminense, pagar a série B.
Melhores momentos
Ficha Técnica - Corinthians 1 X 0 Fluminense
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 21 de setembro de 2016 (Quarta-feira)
Horário: 21:45 horas (de Brasília)
Árbitro: Rodolpho Toski Marques – PR (ASP-FIFA)
Árbitro assistente 1: Bruno Boschilia – PR (FIFA)
Árbitro assistente 2: Ivan Carlos Bohn – PR (ESP)
Quarto árbitro: Edivaldo Elias da Silva – PR (CBF-2)
Público: 20.614 pagantes
Renda: R$ 1.103.889,50
Cartões amarelos: Cícero e Marquinho (Fluminense)
Cartão vermelho: Marquinho (Fluminense)
Gol: Corinthians: Rodriguinho, aos 24 minutos do segundo tempo
Corinthians: Cássio; Fagner, Yago, Balbuena e Guilherme Arana; Camacho (Cristian), Rodriguinho, Giovanni Augusto (Willians), Marlone (Lucca) e Marquinhos Gabriel; Ángel Romero; Técnico: Fábio Carille
Fluminense: Julio Cesar; Wellington Silva, Gum, Henrique e William Matheus; Pierre (Marquinho), Douglas, Cícero, Gustavo Scarpa e Wellington (Richarlison); Marcos Junior (Magno Alves); Técnico: Levir Culpi
Bastidores

Créditos e fontes de imagens e vídeos 
globoesporte.globo.com-Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-MAON 
Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.com 
youtube.com/Danilo Silva Gols HD-globo.com 
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.com 
youtube.com/Ligados no Timão
youtube.com/Sempre Futebol-globo.com 
twitter.com/@Corinthians 
youtube.com/Corinthians
youtube.com/Corinthians

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Corinthians X Fluminense - Copa do Brasil

Pela rodada de volta das oitavas de final da Copa do Brasil, o Corinthians receberá o Fluminense em sua Arena em Itaquera, nesta quarta feira, 21/09, às 21:45 horas. Como as duas equipes empataram por 1 a 1 na ida, o ganhador deste duelo vai avançar e o empate por 1 a 1 levará a decisão para a disputa de pênaltis. Como o gol marcado fora de casa vale como critério de desempate, o 0 a 0 garante o Timão nas quartas de final e o empate, a partir de 2 a 2, classifica o tricolor carioca. 
Ambos os times, embora ainda tenham chance de classificação da Copa Libertadores no Campeonato Brasileiro, têm na Copa do Brasil outra possibilidade de participação no torneio continental. O Corinthians, com 41 pontos ocupa a 5ª posição na tabela, e o Fluminense, com 40 pontos, a sexta. 
O Timão vive um momento complicado. Além de inúmeras contusões no elenco, tem oscilado muito no Brasileirão e, na última rodada, foi derrotado em casa pelo Palmeiras, o que causou a dispensa do técnico Cristóvão Borges e sua substituição pelo auxiliar Fábio Carille. O Fluminense vem de vitória de 1 a 0 sobre o Grêmio, no Rio Grande do Sul. 
Ficha Técnica - Corinthians X Fluminense 
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 21 de setembro de 2016 (Quarta-feira)
Horário: 21:45 horas (de Brasília)
Árbitro: Rodolpho Toski Marques – PR (ASP-FIFA)
Árbitro assistente 1: Bruno Boschilia – PR (FIFA)
Árbitro assistente 2: Ivan Carlos Bohn – PR (ESP)
Quarto árbitro: Edivaldo Elias da Silva – PR (CBF-2)
Corinthians: Cássio; Fagner, Yago, Balbuena e Guilherme Arana; Camacho; Marquinhos Gabriel, Rodriguinho, Giovanni Augusto e Marlone; Ángel Romero; Técnico: Fábio Carille
Fluminense: Julio Cesar; Wellington Silva, Gum, Henrique e William Matheus; Pierre, Douglas, Cícero e Gustavo Scarpa e Wellington; Marcos Junior; Técnico: Levir Culpi
No Corinthians, além dos escalados para iniciar a partida, também foram relacionados os goleiros Walter e Caíque França, o zagueiro Léo Santos, o lateral Léo Príncipe, os volantes Willians e Cristian, e os atacantes Isaac e Lucca.
Estão fora, no Corinthians, Jean e Gustavo, por já terem atuado no torneio por seus antigos times, Danilo, Guilherme, Bruno Paulo, Pedro Henrique, Uendel e Vilson, lesionados; e no Fluminense, Cavalieri lesionado, Samuel, Julião, e Maranhão, por já terem atuado no torneio pelos seus antigos times.
Pierre, do Fluminense, está pendurado com dois cartões amarelos. 
No Corinthians, por desfalques, por recuperação de lesões e por opção técnica, o agora técnico Fábio Carille promoveu algumas mudanças no time que iniciou o dérbi. Fagner estará de volta na lateral direita, Yago fará a dupla de zaga com Balbuena, Camacho ocupará a cabeça de área, Marquinhos Gabriel e Giovanni Augusto voltarão a ocupar o meio campo e Romero atuará como centro avante. Sairão do time o lateral Léo Príncipe, o zagueiro Vilson, o volante Cristian e os atacantes Lucca e Gustavo. 
O esquema tático será o 4-1-4-1, com o setor ofensivo tendo Giovanni Augusto e Rodriguinho centralizados, Marquinhos Gabriel pela direita, Marlone pela esquerda e Romero mais adiantado. No último treino, Carille promoveu um trabalho de posicionamento ofensivo e defensivo e ensaiou bolas paradas em cobranças de faltas e escanteios, bem como cobrança de pênaltis. 
No Fluminense, William Matheus e Douglas retornarão ao time nas vagas de Giovanni e Henrique Dourado. Levir Culpi montou o time com Marcos Júnior, Wellington e Scarpa formando o setor ofensivo. Precisando fazer gols, o time não vai poder ficar só na defesa esperando os contra ataques. Vai ter que sair para o jogo e dar espaços para o Corinthians. Para o técnico, é fundamental marcar bem e atacar. 
Para o Corinthians, além da classificação para a próxima fase, a partida é um desafio e uma oportunidade da retomada da vitória e da superação das dificuldades que a equipe vem enfrentando em decorrência de desmanches sucessivos, do time e da comissão técnica, oriundos dos desmandos administrativos da sua diretoria. Embora o problema maior do Corinthians não fosse o Cristóvão, sua saída pode tirar parte da pressão da torcida e da imprensa, e dar um pouco de tranquilidade ao trabalho da comissão técnica, com ganhos dentro do campo. Mais do que a mudança de jogadores, e alguns precisavam realmente sair do time, e da metodologia de trabalho, o que realmente poderá fazer a diferença será a mudança de postura dos jogadores em campo, será a garra, a determinação e o respeito à camisa e ao time que paga seus altos salários. Dois dias de treino é muito pouco para mudar o que precisa ser mudado, mas o comprometimento de cada um poderá alavancar uma nova atitude diante dos desafios do jogo e do campeonato. 
Corinthiano sempre tem fé. Corinthiano nunca desiste. Que se faça valer a mística da camisa e que, qual fênix renascida, a raça corinthiana aflore em Itaquera fecundada pelas energias da Fiel. 

