quarta-feira, 30 de julho de 2014

Porco no rolete ou leitão à pururuca?

Vencemos o 1º clássico e o 1º derby na Arena por 2 a 0, mas poderia ter sido de mais, pois o goleiro deles defendeu 6 finalizações corinthianas, duas do Romero, uma do Ralf, uma do Elias, uma do Guerrero e uma do Petros, mandamos duas bolas pra fora, (Renato Augusto e Gil)  e tivemos um chute do Renato Augusto bloqueado. Finalizamos 11 vezes e eles sete, dos quais 4 foram para fora, duas bloqueadas e  uma defendida. Embora sem termos sido brilhantes, fomos muito superiores. Eles jogaram como time pequeno, só se defendendo e sem nos ameaçar.
Com mais recursos técnicos, o Timão, apesar de um 1º tempo truncado, foi superior durante todo a partida. No intervalo, Mano conseguiu arrumar o time e o gol de Guerrero, logo no início da etapa final fez jus à superioridade alvinegra. 
 
Elias, autor das duas assistências que originaram os gols corintianos, foi o nome do jogo. Com um drible de corpo, tirou Tobio da jogada e colocou a bola nos pés do Guerrero, que só teve o trabalho de empurrá-la pro fundo da rede e abrir o placar.
A torcida foi ao delírio, o time rival sentiu o golpe, tentou reagir, mas desordenado e sem um jogador que fizesse a diferença, teve suas tentativas frustradas. O Corinthians dominou o jogo, dando trabalho ao Fábio e aos 46 minutos, Elias entrou pelo meio e tocou para Petros, que bateu cruzado, da direita. A bola bateu na trave, nas costas de Fábio, entrou e Petros, o maior ladrão de bola do campeonato, foi premiado com um merecido gol. Elegantemente, ofereceu o gol à torcida e partiu para o abraço.
O meio campo do Corinthians foi o diferencial da partida, Revesando na marcação, Ralf e Elias, alternadamente, vieram para o ataque. Roubando bolas e avançando, Petros revesava na criação com Renato Augusto, o substituto do suspenso Jadson. Mas, o comandante do meio campo foi o Elias que marcou, driblou, avançou pra linha de fundo e deu assistência para os dois gols.
O clássico evidenciou a diferença técnica entre as duas equipes. Embora Gareca tente organizar taticamente o Palmeiras, seus jogadores apresentam deficiências técnicas e não tem ninguém no time que possa assumir a responsabilidade nos momentos difíceis e mudar o panorama do jogo. Quando levou o primeiro gol, o time não soube reagir, embora do banco, Gareca tenha proposto soluções, abrindo seus atacantes.
Do lado alvinegro, Mano tem alguns jogadores talentosos à sua disposição e, Elias, em  duas jogadas individuais, conseguiu matar o jogo.
Apesar de não termos tido um espetáculo de futebol, o jogo deixou todos satisfeitos, não só pelo resultado, mas pelo bom desempenho do meio campo, comandado por Elias e com boas atuações de Petros, Ralf e Renato Augusto, pela precisão da defesa e pela boa transição da bola para o ataque.
Com uma boa sequência de jogos na Arena, em plena evolução técnica e física e com progressos visíveis no entrosamento dos jogadores, além de retomar a marca de defesa menos vazada do Brasileirão e encostar no líder, o Corinthians tem possibilidades de brigar pelo hexacampeonato.
A vitória no derby, celebrada por todos os corinthianos, é um estímulo para o bom desempenho na sequência da temporada, além de representar uma conquista com sabor de um campeonato a parte.
Sobre o rival, o mau desempenho não se restringiu aos gramados. Sua torcida, que deveria ser transportada ao estádio de ônibus fretados, depois de uma queda de braços com a Polícia, acabou indo à Arena de trem da CPTM. Desceram na Estação Dom Bosco e  andaram quatro quilômetros para chegarem à Meca do futebol. E tentaram chegar chegando, utilizando máscaras e entoando gritos de guerra agressivos e provocativos.
Aprovei e aplaudi a iniciativa deles chegarem de máscaras, por várias razões.
Com o mau desempenho do time em campo, têm mais é que esconderem a cara mesmo, para não passarem muita vergonha.
Além disso, mostraram respeito, evitando transmitir a gripe e a peste suína para a Fiel.
Mas, pensando bem, acho que as razões podem ser outras. Eles são preconceituosos e, embora habitem o chiqueiro, não querem sentir o cheiro do povo de um bairro popular. Além disso, eles nos invejam e diante de nossa grandeza, diante se suas parcas e porcas convicções palmeirenses, temeram voltar pra casa torcendo pro Timão e colocaram máscaras para não correrem o risco de contraírem lokospirose.
Adentraram à Arena entoando cantos de provocação, pois, pelo esquema de proteção policial, chegaram antes da Fiel. Só não contavam com nosso serviço de som abafando seus grunhidos. 
Mas, a baixaria não parou por aí. Logo de início, quebraram algumas cadeiras e continuaram a depredação durante e ao final da partida. Danificaram 258 cadeiras e um secador de mão, cujos custos serão ressarcidos pelo time da Turiassu. Além da falta de educação, do comportamento de criança invejosa que quebra o brinquedo do colega, quando não tem um igual ou melhor, acredito haver outras explicações. Porcos vivem na lama e não estão acostumados com o uso de cadeiras nem de secador de mão, pois gostam de sujeira. Sugiro que no próximo derby na Arena, seja colocada lama nas cadeiras e no vestiário dos visitantes, para que os porcos possam sentir-se mais à vontade. 
Mas, não percamos tempo com os derrotados. Vamos celebrar a vitória e a evolução do Timão. Ainda temos muito que melhorar, mas creio que já encontramos o caminho. Agora só nos cabe continuar a caminhada.
Ficha Técnica 
Corinthians 2 X 0 Palmeiras
 
