domingo, 31 de julho de 2011

Avaí X Corinthians - Pre-jogo


Na caminhada rumo ao Penta a próxima batalha é na bela cidade de Florianópolis, onde vamos enfrentar o Avaí. Para nós é um jogo decisivo para a ampliação da distância na tabela. Para o adversário, que tem apenas uma vitória, quatro empates, sete derrotas, um saldo de gols de menos dezesseis e ocupa o penúltimo lugar na tabela, é um jogo de vida ou morte para continuar respirando no campeonato. No ano anterior, em seu estádio, este time nos fez perder três preciosos pontos no 1º turno do Brasileirão. Se isto nos faz acender o pisca alerta, não pode nos assustar nem nos intimidar. A situação hoje é outra, nosso time atual é muito melhor que o anterior, mais comprometido, melhor entrosado e,  tecnicamente, muito superior ao time adversário. 
Continuamos com alguns desfalques, mas, acredito que não teremos os mesmos problemas do último jogo. Renan já deve ter superado o peso da estreia no Pacaembu lotado, o peso da camisa e a insegurança demonstrada no jogo anterior. Além disso, vai enfrentar seu ex-time em sua antiga casa e sua antiga torcida em um local que conhece muito bem. Vai querer mostrar serviço, o que será mais um estímulo para ele. Teve uma semana inteira para assimilar o gol que tomou, para corrigir os erros que cometeu, melhorar o posicionamento e voltar mais seguro e confiante.
Paulo André é, sem dúvida, o zagueiro mais experiente e mais técnico do Timão, além de ser muito bom no cabeceio, podendo ser muito útil nas bolas paradas e cruzamentos dentro da área. Suas qualidades e experiência, bem como o conhecimento que tem do elenco, serão decisivos para que possa superar o desentrosamento e o ritmo de jogo.
Émerson, com características diferentes do Liedson, pode ter dificuldades na função. Creio que se sairia melhor se trocasse de posição com o William, que no Campeonato Paulista atuou muito bem quando substituiu o Liedson.
Pelas dificuldades que teve nos dois últimos jogos, Danilo merece ficar no banco. Contra o Cruzeiro, Alex entrou e mudou o jogo, dinamizando a partida e criando oportunidades de gol, infelizmente desperdiçadas.
Tite afirmou que não terá reserva para a zaga e que se precisar substituir terá que improvisar. E o André Vinicius? Continua machucado ou está sendo preservado para não queimar o menino? Subiu para o time principal há mais de um ano e até agora não estreou. Ele era muito bom nos juniores e chegou até a ser convocado para as seleções da base. Francamente, tem coisas que eu não entendo...
Temos tudo para vencer, mas não podemos vacilar. Se por respeito, não devemos entrar de salto alto, por outro lado, temos que, desde o início, fazer valer nossa superioridade técnica, jogando com raça e determinação. Praia paradisíaca e Avaí remetem-nos a baile com direito a hula hula. Mas, não vamos lá para dançar, mas sim para ditar o ritmo do jogo e buscar mais três pontos. Neste baile temos que ser o DJ e não os dançarinos. Tivemos uma semana inteira para lamber as feridas, curar a ressaca, treinar, corrigir os erros, aperfeiçoar os fundamentos e acertar os detalhes. 


Agora é chegar lá, partir pra cima e jogar como Corinthians. Sem vacilar. Temos time para isso. Vamos buscar mais três pontos.




Créditos e fontes de imagens
vvclube.com.br
clnoticiasrss.com.br
noticias.bol.br
Tom Dib/lancenet.com.br
Gazeta Press/esporte.ig.com.br
Tom Dib/lancenet.com.br
fotolog.com.br

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Por favor, prendam a bruxa...