Créditos e fontes de imagens
meutimao.com.br-Total Corinthians/meutimao.com.br-MAON 
Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-Nelson Perez/Fluminense F.C./Divulgação/odia.ig.com.br-MAON 
twitter.com/@CarlosAFerrari 
Nelson Peres/Fluminense FC/globoesporte.globo.com 
Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-MAON 

domingo, 18 de setembro de 2016

"Boi de Piranha"

Depois do último vexame, a corda rompeu no lugar mais fraco e o presidente do Corinthians demitiu o técnico Cristóvão Borges. Por justiça e hombridade, a diretoria e, também o gerente de futebol e o diretor adjunto, deveriam ter a humildade de reconhecer que faliram na condução do Corinthians e renunciarem coletivamente. Mas, é mais cômodo e vantajoso para eles manterem seus status, seus cargos, suas boquinhas e jogar na água um "boi de piranha", do que admitirem suas falhas. Cristóvão nunca foi um técnico top e foi contratado por ser um técnico barato, disponível no mercado e, possivelmente, por seu temperamento pacato, por ser "boa praça", por não criar encrenca, por aceitar um contrato sem multa rescisória. 
E foi defenestrado no vestiário, após a derrota para o Palmeiras, como se fosse o único ou o maior responsável pelo vexame, pela oscilação do time, pela inoperância e moleza da bolerada em campo, pela falta de qualidade dos contratados pós desmanches promovidos pela diretoria e por todos os desmandos cometidos. 
Demitir Cristóvão foi a solução mais fácil, mas não vai resolver o problema do Corinthians, porque ataca um dos seus efeitos, mas não a causa real, que é a má administração, a incompetência e a omissão de seus diretores, do seu conselho e de maus profissionais. Daqueles que foram incompetentes e omissos ao elaborar os contratos dos jogadores vendidos sem que o Corinthians tivesse alguma vantagem nessas transações, que foram incompetentes e omissos nas reposições pós desmanches e no preenchimento dos cargos de técnico, diretor adjunto e gerente de futebol. De quem contratou um técnico que não conseguiu se impor, de um diretor adjunto que sofre de diarreia mental, de um gerente que, por seus erros e inoperância, está jogando no lixo sua bonita história como jogador, e de jogadores sem condições técnicas, sem garra e sem as mínimas condições de vestirem nossa camisa. De uma diretoria que transformou o Parque São Jorge num balcão de negócios e no paraíso dos empresários. De um presidente que desrespeita o maior patrimônio do clube, sua torcida, e que se administrasse sua agência de automóveis como administra o Corinthians, estaria falido. 
Sobre o jogo só resta lamentar a falta de técnica, padrão tático, de organização e de vontade. Com raríssimas exceções, o time não entrou em campo. Faltou técnica, padrão tático, mas principalmente faltou o que no passado foi a marca do Corinthians. Faltou garra, faltou raça, faltou ser Corinthians. Não seria exagero dizer que perdemos por WO, pois o que vimos em campo não foi o Corinthians, mas sim um amontoado de jogadores sem alma, um bando de zumbis, subjugado por um time que nem precisou se esforçar para nos derrotar. 
Derrota que caiu nos ombros do elo mais fraco da corrente, o técnico, que tem sua responsabilidade no resultado, mas não a única nem a principal. Enquanto isso, o presidente ainda tem o desplante de afirmar não ser o responsável pelo caos que se instalou no Corinthians e para livrar-se da sujeira que essa diretoria produziu, lança-a aos técnicos Tite e Cristóvão Borges, responsabilizando-os pelas péssimas contratações na reposição dos desmanches. Mas, omite que entre os inúmeros jogadores solicitados e monitorados, contratou os mais baratos e não os melhores. Comprou na xepa da feira e reclama porque os chefes de cozinha não conseguiram, com os ingredientes de qualidade duvidosa, preparar um banquete. Na realidade, com alguns desses ingredientes não dá nem para fazer um sopão. 
A oscilação do time e o futebol apresentado nos últimos jogos, a falta de qualidade, a falta de garra de jogadores que andam em campo e que se escondem atrás de um desconforto muscular, parecem indicar o descompromisso dos mesmos com Corinthians e a ausência de profissionalismo, ou mesmo uma ação deliberada para derrubar o técnico. 
Mas, com certeza, toda essa desorganização, má vontade e o caos reinante refletem o caos administrativo implantado pelo grupo que se intitula Renovação e Transparência, mas utiliza métodos análogos ao que o antecedeu, portanto sem renovação, que não apresentou até hoje as contas da construção da Arena, portanto, sem transparência, o que nos faz temer pelo futuro do nosso Coringão.
Já passou da hora da torcida assumir sua responsabilidade e exigir que o Corinthians retome os ideais de seus fundadores e que seja refundado como time do povo e não do grupo que dele se apropriou. É urgente resgatar nossas origens, nossa identidade, nossa raça, nossa essência e nossa marca. 
QUERO MEU CORINTHIANS DE VOLTA