Melhores momentos
Gols
Local: Arena Corinthians, Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 27 de julho de 2014, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (PE)
Assistentes: Émerson Augusto de Carvalho (SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (SP)
Público: 31.031 pagantes
Renda: R$ 2.206.184,00
Cartões amarelos: Guerrero (Corinthians); Henrique e Wendel (Palmeiras)
Gols: Guerrero, aos cinco minutos do segundo tempo, e Petros, aos 45 minutos do segundo tempo
Corinthians: Cássio; Fagner, Cleber, Gil e Fábio Santos; Ralf, Elias, Petros e Renato Augusto (Danilo); Romero (Romarinho) e Guerrero (Luciano); Técnico: Mano Menezes
Palmeiras: Fábio; Wendel, Tobio, Marcelo Oliveira e Victor Luís; Renato e Wesley; Mouche, Mendieta (Leandro) e Felipe Menezes; Henrique (Erik); Técnico: Ricardo Gareca

Créditos e fontes de imagens e vídeos
wp.clicrbs.com.br/receitascomamor.com/paixaopalmeirense.com.br/programamarcadiabo.worpress.com/MAON
meutimao.com.br
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
Marcelo Ferrelli/Gazeta Press/gazetaesportiva.net
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
gazetaesportiva.net
facebook.com
facebook.com/samir.xiita
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com/MAON
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
Éverton Araújo/corinthians.com.br
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com