A bruxa anda solta no Corinthians. As contusões sucedem-se, apesar do controle e prevenção de primeiro mundo realizados pelo Departamento Médico e pelos preparadores físicos. Agora é o Chicão, com edema na coxa e o Wallace, com dores de cabeça, que desfalcam o time contra o Avaí. E o DM está ainda mais povoado: Adriano, Alessandro, Liedson, Júlio César, Luiz Ramires, Chicão e Wallace. E sem contar com aqueles que têm dado uma passadinha por lá, com frequência mais que desejada e nos assustando muito: William, Jorge Henrique, Paulinho, Paulo André... 
Mandinga? Olho gordo? Inveja?
São Jorge tirou férias?
Falta de resistência física dos atletas? Preparação inadequada? Treinamentos excessivos? Falta de treinamento?
Pre temporada curta e insuficiente?
Calendário de jogos? Maneira de jogar?
Tem de tudo no cardápio para a alegria dos palpiteiros de plantão. É só escolher a hipótese que mais agradar. Mas, como isso não é loteria, o importante é fazer um diagnóstico preciso e objetivo, bem como implementar ações preventivas adequadas, pois, ainda nem chegamos na metade do campeonato e o elenco já está dando sinal de alerta.
Temos um CT e profissionais de primeiro mundo e, com exceção do Adriano, que sofreu cirurgia e do Liedson, que não teve férias, os demais jogadores não deveriam apresentar tantos problemas. É preciso, e com urgência, descobrir as causas dessas contusões. 
Como não resisto a um palpite, coloco a pre temporada curta e insuficiente como uma das causas principais de tantas lesões, embora reconheça que outros fatores possam ter agravado a situação. Os clubes deveriam reivindicar um melhor planejamento dos campeonatos e um calendário mais compatível com as condições e necessidades dos jogadores, os responsáveis diretos pela qualidade do espetáculo. É preciso descobrir quem é a bruxa da história do futebol brasileiro que, pelas baixas que vem causando nos diversos times, está atrapalhando o bom andamento do campeonato. E, uma vez descoberta, mandar prendê-la com urgência. Ou seja, descoberta as causas de tantas baixas, eliminá-las rapidamente.

Mas, com a bruxa solta, com as baixas e com quem jogar, vamos confiar num bom jogo e num bom resultado. Hoje temos um elenco de qualidade e guerreiro. Vamos buscar mais três pontos, na raça e na superação, porque:


Aqui é Corinthians!!!
Assim é o Corinthians!!!

Fontes das imagens
fotolog.com
lupadoturismo.blogspot.com
lardomestre.blogspot.com
omegaeletronicos.com.br