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Corinthians X Palmeiras

Pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians receberá o Palmeiras neste sábado, 17/09, às 16:00 horas em sua Arena, em Itaquera, na cidade de São Paulo. Quinto colocado no campeonato, com 41 pontos, 12 vitórias, 5 empates, 8 derrotas e 55% de aproveitamento, o Timão receberá o líder, com 48 pontos, 14 vitórias, 6 empates, 5 derrotas e 64% de aproveitamento. Ambos os times empataram por 1 a 1 na última rodada, o Corinthians com o Coritiba, fora de casa, e o Palmeiras com o Flamengo, em sua arena. 
Ficha Técnica - Corinthians X Palmeiras
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 17 de setembro de 2016, sábado
Horário: 16:00 horas (de Brasília)
Árbitro: Héber Roberto Lopes - SC (FIFA)
Assistente 1: Kleber Lúcio Gil - SC (FIFA) 
Assistente 2: Carlos Berkenbrock - SC (MAST)
Quarto árbitro: Elmo Alves Resende Cunha - GO (ESP)
Corinthians: Cássio; Léo Príncipe, Yago (Vilson), Balbuena e Uendel (Guilherme Arana); Cristian (Giovanni Augusto), Camacho, Lucca, Rodriguinho e Marlone; Gustavo; Técnico: Cristóvão Borges 
Palmeiras: Jaílson; Jean, Mina, Edu Dracena e Zé Roberto; Gabriel, Tchê Tchê, Moisés; Dudu, Roger Guedes (Erik) e Lucas Barrios (Leandro Pereira); Técnico: Cuca 
Além dos possíveis escalados, também foram relacionados: 
No Corinthians, os goleiros Matheus Vidotto e Walter, o zagueiro Léo Santos, os volantes Jean e Willians, o meia Marquinhos Gabriel, e os atacantes Romero e Isaac.
No Palmeiras, o goleiro Vagner, os laterais Fabiano e Egídio, o zagueiro Thiago Martins, os volantes Arouca e Thiago Santos, os meias Allione, Cleiton Xavier, Vitinho e Fabrício, e o atacante Rafael Marques.
Estão fora, no Corinthians Danilo, Rildo, Pedro Henrique, Bruno Paulo e Guilherme, lesionados e Fagner, suspenso; e no Palmeiras Fernando Prass, e João Pedro, lesionados, Vitor Hugo, Gabriel Jesus, e Alecsandro, suspensos. 
Estão pendurados, com dois cartões amarelos, no Corinthians, Vilson, Guilherme, Uendel, Pedro Henrique, Rodriguinho, Romero e Giovanni Augusto; e no Palmeiras, Arouca, Gabriel, Matheus Sales, Cleiton Xavier, Dudu e Rafael Marques.
Cristóvão Borges só vai definir o time titular horas antes do jogo, após avaliação médica de Vilson e Uendel. Mas, já definiu a escalação de Léo Príncipe na lateral direita e voltou a relacionar o Giovanni Augusto, que, se tiver condições clínicas, poderá substitui o Cristian na cabeça de área. 
No Palmeiras, Edu Dracena foi confirmado na zaga, mas Cuca ainda não definiu o substituto de Gabriel Jesus. Erik, Barrios, Rafael Marques e Leandro Pereira brigam por uma vaga. 
Para os dois times, a vitória é fundamental. Em vantagem na tabela e com um time mais entrosado, que conservou sua base e seu técnico, o Palmeiras vai enfrentar num jogo de torcida única do rival, o caldeirão de Itaquera. Com vários desfalques, o Timão, em processo de reorganização, vai precisar superar na raça e na mística de Itaquera suas dificuldades técnicas e organizacionais. Será um jogo em que os alvinegros terão que colocar o coração no bico da chuteira, reabastecendo-se na energia e no apoio da Fiel. Todos os ingressos foram vendidos e apoio não deverá faltar. Clássico é sempre um campeonato a parte, onde mais valem a garra, a mística e a determinação. É portanto uma excelente oportunidade de superação em busca da vitória, dos três pontos e de uma melhor posição na tabela. Vencer não é apenas possível. É necessário.