domingo, 27 de julho de 2014

Corinthians X Palmeiras

No 1º clássico na Arena, o Corinthians vai receber seu arquirrival Palmeiras neste domingo, dia 28/07, às 16 horas pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Embora valha 3 pontos, como os demais jogos do Brasileirão, um clássico é sempre um campeonato a parte, principalmente quando o adversário é o maior rival, para mim, o único rival. Os outros são adversários e alguns, apenas fregueses.
Ficha Técnica - Corinthians X Palmeiras
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 27 de julho de 2014, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (PE)
Assistentes: Émerson Augusto de Carvalho (SP) e Marcelo Carvalho Van Gasse (SP)
Corinthians: Cássio; Fagner, Cleber, Gil e Fábio Santos; Ralf, Elias, Petros e Renato Augusto; Romero e Guerrero; Técnico: Mano Menezes
Palmeiras: Fábio; Wendel, Tobio, Wellington e Marcelo Oliveira; Renato, Wesley e Felipe Menezes; Mouche (Josimar), Diogo e Henrique; Técnico: Ricardo Gareca
Além dos possíveis escalados, Mano Menezes relacionou o goleiro Danilo Fernandes, o lateral Uendel, os zagueiros Ânderson Martins e Felipe, os volantes Bruno Henrique e Guilherme Andrade, os meias Danilo e Zé Paulo e os atacantes Romarinho, Luciano e Malcom.
Sem dúvidas no esquema de jogo, o Timão deverá repetir o que deu certo contra o Bahia. Renato Augusto substituirá o suspenso Jadson, armando o jogo juntamente com Petros, fazendo a ligação para os atacantes Ángel Romero e Paolo Guerrero e tentando dar o último passe para as finalizações dos companheiros. Romero, após sua excelente atuação, formará dupla de ataque com Guerrero, mas Romarinho, que sempre atua bem contra o Palmeiras, pode ser acionado. 
Renato Augusto, que entrou bem no 2º tempo contra o Bahia, pela Copa do Brasil, livre das dores e lesões, além da armação, vai assumir, também, as bolas paradas. 
Estão fora do jogo, no Corinthians, o meia Jadson, suspenso, o goleiro Walter, ainda em recuperação de uma cirurgia de hérnia, o lateral Ferrugem, que se recupera de lesão e o meia Lodeiro, que aguarda regularização na CBF. No Palmeiras, Fernando Prass, Lúcio, Eguren e Diogo (lesionados). 
Estão pendurados, com dois cartões amarelos, no Corinthians, Cleber, Guerrero, Petros e Romarinho e no Palmeiras, Josimar e Mendieta.
Mano fechou o último treino, impedindo que a imprensa presenciasse a movimentação tática e os trabalhos de posicionamento nas jogadas de bola parada, tradicionais nas vésperas das partidas. O treino começou às 10 horas, mas a presença dos jornalistas só  foi liberada próximo ao meio-dia, quando estava começando o tradicional rachão e na sequência, os jogadores fizeram diferentes exercícios técnicos, com finalizações, cruzamentos e cobranças de falta. 
O Palmeiras, que na última quarta feira, ao conquistar sua primeira vitória com o novo técnico ganhou alguma tranquilidade, terá uma equipe bem diferente da que bateu o Avaí. Vários jogadores foram poupados em Santa Catarina, Lúcio e Eguren estão machucados, e William Matheus foi liberado para acertar com o Toulouse e, por isso, não estão à disposição do técnico Gareca. Assim, Wellington vai entrar na zaga, deslocando Marcelo Oliveira para a lateral esquerda. A formação tática pode ser um 4-3-3 com Mouche na frente ou um 4-4-2 com Josimar reforçando a marcação no meio.
Os corinthianos estrearão o novo uniforme, inspirado nos dos anos 70, utilizando o uniforme número 1. As novas camisas trazem as tradicionais listras verticais, grossas como as da época, e gola em formato V. Dentro de cada camisa, perto da nuca, há uma etiqueta com a imagem de São Jorge derrotando o dragão. As meias também são listradas, na horizontal, lembrando o uniforme original. O uniforme número um é branco com listras pretas, e o modelo dois é preto com as listras brancas. Ambos possuem uma listra horizontal no arremate de cada manga. O modelo branco acompanha calção preto, e a camisa 2 é utilizada com o calção branco. As cores das meias seguem o padrão de cada camisa. 
Os torcedores do Corinthians também terão a possibilidade de comprar uma camisa para guardar de recordação do primeiro clássico na Arena. O clube fez um modelo registrando o primeiro Dérbi, com data, e um desenho do estádio. 
 