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Timão em notícias


Ralf é seleção
Antes tarde do que nunca. Finalmente Mano Menezes resolveu chamar o Ralf para defender a amarelinha. Depois que os badalados amarelaram, nada como um verdadeiro craque para defender a seleção do país vizinho. Finalmente teremos um meio campo com pegada, com alguém firme na marcação e nos desarmes. Por um jogo, contra o Santos, que também não terá Neymar e Ganso, ficaremos sem nosso Monstro, sem nosso pitbull, sem nosso primeiro volante... Vai fazer muita falta, até porque não temos reserva à altura. Mas, é por uma boa causa. O melhor volante do Brasil merece esta oportunidade para mostrar ao mundo, toda sua competência, toda sua raça, toda sua habilidade... Aliás, já deveria ter sido convocado para a Copa América. Parabéns Ralf! 
Nosso estádio avança e supera as previsões
Passando pela obra em Itaquera, é possível avistar os trabalhos de fundação do solo e as estacas para a construção das arquibancadas. Também, já foram colocados muros em volta do canteiro de obras. De acordo com Frederico Barbosa, gerente operacional da Odebrecht, em agosto será iniciada a fabricação dos blocos de apoio e em outubro a dos pré-moldados, que serão feitos no próprio canteiro de obras, sendo que até o final de 2012 será possível ver o esqueleto do estádio com suas estruturas definidas. A forma “retangular” do estádio, permitindo que seus lados sejam erguidos de forma independente, contribui para o avanço da obra. Como já foram finalizadas as obras de proteção contra as chuvas, quando estas chegarem, os trabalhos de terraplanagem não serão abalados. Nesta quarta feira, Jeróme Walcke, secretário geral da FIFA, afirmou ter recebido boas notícias sobre o nosso estádio, confirmando que todos os compromissos financeiros já foram acertados e declarando-se confiante com São Paulo (a cidade) na Copa do Mundo.
Portanto, nosso estádio voa em céu de brigadeiro e navega de vento em popa, apesar dos ataques dos piratas saqueadores que tentam desesperadamente por o barco à pique. Ou seja, parte da imprensa e até um conselheiro de time rival, hoje cover de vereador, que trocou o judô pelo vale tudo, e vem nos atacando com golpes baixos e procurando trapacear e ludibriar, com calúnias e difamações.
Departamento Médico com muito trabalho interfere no desempenho do Timão
De uma hora para outra o DM lotou e o time desarranjou. Adriano e Alessandro ganharam companhia e o time ficou desfalcado na defesa (Júlio César), no meio campo (Luiz Ramires) e no ataque (Liedson). Até os reservas se entrosarem e pegarem ritmo de jogo, vamos sofrer um bocado. Aliás, já sofremos muito no último jogo. Tite vai ter muito trabalho e os jogadores precisam de muita garra e esforço para superarem as dificuldades e os desafios. Ainda bem que não perdemos ninguém por suspensão e o Fábio Santos retorna no próximo jogo.
Semana vazia. Só treinando...
Uma semana inteira para lamber as feridas e por ordem na casa. É bom para corrigir os erros e aprimorar os fundamentos. Acertar passes, finalizações e cruzamentos. E do goleiro, saída do gol e posicionamento. Não se esquecer de aprimorar as bolas paradas e de melhorar o entrosamento. Estamos com saudades de um gol de falta.
Lig lig lig. Um negócio da China...
Vender camisa é bom. Dá lucro e internacionaliza a marca. Mas, não vamos esquecer que somos um time de futebol. Não adianta só vender camisa. Se vier o chinesinho, é preciso, também, vestir e honrar a camisa do Timão.
Domingo tem baile do Avaí.
Vamos para Floripa por os anfitriões pra dançar. Corrigir os erros do último jogo e partir pra cima. Nada de Ressacada da derrota no Paca. Nada de bancar o Robin Hood. Não podemos dar espaço nem vacilar. É ganhar ou ganhar. Temos time para isso. Vamos buscar mais três pontos.

E não se esqueçam que:

Aqui é Corinthians!!!
Assim é o Corinthians!!! 


Fontes de imagens
ultradownloads.uol.com.br
espn.estadao.com.br
esporte.uol.com.br
rac.com.br
zazzle.com.br
vcclube.com.br

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Corinthians 0 X Cruzeiro 1 - A raposa fugiu...