Créditos e fontes de imagens 
meutimao.com.br-fotografiasaereas.com.br-MAON 
verdaoweb.com.br-Marcelo Braga/globoesporte.globo.com-MAON 
Mauro Horita/Agif/Gazeta Press-Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians/globoesporte.globo.com-MAON 
facebook.com/corinthians 

Empatando e despencando

Tinha até desistido de escrever sobre o jogo no Paraná. Mas, não vou seguir o mau exemplo da tiriça do time nem da covardia da comissão técnica diante de um adversário limitado mas guerreiro e brigador. Até agora tento entender a falta de ousadia e a não correção dos erros de escalação, sendo que a permanência de ex jogador em atividade na cabeça de área durante os 90 minutos anestesia qualquer equipe. Só que não dá para responsabilizar só o Cristian pelo mau futebol apresentado, apesar dele ter sido ausente e inoperante. Com raríssimas exceções, o time foi mal, com muito erros de passes e de finalizações, além da imprudência do Fagner, cometendo um pênalti juvenil e desnecessário. Com um futebol morno, o Corinthians não conseguiu superar a garra dos paranaenses que lutaram incansavelmente na busca da vitória. 
Até poderia ser tentado algo diferente para dinamizar o jogo morno e lento do Corinthians, mas mesmo com um jogador a mais no final do jogo, Cristóvão não mexeu no time. Poderia ter tirado o Cristian, colocado o Camacho, um dos melhores em campo, na cabeça de área e promovido a entrada do Romero ou do Marquinhos Gabriel, o que daria mais movimentação e velocidade ao time. Faltava a transição e a bola não chegava no Gustavo, isolado na frente. Ainda carecemos de um meia de criação. 
Não entendi porque o técnico, precisando vencer, abriu mão de duas modificações a que tinha direito e, pelo menos, tentasse algo diferente. E fiquei pasma ao ouvir na entrevista que ele não mudou o time porque seus comandados estavam em um bom momento dentro de campo e uma substituição, ainda que pudesse dar-lhe mais ofensividade, poderia também desarrumar a equipe.
“Tem momentos. A equipe estava bem, o jogo estava fluindo, desenvolvendo bem, conseguindo as alterações de jogo que a gente precisa. Às vezes uma alteração assim pode desarrumar a equipe, desarrumar o que já estava arrumado. Por isso eu deixei”, justificou o técnico. 
Só entendi o que ele quis dizer com a afirmação de que "o jogo estava fluindo" ao encontrar no dicionário os significados do verbo fluir como escorrer e reduzir de tamanho, força ou intensidade. Nesse sentido, concordo com Cristóvão. O jogo estava fluindo, isto é, reduzindo de tamanho, força e intensidade e o futebol jogado estava escorrendo abundantemente para o ralo. 
Creio que depois de ter substituído mal contra o Santos e permitido que o Peixe virasse o jogo, ele ficou com medo da reação da torcida e errou pela inércia. Foi covarde e covardia não combina com o Corinthians. 
Tão ruim quanto o jogo foi o horrível uniforme dos jogadores, que, além do mal gosto, nada tem a ver com a nossa história e com a nossa tradição. A camisa parece uniforme de treino, o conjunto com o calção parece pijama de criança. Será que porque jogaram de pijama, alguns jogadores acharam que era para dormir em campo? 
Com o resultado, o Corinthians caiu para a 5ª posição e saiu do G4. O próximo compromisso é com o líder Palmeiras, sábado, 17/09, às 16:00 horas na Arena Corinthians, com torcida única do mandante.
VAMOS JOGAR BOLA