Os palmeirenses que forem à Arena Corinthians ficarão em um espaço maior do que o setor visitante do Pacaembu e terão proximidade com o gramado. Não há alambrados de separação, apenas placas de acrílico. 
Serão cerca de 2 mil palmeirenses no Setor G da Arena Corinthians. O aparato para o acesso dos alviverdes já está montado com a entrada embaixo de um dos telões provisórios, no espaço diagonal entre o Setor Leste e o Setor Sul. Por questão de segurança, divisórias de alumínio foram instaladas de ambos os lados, mas a proximidade física possibilitará a troca de provocações entre os torcedores rivais. 
Lanchonete e os banheiros serão separados e não há contato com os torcedores do Corinthians. Com boa visão e com cadeiras com a mesma qualidade dos outros setores, os visitantes terão uma boa acomodação e uma ótima visão do gramado.
No caso de danos no setor, caberá ao Palmeiras ressarcir o prejuízo causado.
Invictos há sete rodadas no Brasileirão, o Corinthians não só precisa manter a invencibilidade, mas ganhar o jogo, para se manter na cola do líder Cruzeiro, enquanto o Palmeiras, sem vencer há cinco partidas no campeonato nacional, precisa da vitória para dar tranquilidade à equipe e deslanchar no campeonato.
Considerando o momento de cada time, bem como o fator casa e torcida, temos plenas condições de vencer o derby. Mas, clássico é um campeonato à parte, que transcende qualquer favoritismo. Por isso, não podemos bobear. Nosso time tem que entrar com sangue nos olhos e faca nos dentes, pois a vitória será de quem apresentar mais raça, mais garra e determinação.

Créditos e fontes de imagens e vídeos
globoesporte.com
gazetaesportiva.net
gazetaesportiva.net
Diego Ribeiro/globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.net
Diego Ribeiro/globoesporte.globo.com
Daniel Augusto Júnior/ Corinthians/globoesporte.globo.com
Agência Corinthians/globoesporte.globo.com 
globoesporte.globo.com
Rodrigo Faber/globoesporte.globo.com
Rodrigo Faber/globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
domingossccp.blogspot.com/MAON

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Voltaram pra Bahia com três cocos na bagagem