Contrariando minhas previsões, nossos desfalques contribuíram para a quebra da invencibilidade do Corinthians e a falta de ritmo, principalmente do Ramon e do Renan, atrapalharam mais do que o esperado e o desejado. Parece que ambos sentiram o peso da camisa e da estreia. Foi um jogo muito pegado, no qual as substituições pesaram mais do que deveriam.
Com cinco meio campistas eles anularam nosso ataque. Deixamos Montillo e Roger Chinelinho muito livres de marcação, nossos laterais pouco avançaram e priorizamos as bolas aéreas (31 cruzamentos) que foram interceptadas pelos altos zagueiro adversários.
Procuramos o gol, mas erramos nas finalizações e deixamos de passar a bola para o jogador melhor posicionado. Foram 17 chutes a gol do Corinthians, contra apenas 5 do Cruzeiro. A diferença foi que eles acertaram 1 e nós erramos todos.
Falhas individuais também contribuíram, e muito, para a derrota. No lance do gol, nosso meio campo não conseguiu interceptar o lançamento do goleiro Fábio, dando condições para o atacante cruzeirense observar o mau posicionamento do Renan e, num belo chute de fora da área, encobrir nosso goleiro e abrir o placar. Aliás, esta não foi a única falha do Renan, que ficou várias vezes mal posicionado, foi inseguro nas bolas aéreas, quase perdeu várias bolas e tomou só um gol porque eles erraram suas poucas finalizações. Ah! Se fosse o Júlio César já estaria sendo crucificado e de cabeça para baixo. Também não acho que o Renan deva ser execrado pelas falhas e espero que as mesmas tenham sido decorrência da tensão da estreia e da falta de ritmo de jogo e não de deficiência técnica.
Ramon, além de pouco ter vindo para a linha de fundo, esteve muito afobado e ansioso. Num lance atabalhoado dentro da área, foi com a mão na bola, fazendo um pênalti claro, que não foi marcado pelo árbitro.
Émerson foi individualista e fominha. Não jogou para o grupo nem pelo grupo, abusou dos erros, quis resolver tudo sozinho e foi muito infeliz nas finalizações. Perdeu várias chances de gol, teve um lance em que Paulinho estava melhor posicionado na área e ele não passou a bola. Perdeu gols feitos e teve no jogo uns lances a la Souza e Iarley. 
Outro aspecto negativo foi a volta do Danilozzzzzzz que, infelizmente voltou a ser o Danilo de 2010. E no 2º tempo, como lateral esquerdo, posição em que sempre foi mal, foi pior ainda. Em fase de renovação contratual, pressionou durante a semana, declarando, através de seu empresário, que analisaria outras propostas. É bom que ele saiba que ao Corinthians só interessa o ZIDANilo e não o Danilozzzzzzz. 
Com a entrada de Alex, melhorou a criação e a partida passou a ter outro ritmo. Tudo indica que em breve o meio campo terá um novo titular.
Depois que tomamos o gol o time se descontrolou, ficando mais afobado e desorientado. Mesmo Edenilson, que sempre entra bem, mostrou ansiedade, foi fominha e deixou de cruzar a última bola para um jogador melhor posicionado.
Elias fez sua estreia numa situação adversa e no final de um jogo complicado. Lamentável! Se o experiente Danilo não deu conta do recado para que jogar o moleque na fogueira? Agora só falta emprestá-lo para o Bahia ou para o América MG.
Perdemos o jogo e a invencibilidade, mas não perdemos a liderança do campeonato. Como prometeu o Montillo, eles jogaram como time pequeno e, desde o ano passado, são os times pequenos que têm nos complicado. O time lutou, jogou com raça, mas não conseguimos passar pelo ferrolho mineiro. Fomos afobados e ansiosos, principalmente depois que sofremos o gol. Faltaram entrosamento e ritmo de jogo aos novatos, erramos as finalizações, Tite errou ao colocar o Danilo, que é lento, na lateral, quando, com o meio campo congestionado, precisávamos atacar mais pelos lados. 
A situação não é de desespero, mas não podemos achar que a derrota no Pacaembu tenha sido normal. Não podemos perder a pegada de vencedor nem permitir que os demais times se aproximem de nós. Precisamos aprender a jogar com times pequenos, que ficam na retranca, a espera de um contra ataque e a vencê-los. Temos uma semana inteira para corrigir os erros, aperfeiçoar os fundamentos e trabalhar o emocional dos jogadores. Para treinar, exaustivamente, finalizações e cruzamentos, para diminuir a ansiedade, a afobação e parar de levar cartões por briga e reclamações. E, também, para acertar o posicionamento e a saída de bola dos goleiros, problema recorrente nos últimos tempos. Parece que este é mais um problema do Mauri que dos próprios goleiros. Talvez fosse interessante fazer um jogo treino com os juniores para melhorar o entrosamento.
Ah! Antes que eu me esqueça. Um recado para o Roger Chinelinho: Se ele acha que o Corinthians não tem nada demais, nós, os corinthianos, temos certeza que ele tem tudo de menos e que ele nunca foi digno de jogar no Corinthians. Aliás, quando aqui fingia que jogava, não saia do DM, fazia corpo mole e só usufruia do Timão, não contribuindo em nada para a nossa grandeza e para as nossas conquistas. E depois que saiu, demonstrando total falta de ética, nunca perdeu a oportunidade de desmerecer o time que um dia o acolheu. É o típico indivíduo que cuspiu no prato em que comeu. Embora ele não saiba, ou finja não saber:





Aqui é Corinthians!!!