Créditos e fontes de imagens
globoesporte.globo.com-twitter.com/@RIBEIROGABRIELA-MAON 

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Coritiba X Corinthians

Pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians foi para Curitiba para enfrentar o Coritiba nesta quarta feira, 14/09, às 21:45 horas, no estádio Antonio Couto Pereira. Quarto colocado na tabela de classificação, com 40 pontos, 12 vitórias, 4 empates, 8 derrotas e 56% de aproveitamento, o Timão atuará contra o 15º colocado com 29 pontos, 7 vitórias, 8 empates, 9 derrotas e 40% de aproveitamento. Após perder para o Santos no último domingo, o Corinthians precisa da vitória para permanecer na linha de frente do Brasileirão e não ser ultrapassado pelo Peixe. Já o Coritiba, que vem de derrota para o Chapecoense, busca a vitória para afastar-se da zona de rebaixamento e livrar-se do risco de queda para a série B. 
Ficha Técnica - Coritiba X Corinthians 
Local: Estádio Antonio Couto Pereira, em Coritiba (PR)
Data: 14 de setembro de 2016, quarta-feira
Horário: 21:45 horas (de Brasília)
Árbitro: Grazianni Maciel Rocha - RJ (CBF-2)
Assistente 1: Silbert Faria Sisquim - RJ (CBF-1) 
Assistente 2: Carlos Henrique Alves de Lima Filho -RJ (CBF 2)
Quarto árbitro: Rafael Traci - PR (ASP-FIFA)
Coritiba: Wilson; Dodô, Luccas Claro, Juninho e Carlinhos; Alan Santos, João Paulo, Raphael Veiga e Iago; Kazim (Evandro) e Leandro Técnico: Paulo César Carpegiani
Corinthians: Cássio; Fagner, Vilson, Balbuena e Uendel; Cristian, Camacho, Marlone, Rodriguinho e Lucca; Gustavo; Técnico: Cristóvão Borges 
Além dos possíveis escalados, também foram relacionados: 
No Coritiba, o goleiro Bruno, os defensores Cesar Benites e Nery Bareiro, os meio campistas Amaral, Bernardo, Edinho, Thiago Lopes e Yan Sasse, e o atacante Ortega.
No Corinthians, o goleiro Walter, os laterais Guilherme Arana e Léo Príncipe, os zagueiros Yago e Léo Santos, os volantes Willians e Jean, o meia Marquinhos Gabriel, e os atacantes Romero e Isaac.
Estão fora, no Coritiba, Kleber, Neto Berola, Walisson Maia e Juan, todos no Departamento Médico; e no Corinthians, Giovanni Augusto, Danilo, Rildo, Pedro Henrique, Bruno Paulo e Guilherme, também no Departamento Médico. 
Estão pendurados com dois cartões amarelos, no Coritiba Carlinhos, Dodô, Leandro e Ruy; e no Corinthians Fagner, Vilson, Uendel, Rodriguinho, Pedro Henrique, Guilherme, Romero e Giovanni Augusto. 
Com vários desfalques por lesão no Coritiba, Carpegiani precisou mexer no time. O lateral direito Dodô deverá substituir Walisson Maia e, do lado esquerdo, Carlinhos entrará no lugar de Juan. No setor ofensivo, Kazim, recuperado de lesão, voltou aos treinos e poderá substituir Neto Berola, operado nesta terça feira. 
No Corinthians, mesmo tendo Yago à disposição, Cristóvão Borges resolveu manter Vilson na zaga. Com Giovanni Augusto fora, com dores musculares, o técnico optou pela entrada de Cristian como cabeça de área, com Camacho, atuando ao lado de Rodriguinho, mas com liberdade para avançar. O ataque permanece o mesmo que iniciou o jogo contra o Santos, com Marlone aberto pela direita, Lucca pela esquerda e Gustavo mais adiantado na função de centroavante.
Precisando da vitória para se manter vivo na briga pelo título e até para conseguir vaga para a Libertadores, o Corinthians não pode vacilar. O time tem que se conscientizar que o jogo é de dois tempos e, portanto, tem que atuar bem nos 90 minutos. Os jogadores têm que jogar com raça e o técnico comandar com bom senso e, se precisar substituir, agir com inteligência, a partir de uma leitura correta do jogo. Espero que tenham aprendido com os erros e que usem a inteligência, pois os pés e a cabeça apenas executam a ordem que vem da mente. Nesta altura do campeonato não dá mais para oscilar, para vacilar e titubear. É preciso recuperar os pontos perdidos e voltar a brigar pelo título.