Melhores momentos
Com um 1º tempo pra ninguém botar defeito, o Corinthians saiu em boa vantagem no 1º jogo da 3ª fase da Copa do Brasil e encaminhou a classificação para as oitavas de final. Tudo indica que Mano Menezes está conseguindo acertar o time que, apesar de alguns tropeços, está em franca evolução.
O importante no jogo não foi nem o resultado em si, mas a presença de um time mais ofensivo, com maior movimentação e, ao contrário do jogo anterior, com um meio campo em perfeita sintonia e com boa atuação. Mesmo com um adversário mais fraco, deu para perceber uma melhora significativa na transição da bola pro ataque, principalmente na etapa inicial.
Dominando durante todo o 1º tempo, o Timão pressionou a saída de bola e aproveitou a fragilidade da defesa do Bahia, com falhas na zaga, na saída de bola e na marcação, para Elias, após bela assistência do Petros, aparecer de surpresa no meio da zaga baiana e abrir o placar.
Aos 32 minutos, Ralf cruzou para a área e a bola, após passar por Guerrero, sobrou para Romero que, de cabeça, fez seu 1º gol pelo Corinthians.
Na etapa final, Guerrero saiu por problemas físicos e foi substituído por Romarinho. Não sei se foi só pela substituição, se foi pelo cansaço ou se foi para poupar-se para o clássico, mas o ritmo caiu e o Timão passou a administrar o resultado, abrindo espaços para as investidas do time baiano que, devido à pouca qualidade dos seus jogadores, não conseguiu fazer o gol, mesmo com as substituições efetuadas.
Mano também mexeu no time, colocando Renato Augusto no lugar de Jadson e Luciano no de Romero, que saiu do campo aplaudidíssimo pela torcida. Aos 44 minutos do 2º tempo, Rafinha cortou com a mão um cruzamento de Fagner na área, o árbitro assinalou pênalti, que foi convertido em gol por Renato Augusto. 
A postura ofensiva do time, o meio campo entrosado e funcionando em harmonia, com os meias mais abertos e dificultando a marcação adversária, o ataque encaixado e mais participativo e o equilíbrio defensivo foram o diferencial do Corinthians em relação aos jogos anteriores. 
Individualmente, a entrada de Angel Romero foi fundamental para a nova postura do ataque e o desempenho do paraguaio mostrou ser ele o parceiro ideal para o Guerrero. Marcou, movimentou-se bem, driblou, mostrou habilidade em jogadas de linha de fundo e oportunismo ao marcar de cabeça. 
No meio campo, Petros teve uma atuação irrepreensível, o que possibilitou Elias voltar a atuar como na sua 1ª passagem pelo Timão e mesmo os avanços de Ralf. Elias comandou as ações no meio campo, iniciou jogadas, chegou ao ataque e fez gol. Ralf voltou a ser o valente pitbull de outrora e ainda partiu para o ataque . Com esse trio no miolo e com Jadson e Renato Augusto disponíveis, Lodeiro vai ter que ralar muito para encontrar um lugar no time.
Em entrevista após o jogo, o técnico Mano Menezes elogiou a atuação de Romero e de Petros, considerou que o Corinthians fez uma das suas melhores partidas na temporada e que a queda de rendimento na etapa final decorreu da dificuldade natural de se manter uma alta marcação durante os 90 minutos.
O jogo valeu não só pelo resultado e por ter encaminhado a classificação, mas principalmente pelo desempenho do time.
Lamentável, apenas o que aconteceu fora do campo, pois pelo horário do jogo, muitos corinthianos saíram antes do término da partida para pegar o metrô e nem viram o gol de pênalti do Renato Augusto. Outros encontraram o metrô fechado e tiveram dificuldades para voltar para casa. É um absurdo colocar jogos num horário tão tarde, pois além do problema de transporte, o torcedor, que tem que levantar cedo para trabalhar, perde horas preciosas de descanso para poder ver o jogo do Timão. E a CBF, que poderia mudar a situação, submete-se aos interesses da mídia e dos patrocinadores.
E assim o torcedor, extorquido pelos preços abusivos dos ingressos e limitado pelo horário dos meios de transporte, acaba sendo expulso do estádio e alijado do prazer de acompanhar seu time do coração. 
Gols
Ficha Técnica - Corinthians 3 X 0 Bahia
Local: estádio de Itaquera, em São Paulo (SP)
Data: 23 de julho de 2014, quarta-feira
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Igor Júnio Benevenuto (MG)
Assistentes: Celso Luiz da Silva (MG) e Luiz Antonio Barbosa (MG)
Público: 24.252 pagantes
Renda: R$ 1.389.973,50
Cartões amarelos: Fábio Santos e Cleber (Corinthians); Guilherme Santos, Adaílton, Uelliton, Diego Macedo e Titi (Bahia)
Gols: Elias, aos 17 minutos do primeiro tempo, Romero, aos 32 minutos do primeiro tempo, e Renato Augusto, aos 44 minutos do segundo tempo
Corinthians: Cássio; Fagner, Cleber, Gil e Fábio Santos; Ralf, Elias, Petros e Jadson (Renato Augusto); Romero (Luciano) e Guerrero (Romarinho); Técnico: Mano Menezes
Bahia: Marcelo Lomba; Diego Macedo, Adaílton, Titi e Guilherme Santos; Fahel, Uelliton, Léo Gago e Emanuel Biancucchi (Branquinho); Marcos Aurélio (Rafinha) e Maxi Biancucchi (Wiliam Barbio); Técnico: Marquinhos Santos

Créditos e fontes de imagens e vídeos
meutimao.com.br 
corinthians.com.br
facebook.com/Ginaldo de Vasconcelos Filho
globo.com/youtube.com
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.net
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.net
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
Júnior Lago/esporte.uol.com.br/Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com/MAON
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.net
sportv.globo.com
sportv.globo.com
sportv.globo.com
sportv.globo.com
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com
espn.com.br 

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Copa do Brasil: Corinthians X Bahia