Créditos e fontes de imagens
iferreira20.blogspot.com
Agência Estado
Júnior Lago/uol.com.br
soccerevolution.com.br
uol.com.br
loucoporti.com.br
loucoporticorinthians.com

sábado, 23 de julho de 2011

Corinthians X Cruzeiro - Pré jogo - Vamos à caça da raposa

Vamos para mais uma batalha, para mais um desafio, em busca de mais três pontos e de mais folga na tabela. Apesar de ser no Pacaembu, com o total apoio da torcida, poderemos ter algumas dificuldades. A bruxa está solta e tenta desarrumar nossa casa. Júlio César, Fábio Santos, Liedson e, talvez Jorge Henrique, serão desfalques contra o Cruzeiro. 


Aquele mesmo Cruzeiro, time enjoado e encardido, que sempre tenta nos fazer cair numa esPARRELA, com suas reclamações, encenações e insinuações descabidas, com suas lágrimas fingidas...
Com a entrada de quatro possíveis reservas, perde-se em entrosamento e em ritmo de jogo. Émerson Sheik e Alex já vêm entrando no time, mas, Renan e Ramon, recém chegados, farão a estreia neste jogo. A defesa, que vinha bem entrosada, pode ser prejudicada, principalmente pelas características mais ofensivas do lateral. Mais que nunca será necessário que se tenha muita paciência e atenção, com previsão de muito trabalho para a zaga e para o Ralf. 
No ataque, Sheik tem entrado bem e não compromete enquanto Alex deverá jogar mais adiantado e possivelmente inverterá de lado com o William. Elias de Oliveira deve ir para o banco, mas, dificilmente entrará. Se necessitar substituir um atacante, Tite optará por Edenilson que, apesar de ser meia, é mais experiente e, quando entra, tem ajudado no ataque.
Não acredito que os desfalques possam colocar em risco a invencibilidade do Corinthians, mas sim dificultar o jogo, não pela qualidade dos reservas, que atendem às necessidades do time, mas pela natural quebra de ritmo da equipe devido à substituição de jogadores chaves do elenco.

Não podemos afirmar que os desfalques não atrapalham, embora estejamos hoje numa situação mais confortável que em 2010, quando tínhamos um centro avante genial, mas que quase não saia do Departamento Médico, além de estar fora de forma e desmotivado, um mulekinho firulento e pouco objetivo, que mais zoava que jogava e dois atacantes reservas que perdiam gol até sem goleiro.
Hoje, além de termos mais time, temos um elenco, com peças de reposição, temos um grupo coeso, seguro e integrado. O jogo deste domingo será um bom teste e um desafio. Poderemos ter algumas dificuldades, mas nada que não possa ser superada com a raça e com a garra corinthiana. Porque:




Aqui é Corinthians!
Assim é o Corinthians!







Créditos e fontes de imagens
iferreira.blogspot.com
cruzeiroesporteclubeeternamente.blogspot.com
Tom Dib/lancenet.com.br
dibjr.wordpress.com
lokoepokoo.webnode.com.br

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Jogando muita bola e mais três pontos na sacola