Créditos e fontes de imagens 
meutimao.com.br-brasileiraoinfo.wordpress.com-MAON 
Giuliano Gomes/Agência PR PRESS/globoesporte.globo.com-Agência Estado/esportes.r7.com-MAON 
globoesporte.globo.com-Daniel Augusto Jr/ Agência Corinthians/globoesporte.globo.com 
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-MAON

O pescador pescado

Até agora estou tentando entender o desarranjo do Corinthians no 2º tempo na Vila Belmiro, fruto do desarranjo mental do seu técnico que, contrariando o ditado "não se mexe em time que está ganhando", conseguiu bagunçar o time e destruir o esquema tático que ele mesmo criou. Ao tirar o Gustavo, que segurava dois defensores do Santos, abrindo espaços para o nosso ataque, ele chamou o Peixe para a nossa área e permitiu o empate e a virada santista. Se não foi o único responsável pela derrota, pois os jogadores tiveram chances de ampliar o placar na etapa inicial e falharam, com suas mexidas equivocadas, foi o principal causador da mesma. Suas substituições destruíram o time, que até então se apresentava de forma organizada e articulada, deu espaço para o Santos, que logo empatou e depois virou.
Se fosse para substituir alguém do campo ofensivo, deveria ter tirado o Lucca, que estava mal, e não o Gustavo. A entrada do Willians para segurar o empate, só piorou o desempenho, pois o volante, que só sabe destruir, geralmente com faltas, improvisado pelo lado não conseguiu nem conseguiria produzir algo de bom. Teria sido melhor que o técnico reconhecesse seu erro e tentasse corrigi-lo colocando em campo o Isaac, centro avante de ofício.
Assim, com a derrota, perdemos 3 valiosos pontos e a chance de avançarmos na tabela. E ainda vimos adversários se aproximando.
Como me recuso a ser viúva do Tite e de qualquer outro treinador e jogador que deixem o time, tive toda paciência do mundo com o Cristóvão, como teria com qualquer outro técnico que viesse para dirigir um time desfalcado por sucessivos desmanches. Mas, está difícil defendê-lo e minha paciência está acabando. O time não consegue atuar bem nos 90 minutos e a cada novo jogo uma apreensão, uma incógnita. Bem que gostaria de poder defendê-lo, mas ele não ajuda. Para ele o time sempre está evoluindo, está melhorando... 
Com esse futebol apresentado, estar no G4 já é lucro. Sem grandes mudanças, se classificarmos, vamos passar vergonha na Libertadores. 
ACORDA DIRETORIA

Créditos e fontes de imagens 
globoesporte.globo.com-google.com.br/youtube.com-MAON 