Pela 3ª fase da Copa do Brasil, o Corinthians enfrentará o Bahia nesta 4ª feira, dia 23/07 às 22 horas, na Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo. A partida será o 1º teste de jogo mata mata na Arena e a expectativa é que a torcida faça a diferença. Será o jogo de ida do duelo pela conquista da vaga para as oitavas de final, sendo que o jogo de volta ocorrerá no dia 06/08, na Arena Fonte Nova, em Salvador, Bahia. O time que for eliminado nesta fase entrará automaticamente na Copa Sul-Americana, mas o Corinthians não pretende migrar para a competição continental.
O confronto de hoje será o primeiro a ocorrer em Itaquera na semana, onde o Timão, no domingo, enfrentará o arquirrival Palmeiras. Apesar da expectativa pelo primeiro clássico na Arena, técnico e jogadores pedem concentração diante do jogo da Copa do Brasil.
Sem vencer desde o dia 14 de maio, justamente no jogo que o colocou na terceira fase da Copa do Brasil, o Bahia vem em busca de pelo menos um empate, para decidir em casa. Com um time tecnicamente inferior ao Timão, deverá atuar retrancado, jogar no contra ataque e aguardar algum erro do time da casa. Caberá ao Corinthians ir pra cima, propor o jogo e furar a retranca baiana. 
Ficha Técnica - Corinthians X Bahia
Local: estádio de Itaquera, em São Paulo (SP)
Data: 23 de julho de 2014, quarta-feira
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Igor Júnio Benevenuto (MG)
Assistentes: Celso Luiz da Silva (MG) e Luiz Antonio Barbosa (MG)
Corinthians: Cássio; Fagner, Cleber, Gil e Fábio Santos; Ralf, Elias e Jadson; Luciano, Guerrero e Romero; Técnico: Mano Menezes
Bahia: Marcelo Lomba; Diego Macedo, Titi, Adaílton, Guilherme Santos; Fahel, Uelliton, Léo Gago, Emanuel Biancucchi; Marcos Aurélio e Maxi Biancucchi; Técnico: Marquinhos Santos
Estão fora do jogo, no Corinthians, apenas o meia Lodeiro, que não foi inscrito a tempo na CBF e no Bahia, Rhayner, Henrique e Demerson sofreram lesões musculares e foram vetados pelo departamento médico, Lincoln se recupera de uma lesão no joelho, assim como Omar, que treina na academia do clube. Kieza ainda não foi regularizado e Roniery está impedido de jogar pelo Bahia na Copa do Brasil por já ter defendido o Paraná na competição.
A necessidade de um time mais ofensivo para fazer frente à retranca baiana e a possibilidade de novidades na escalação do Timão, levou Mano Menezes a fechar o treino para a imprensa e a não dar pistas sobre o time, talvez na tentativa de surpreender o adversário. 
Considerando as condições atuais de ambas as equipes, bem como o fator torcida e o regulamento da Copa do Brasil, o Corinthians tem a obrigação de fazer um bom jogo e de vencer por um bom placar, de preferência sem tomar gol. 

Créditos e fontes de imagens e vídeos
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.net
globoesporte.globo.com
gazetaesportiva.net
globoesporte.globo.com/MAON