Não foi no Engenhão, foi em São Januário. Eles entraram valentes, trazendo o álcool do seu engenho para o jogo incendiar. Chegaram inflamados, cuspindo chamas pelas ventas, querendo nos derrotar. 
Traziam feixes de cana, alguns potes de melaço e uma porção de rapadura pras energias recobrar. Para três deles o jogo tinha um sabor diferente, um sabor especial, pois já foram parceiros da gente e hoje são nossos rivais.
Mas, não estávamos para brincadeira e Chicão e Castan, transmutados em bombeiros, apagavam qualquer incêndio e afastavam o perigo, Ralf desarmava os morteiros e já partíamos para os contra ataques. Assim, o adversário foi ficando cansado e desgastado. Brincávamos de gato e rato e esperávamos o momento certo para a presa devorar. Eles também tentavam nos desarmar, mas erravam muitos botes, não acertavam o rebote nem conseguiam o chute acertar.
Entre bates e rebates e algumas bolas nas traves, com perigo para os dois lados o gol não saia. Mas, eis que numa triangulação entre Jorge Henrique, Fábio Santos e Liedson, já no finalzinho do 1º tempo, o Levezinho abre o placar, destruindo as chamas da esperança do time carioca.
No 2º tempo eles voltaram com tudo, tentando o fogo reavivar, mas erravam muitos passes. Nós também atacávamos, levando perigo ao seu gol e exigindo do seu goleiro várias defesas. Num erro do árbitro, foi marcado um impedimento de William, numa bela jogada que poderia resultar em gol. Tentando arrumar o time adversário que, embora viesse pra cima, errava muitos passes e pouco finalizava, o seu técnico muito mexia, invertendo posições e fazendo substituições. 
Do nosso lado, Tite substituiu Jorge Henrique (que, com dores na coxa, saiu do campo mancando e direto para o gelo), pelo Émerson, William por Alex e Liedson por Edenilson. Émerson entrou bem, fez boas jogadas e levou perigo a meta adversária. Não entendi a saída de William que vinha muito bem na partida, marcando, apoiando e atacando. Alex poderia ter entrado no lugar do Danilo que, na etapa final parecia ter se cansado. Edenilson, mais uma vez correspondeu, tendo participado da jogada que possibilitou o gol do Paulinho, já nos acréscimos finais. 
Num lançamento de Alex, Edenilson chutou pro gol, o goleiro rebateu, Paulinho pegou o rebote e mandou para o fundo da rede. Quem é bom de volante, jamais perde a direção.
Antes disso, aos 41 minutos da etapa final, após defender um chute adversário, Júlio César sofreu uma luxação no dedo mínimo da mão esquerda. Atendido no campo com muita dor, mesmo com o dedo latejando, num ato heroico, ele optou por permanecer no jogo para evitar o deslocamento de um jogador de linha para o gol, pois já haviam sido feitas as três substituições. E ainda fez uma bela defesa, usando apenas uma das mãos.
O time foi bem. Jogou com raça e determinação. Teve paciência, marcou, desarmou, apoiou e atacou. Mas, precisa melhorar as finalizações. Os laterais estão chegando mais ao ataque, o que ajuda muito, desafogando o meio campo. Jogamos muita bola e voltamos do Rio com mais três pontos na sacola, além da liderança isolada e da quebra de mais um tabu, a dificuldade de vencer os times cariocas no Rio de Janeiro.
Apagamos o Fogão que voltou para o Engenhão igual vela sem pavio. Diante de nossa defesa seu ataque virou traque. Ofuscamos sua estrela, que ainda mais solitária, perdeu sua luz e seu brilho, diante dos nossos craques. Conseguimos Botafogo no jogo e transformar o time do Engenhão num engenho de fogo morto, totamente apagado e derrotado.
Mais uma batalha vencida. Mais uma vitória. Mais três pontos conquistados por este time tão embalado, tão aplicado, tão amado e tão invejado. Mais um passo dado nesta longa caminhada, num torneio longo e complicado. 

E que venha o próximo...


Créditos e fontes de imagens
fogonoticias.blogspot.com
vapordecachoeira.blogspot.com
programatrocandoemmiudos.com.br
André Ricardo/uol.com.br
Cleber Mendes /lancenet.com.br
André Ricardo/uol.com.br
André Ricardo/uol.com.br
Cleber Mendes/lancenet. com br