sábado, 10 de setembro de 2016

Santos X Corinthians

Pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians enfrentará o Santos neste domingo, 11/09, às 16:00 horas, no estádio Urbano Caldeira, na Vila Belmiro, em Santos. Quarto colocado na tabela de classificação, com 40 pontos, 12 vitórias, 4 empates, 7 derrotas e 58% de aproveitamento, o Timão terá por adversário o 5º colocado com 36 pontos, 11 vitórias, 3 empates, 9 derrotas e 52% de aproveitamento. 
Vindo de três derrotas seguidas (Coritiba, Figueirense e Internacional, respectivamente), o Santos precisa bater o quarto colocado Corinthians para se aproximar novamente da zona de classificação para a Copa Libertadores da América e continuar pensando em título. Já o Timão, após vencer o Sport no último jogo, busca a vitória fora de casa para não se distanciar dos primeiros colocados. 
Ficha técnica - Santos X Corinthians
Local: Estádio Urbano Caldeira, na Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data: 11 de setembro de 2016, domingo
Horário: 16:00 horas (Brasília)
Árbitro: Raphael Claus - SP (FIFA) 
Assistente 1: Marcelo Carvalho Van Gasse - SP (FIFA) 
Assistente 2: Danilo Ricardo Simon Manis - SP (FIFA)
Quarto árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araujo - SP - (CBF 2) 
Santos: Vanderlei; Daniel Guedes, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Thiago e Jean Mota; Vitor Bueno, Rodrigão e Copete; Técnico: Dorival Júnior 
Corinthians: Cássio; Fagner, Balbuena, Vilson e Uendel; Cristian (Willians), Camacho, Marquinhos Gabriel, Rodriguinho e Marlone; Gustavo (Lucca); Técnico: Cristóvão Borges 
Além dos possíveis escalados, também foram relacionados:
No Santos, o goleiro Vladimir, o lateral Caju, os zagueiros Davi Braz e Lucas Veríssimo, os meio campistas Elano, Emiliano Vecchio, Fernando Medeiros, Léo Cittadini, Rafael Longuine e Yuri, e os atacantes Joel, e Walterson.
No Corinthians, os goleiros Walter e Matheus Vidotto, os laterais Guilherme Arana e Léo Príncipe, o volante Jean, o meia Giovanni Augusto, e os atacantes Romero e Isaac. 
Estão fora, no Santos, Paulinho, lesionado, Lucas Lima, Ricardo Oliveira e Vitor Ferraz, suspensos; e no Corinthians, Guilherme, Rildo, Pedro Henrique e Danilo, lesionados, e Yago, suspenso. 
Estão pendurados, com dois cartões amarelos, no Santos Jonathan Copete, Renato, Vitor Bueno e Yuri; e no Corinthians Vilson, Guilherme, Uendel, Pedro Henrique, Rodriguinho, Romero e Giovanni Augusto. 
Com vários desfalques na equipe, Dorival Júnior terá a volta do volante Thiago Maia, que cumpriu suspensão diante do Inter e entrará na vaga de Léo Cittadini. Para o lugar dos suspensos, o técnico deverá escalar Daniel Guedes, Jean Mota e Rodrigão. 
O Corinthians terá a volta de Balbuena, que cumpriu suspensão no último jogo, que formará a dupla de zaga com o Vilson, que entrará no lugar do suspenso Yago. O lateral direito Fagner e o meia Marquinhos Gabriel, recuperados respectivamente de infecção gastro intestinal e de gripe, estarão de volta à equipe. Cristóvão Borges só revelará a equipe uma hora antes do jogo, mas não descartou outras mudanças no time que iniciou o jogo contra o Sport. Cristian, que foi mal na Arena, poderá perder a vaga para Willians, ou Camacho poderá ser deslocado como cabeça de área. Na frente do ataque, a dúvida está entre Gustavo, que estreou bem no último jogo, e Lucca. Gustavo, cuja entrada mudou o jogo na Arena, atuando como um verdadeiro camisa 9 e segurando dois defensores, parece-me a melhor opção. 
Embora seja complicado jogar na Vila Belmiro, se o Corinthians atuar com a mesma postura do 2º tempo do último jogo, é possível voltar de Santos com os três pontos na bagagem. Infelizmente, será um jogo de torcida única, e a Fiel estará fisicamente ausente. Mas, como não existem barreiras para o pensamento, a torcida e as vibrações de mais de 30 milhões de corinthianos chegarão à Vila Belmiro para apoiar nosso time. 

Créditos e fontes de imagens 
meutimao.com.br-pt.wikipedia.org-MAON 
atribunamt.com.br-Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/goal.com.br -MAON 
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/globoesporte.globo.com-Mauro Horita/Agif/Gazeta Press-Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians/gazetaesportiva.com-MAON 
facebook.com/BANDO DE LOUCOS 