terça-feira, 22 de julho de 2014

No tabuleiro da Baiana não tem gol

Melhores momentos
Empate fora de casa até poderia ser um bom resultado se a partida não fosse contra um time que em 11 rodadas só venceu um jogo e está na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. E a decepção foi ainda maior, pelo bom primeiro tempo e o bom resultado no jogo anterior, contra o Internacional.
Realmente, o Corinthians não consegue jogar contra time pequeno, que fica na retranca e espera pra contra atacar. Quando o adversário sai para o jogo, o Timão consegue um bom desempenho, mas quando ele vem fechadinho, não temos uma estratégia pra furar a retranca, não chutamos de longa distância e como somos lentos nos contra ataques, damos tempo pra defesa adversária se recompor.
O grande problema do jogo foi o meio campo, onde tínhamos dois pra desarmar, Ralf e Petros e ninguém para criar. Elias errou muitos passes, nada criou e Jadson começou bem e depois apagou. E a armação ficou por conta dos chutões do Cássio e da zaga.
Consequentemente, Guerrero, sem ninguém pra armar e com o Luciano fominha e atuando mal, ficou isolado, tendo que voltar pra buscar a bola. Luciano, que contra times pequenos geralmente atua bem e faz gol , desta vez passou em branco e Guerrero só não apanhou mais que a bola e reclamou muito.
Fábio Santos, não sei se foi só pelo tranco que levou no início, ficou preso na marcação, enquanto Fagner fez sua melhor partida no Timão.
Por sua vez, nossas jogadas ofensivas foram paradas com faltas duras pelos trogloditas baianos e o árbitro, incompetente e caseiro, ficou só na conversa. Mais parecendo um psicólogo do que juiz de futebol, não teve autoridade pra sustar a violência do time da casa, mas, usando dois pesos e duas medidas, no Corinthians, viu a falta do Jadson que, amarelado, está fora do clássico de domingo e até faltas que não existiram.
Com muitos passes errados, (26 do Vitória e 43 do Corinthians), com 19 faltas do time da casa e 22 do visitante e com poucas finalizações, (6 do Vitória e 9 do Corinthians), parece que o Vitória jogou para empatar e o Corinthians para não perder. Das finalizações do Vitória, duas foram defendidas, (Dinei e Alemão), uma foi na trave, (Caio) e três foram para fora (Ayrton). Das finalizações do Timão, duas foram defendidas, (Guerrero e Romero), uma foi bloqueada (Guerrero) e seis foram para fora, (Romarinho, duas e Ralf, Cleber, Guerrero e Luciano, uma cada).
O jogo foi tão ruim, que nenhum dos times merecia pontuar. Foi uma partida feia e amarrada e só consegui vê-la até o fim porque aqui é Corinthians, apesar do time não ter jogado como Corinthians. Com um meio campo desorganizado e inoperante, com um ataque improdutivo, falhando nos principais fundamentos, (passes, lançamentos, cruzamentos e finalizações), o Corinthians ficou devendo e muito.
As substituições foram tardias. Romarinho nada acrescentou, mas Renato Augusto e Romero melhoraram a movimentação e criaram as melhores chances de gol.
Apesar de reconhecer que os corinthianos erraram muito no posicionamento e na criação, Mano Menezes reclamou da arbitragem e comemorou o 2º lugar isolado.
Mas, se com o empate o Corinthians se manteve na vice liderança da competição, agora está mais distante do Cruzeiro, somando 20 pontos, contra 25 do time mineiro. O Vitória tem 8 pontos e segue na zona de rebaixamento.
Pelo Campeonato Brasileiro, o Corinthians disputará o primeiro clássico com o Palmeiras na Arena de Itaquera na tarde de domingo e um dia antes, o Vitória (já eliminado da Copa do Brasil) buscará a reabilitação diante do Criciúma, no Heriberto Hülse.
Mas, antes disso, nesta 4ª feira, o Corinthians interromperá momentaneamente a preocupação com o Brasileirão e receberá mais uma equipe baiana, o Bahia, pela Copa do Brasil.
Ficha Técnica - Vitória 0 X 0 Corinthians
Local: Estádio Barradão, em Salvador (BA)
Data: 20 de julho de 2014, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Assistentes: Kleber Lúcio Gil e Carlos Berkenbrock (ambos de SC)
Cartões amarelos: José Welison (Vitória); Jadson (Corinthians) 
Vitória: Wilson; Ayrton, Kadu, Alemão e Euller; Adriano (Josa), José Welison, Richarlyson (Cáceres) e Léo Costa (William Henrique); Caio e Dinei; Técnico: Jorginho
Corinthians: Cássio; Fagner, Cleber, Gil e Fábio Santos; Ralf, Elias, Petros (Renato Augusto) e Jadson (Romero); Luciano (Romarinho) e Guerrero; Técnico: Mano Menezes