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Assim é o Júlio César

#Júlio César Guerreiro
Júlio César guerreiro, companheiro, parceiro, solidário, valente, mosqueteiro, corinthiano de corpo e alma, corinthiano de coração...
Esforçado, dedicado e aplicado. Filho do Terrão, forjado na luta e na superação. Joga com os pés, defende com as mãos, colocando em cada gesto seu amor pelo Timão.
Superando a dor do corpo pela grandeza da alma, num testemunho de amor, não abandona seu campo. Ferido não foge à luta, calça as luvas do guerreiro, continua na labuta e só com uma das mãos defende uma bola certeira.
Testemunhando seu amor que supera a própria dor, testemunha sua paixão pelo time do coração. Mais que qualquer sofrimento, que qualquer padecimento, é imenso o seu sentimento, seu amor, sua paixão. De amor pelo que faz, pelo time que defende, pelos companheiros de jornada na busca de outra vitória, na busca de muitas glórias...
Júlio César guerreiro entendeu como ninguém o que é ser corinthiano. Ainda gritando de dor foi atendido em campo e como o Corinthians já havia feito as três substituições, mesmo com o dedo latejando, decidiu continuar na partida para evitar que algum jogador de linha precisasse ir para o gol e ainda defendeu uma bola só com uma das mãos. Indagado como aguentou continuar no jogo com tamanha dor, sua resposta revelou todo o seu espírito corinthiano, muito maior que a dor que sentia e do tanto que sofria.
Sua resposta foi curta, mas bastante significativa: “Assim é o Corinthians”.
Obrigada Júlio César por este corinthianismo, por toda dedicação, por todo o empenho e por todo o amor que você tem pelo Timão. Você é o maior testemunho de casos, infelizmente cada vez mais raros, de amor à camisa do clube que defende. Você não é apenas um jogador, um craque da bola. Você é um ser humano evoluído, diferenciado, um craque da vida.
Ontem, mais de trinta milhões de corinthianos, se não sentiram na mão, sentiram sua dor em seus corações. Sofremos com você, choramos com você, oramos por você, vibramos por você e, no mais íntimo do nosso ser, pedimos a Deus que o abençoe e proteja, hoje e sempre.



Créditos e fontes de imagens
André Ricardo/uol.com.br
André Ricardo/uol.com.br
Paulo Sérgio/lancenet.com.br
cliqueborde.com.br



quarta-feira, 20 de julho de 2011

Botafogo X Corinthians - Pré jogo


Agora em São Januário, e não mais no Engenhão, devido aos Jogos Mundiais Militares, vamos para mais uma batalha em busca do Pentacampeonato Brasileiro.
Temos mais time que o adversário, mas, em compensação, somos o time a ser batido, diante do qual, todos tentam fazer o jogo de suas vidas. Além disso, o jogo é fora de casa, o Botafogo tem a mania de nos complicar e a maioria da torcida, provavelmente, será deles. Assim, todo cuidado é pouco e a atenção tem que ser redobrada.
Danilo volta para reger o meio campo, o que nos dá mais segurança, pois, embora de muita qualidade, Alex ainda está se readaptando ao país, ao clima e ao futebol brasileiro. E Danilo, vem mandando muito bem. Liedson, recuperado das pancadas do Brucutu dos Pampas, também deve ir para o jogo. Tenho minhas dúvidas que esta seja a melhor pedida. Émerson tem entrado bem e já demonstra maior entrosamento no time. Liedson poderia ter uma folga para prevenir uma possível fadiga e desgastes, pois, vem de uma longa jornada por ter emendado vários campeonatos. Agora podemos até nos dar o luxo de poupar, quando necessário, pois temos jogador no banco.
Ainda estamos tendo dificuldades na troca de passes e nas finalizações, na reposição de bola e nos cruzamentos. Espero que o Tite tenha aproveitado esta semana cheia para reforçar tais fundamentos. Depois de acertar o time, que está com ótimo rendimento no campeonato, Tite, com nova atitude, prometeu colocar o time pra frente e no ataque. Sua declaração de que "nosso comportamento, tem que ser buscar a vitória, não de ficar administrando o empate" e de que "se tentarmos administrar um empate vamos perder" revela uma nova postura do comandante, com reflexos positivos na atuação do time em campo. No mais, é manter a pegada e não dar espaços. Entrar concentrado e jogar com raça e com vontade. 
O time estará praticamente completo, pois Welder, apesar de ser quase um garoto, já mostrou que tem qualidade pra ser titular e, se Liedson não conseguir jogar, o Sheik entra bem em seu lugar. A defesa está maciça e o meio campo bem arrumado. Só espero que a proposta dos italianos não atrapalhe o desempenho do Paulinho. Jorge Henrique renovou o contrato e as energias e voltou a ser o motorzinho de outrora. William incorporou de vez o grito da torcida de não para, não para, não para... Não para de marcar, não para de incomodar o adversário, não para de atacar, não para de fazer gols...  
Nossa jornada é longa e espinhosa, mas temos tudo para fazê-la vitoriosa. Vamos em busca de mais três pontos, rumo ao pentacampeonato.