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

O Leão virou um gatinho

Fazendo jus ao seu apelido, o Sport entrou em campo como um Leão, mas acabou o jogo como um gatinho bem mansinho. Com forte marcação, deixou o Corinthians sem saída de bola, que, desorganizado e amedrontado, mal na marcação e na armação, sofreu enorme pressão do clube recifense, que só não abriu o placar devido a pontaria ruim de seus jogadores e à defesa do Cássio na bola cabeceada por Diego Souza. Na etapa final, o Corinthians se acertou e o jogo mudou. Cristóvão tirou o volante Cristian e colocou o centro avante Gustavo, deslocou Lucca para a esquerda, deixou Marlone na direita, Giovanni Augusto no meio ao lado de Rodriguinho, Camacho na cabeça de área e o estreante Gustavo como centro avante. Com o novo posicionamento e com uma nova postura em campo, os espaços se abriram e o Leão, de caçador passou a ser caçado e domesticado, transformando-se num gatinho mansinho e inofensivo. E os gols foram acontecendo naturalmente. 
Gols
Logo no primeiro minuto, Gustavo tocou de cabeça para Marlone na direita, que foi à linha de fundo, cruzou para a área e Rodriguinho mandou para o gol. Aos 8 minutos Rodriguinho presenteou Neto Moura com uma caneta, iniciando o lance, Marlone recebeu a bola de Léo Príncipe na direita e cruzou rasteiro para o lateral-direito só desviar para o gol, marcando seu 1º tento como profissional. E aos 16 minutos, Lucca cobrou escanteio, Vilson se antecipou a Matheus Xavier e tocou de cabeça. A bola bateu no travessão e entrou no gol. A partir daí o Corinthians só administrou o jogo. 
Marlone, com belas jogadas e duas assistências foi o melhor jogador em campo. Léo Príncipe, Vilson e Rodriguinho também merecem destaque. Gustavo fez boa estreia e como um nove verdadeiro, estava na área nos três gols, prendendo os zagueiros adversários e liberando seus companheiros. E ainda se emocionou e nos emocionou, ao declarar seu amor pelo Timão. Cristian, andando em campo, teve uma péssima atuação, e pelo que não jogou está se credenciando para ser um ex jogador em atividade. 
Entrevista do Cristóvão
Méritos, também para o treinador que, se errou na escalação deixando Gustavo no banco, soube fazer a leitura correta do jogo, acertou o time no intervalo, e, com ousadia, tirou um volante e pôs um atacante, ajustou o posicionamento e mudou o estilo de jogo. Méritos, também para os jogadores, que entenderam a proposta, se doaram em campo e buscaram a vitória e os três pontos, domando e amansando o Leão da Ilha. 
E assim, como torcedora, ao ouvir o apito final, pensei: "Todo mundo odeia CRIStian. Todo mundo ama CRIStóvão". Pelo menos, naquela hora, pelo que foi o jogo, era esse o meu sentimento. 
Com a vitória o Corinthians completou 34 jogos sem perder na Arena e alcançou 40 pontos na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, mantendo-se na 4ª colocação e a seis do líder Palmeiras. O Sport estacionou nos 27 pontos e continua próximo da zona de rebaixamento para a Série B da competição.
Na próxima rodada, o Corinthians enfrentará o Santos domingo, às 16:00 horas (de Brasília), na Vila Belmiro, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. No mesmo horário, mas na Ilha do Retiro, o Sport receberá o Santa Cruz. 
Melhores momentos
Ficha Técnica - Corinthians 3 X 0 Sport
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 8 de setembro de 2016, quinta-feira
Horário: 19:30 horas (de Brasília)
Árbitro: João Batista de Arruda - RJ (CBF-1)
Assistente 1: Michael Correia - RJ (CBF-1) 
Assistente 2: João Luiz Coelho de Albuquerque - RJ (CBF-1)
Quarto árbitro: Marcelo Aparecido R. de Souza - SP (CBF-1)
Público: 24.360 pagantes
Renda: R$ 1.163.355,50
Cartões amarelos: Vilson, Yago (Corinthians); Durval (Sport)
Gols: Corinthians: Rodriguinho, aos dois, Léo Príncipe, aos nove, Vilson, aos 17 minutos do segundo tempo
Corinthians: Cássio; Léo Príncipe, Yago, Vilson e Uendel; Cristian (Gustavo), Camacho (Willians), Giovanni Augusto (Jean), Rodriguinho e Marlone; Lucca; Técnico: Cristóvão Borges
Sport: Magrão; Samuel Xavier (Apodi), Matheus Ferraz, Durval e Rodney Wallace; Rithely, Neto Moura, Diego Souza, Gabriel Xavier (Edmilson) e Everton Felipe (Rogério); Ruiz; Técnico: Luiz Alberto 
Bastidores

Créditos e fontes de imagens e vídeos 
globoesporte.globo.com-taniarubim.com.br-MAON 
Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians/meutimao.com.br-Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-MAON 
youtube.com/Ligados no Futebol-globo.com 
Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians/meutimao.com.br 
Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.com 
youtube.com/Os Donos da Bola-globo.com 
Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.com 
youtube.com/Ligados no Futebol-globo.com 
Fernando Dantas-Gazeta Press 
youtube.com/Corinthians