Créditos e fontes de imagens e vídeos
meutimao.com.br
Gazeta Press
Gazeta Press
sportv.globo.com
Gazeta Press
Rodrigo Coca/Agência Corinthians/globoesporte.globo.com
Gazeta Press
Gazeta Press
Gazeta Press

domingo, 20 de julho de 2014

Vitória X Corinthians

Pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians enfrentará o Vitória neste domingo, dia 20/07, às 16 horas, no estádio Barradão, em Salvador, Bahia. Com 19 pontos, o Corinthians é o segundo colocado do Brasileirão com três pontos atrás do Cruzeiro, mas tem apenas cinco vitórias contra sete dos mineiros. Por isso, mesmo se vencer, não poderá alcançar a liderança nesta rodada. O Vitória, 18º colocado, portanto, na zona de rebaixamento, tem 7 pontos, uma vitória, 4 empates e 5 derrotas.
Ficha Técnica - Vitória X Corinthians
Local: estádio Barradão, em Salvador (BA)
Data: 20 de julho de 2014, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Assistentes: Kleber Lúcio Gil (SC) e Carlos Berkenbrock (SC)
Vitória: Wilson; Ayrton, Kadu, Alemão e Tarracha; Adriano, Josa, Richarlyson e José Welison; Caio e Dinei; Técnico: Jorginho
Corinthians: Cássio; Fagner, Cleber, Gil e Fábio Santos; Ralf, Elias, Petros e Jadson; Luciano e Guerrero; Técnico: Mano Menezes
No Corinthians, também foram relacionados o goleiro Danilo Fernandes, o lateral Uendel, os zagueiros Felipe e Ânderson Martins, o volante Bruno Henrique, os meias Danilo, Renato Augusto e Zé Paulo e os atacantes Romarinho, Angel Romero e Maicon.
Devido ao bom desempenho do Corinthians na última partida, quando venceu o Internacional por 2 a 1, Mano Menezes deve manter o mesmo time. A novidade é a presença do zagueiro Ânderson Martins no banco de reservas.
Estão fora do jogo, no Vitória, o zagueiro Matheus Salustiano, o lateral Juan e os meias Escudero e Felipe, todos no departamento médico. No Corinthians, o meia Lodeiro, contratado do Botafogo e ainda não regularizado na CBF.
Estão pendurados com dois cartões amarelos, no Vitória, Alemão, Danilo Tarracha, Josa, José Welison, Neto Coruja, Souza e Vinicius e no Corinthians, Cléber, Jadson, Paolo Guerrero, Petros e Romarinho.
No último treino, na manhã de sábado, os corinthianos treinaram posicionamento, jogadas aéreas e depois de se descontraíram com um rachão, parte do elenco ensaiou arrancadas e finalizações. 
Além de um retrospecto bastante favorável diante do time baiano, o Corinthians ainda tem uma campanha favorável fora de casa. Em 29 jogos disputados com o adversário, conquistou 18 vitórias, duas derrotas e três empates. As estatísticas também demonstram que o Corinthians foi melhor nesta temporada atuando como visitante, tendo um aproveitamento de 57% em casa contra 64% fora.
Por sua vez, a esperança dos baianos é o retorno ao Barradão, após 6 meses. O estádio estava fechado para reforma e, depois, foi entregue à Fifa para servir como uma das instalações para a Copa do Mundo.
Considerando o bom desempenho do Corinthians nos jogos treinos e na sua volta ao Brasileirão, bem como a diferença técnica e a posição dos times na tabela, o Corinthians é o favorito na partida. Mas, para isso, precisa atuar como no 1º tempo contra o Internacional e liquidar o jogo logo no início. E, principalmente, tomar cuidado para não tomar cartões para não jogar desfalcado contra o time da Turiassu. 

Créditos e fontes de imagens e vídeos
globoesporte.globo.com
Agência Corinthians/gazetaesportiva.net
globoesporte.globo.com
Gazeta Press
Camila Souza/GOV BA/globoesporte.globo.com
Daniel Augusto Júnior/Agência Corinthians/globoesporte.globo.com/MAON