VAAAAAAAAAAAAAAI  COOOOOOOOORINTHIANS!!!!!


Créditos e fontes de imagens
clubeingresso.com.br
Fernando Pilatos/uol.com.br
timaonoar.blogspot.com
Leo Pinheiro/terra.com.br
Futura Press



terça-feira, 19 de julho de 2011

Carlito Tevez, sonho de consumo


Tevez, jogador raçudo e brigador, eficiente e perigoso com a bola nos pés. Contagiante, coloca certa magia em cada jogada e leva a torcida à euforia em cada chute pro gol.
É querido pela maioria dos corinthianos, que não abrem mão do sonho de tê-lo de volta ao Timão. Por sua vez, apesar de sua saída tumultuada, Tevez não se esquece do Corinthians nem da sua torcida e não esconde o desejo do retorno e da volta gloriosa para os braços da Fiel.
Do lado do Timão, embora muito bem servido no ataque, ainda existe o sonho de trazer de volta o grande craque. Se precisa, esta é outro história que a maioria ignora. Tevez tornou-se tão querido e irresistível, um sonho de consumo tão forte que, se precisar para tê-lo de volta fazer loucuras e gastar muito dinheiro, pra muita gente isso pouco importa.
Confesso que por mais que eu raciocine e que ache tudo surreal, não consigo abrir mão de sonhar com a volta de Tevez no ataque do Timão. Pensando nisso, procuro uma explicação e, apesar de não ter por bens materiais uma grande ambição, entendo, que mesmo que não seja um objeto, Carlito, pelo desejo que desperta à nação Corinthiana, pode ser comparado a uma  Ferrari que um dia foi preciso vender, mas que seu antigo dono ainda sonha em reaver.
Mesmo com bons carros disponíveis na garagem dando conta de todas as necessidades da família, ninguém se esquece da Ferrari antiga. O trabalho do dia a dia é bem executado por veículos rápidos e ágeis que têm vencido todos os obstáculos do trânsito complicado, driblando engarrafamentos, fugindo dos assaltantes e sendo útil e eficazes em todos os instantes. Levam todos para o trabalho, levam as crianças pra escola, a moçada pras baladas, trazem as compras pra casa, não deixando nada a desejar. Quando algum deles vai para a oficina, para reparos e manutenção, tem um belo utilitário de luxo, returbinado e com o motor regulado, para entrar em ação. E que tem sido muito útil em algumas situações mais perigosas, quando a estrada é mais complicada e oferece obstáculos mais árduos e imprevisíveis. E, em oficina própria, altamente especializada em restaurações mais delicadas, tem um carro de corrida, campeão por várias escuderias, em processo de reajuste, quase totalmente recuperado de uma infeliz avaria. E ainda existem uns carrinhos mais novos e umas motocas para serem usados mais pra frente.
Mas, eis que a aquela Ferrari aparece no mercado, luzindo e brilhando na vitrine. E a família não resiste e tenta adquiri-la novamente, mesmo que para isso tenha que cortar investimentos e comprometer o orçamento. Mesmo com a frota completa, a família vai à luta para reaver seu bem de consumo predileto. Muitos são os obstáculos a serem vencidos, tempo, dinheiro, burocracia, prazos... Pode até não conseguir, mas, vai lutar até o fim e, sempre que possível, mesmo não sendo necessário, vai correr atrás de seu sonho visionário. 
Para o Corinthians, Carlito Tevez é a Ferrari outrora perdida, nunca esquecida, sempre almejada e querida. E que um dia, haverá de voltar para a garagem da família, de onde nunca deveria ter saído. Pode até não ser agora, mais um dia Carlitos Tevez voltará. Para alegria da Fiel e de toda a Nação Corinthiana. 

Acabou a Novela? 
Ou vai haver remake?
O sonho não morreu.
Apenas foi adiado.
 
Fontes de imagens
esportes.br.msn.com
meutimao.com.br
copao.blogspot.com
notub.com.br
cdnieto.blogspot.com