terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Apertem os cintos, o piloto sumiu

Técnico novo, pedidos de empréstimos, novas contratações, planejamento para 2017, Florida Cup, Copa São Paulo de Futebol Junior e outras demandas de um time que necessita de reforços para se reconstruir após o vexame de 2016. E ainda um pedido de impeachment do presidente. Com tudo para resolver, Roberto de Andrade, o presidente corinthiano, resolveu dar um tempo e se distrair nos Estados Unidos, onde deverá curtir férias de 20 dias, enquanto aqui em São Paulo, o circo está pegando fogo. 
A tripulação que não sumiu teve que assumir o controle da  nave. Assim, o técnico recém nomeado, o gerente e o diretor de futebol, terão que segurar o rojão e atender as demandas, que não são poucas. 
Até parece que está tudo tranquilo, que os reforços foram contratados e que o time já está montado. Mas o que existe, de fato, é muita especulação, muita falação, pouca ação e nenhuma contratação, além das já anunciadas, Jô e Luidy. O Corinthians, que já estava acéfalo com o Roberto em São Paulo, continua à deriva. Essa viagem de férias apenas reforça o descomprometimento e a omissão do presidente. Mas esperar o que, de quem nem se dá o trabalho de ir ao Parque São Jorge e trata os negócios do clube sem sair de sua concessionária de automóveis?
Esperar que 2017 acabe logo para que tenhamos um presidente de fato, e não apenas de direito, e que São Jorge nos proteja para que o time se mantenha na Série A.

Créditos e fontes de imagens 
cinema10.com.br-Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians/meutimao.com.br-MAON 
Diego Ribeiro/globoesporte.globo.com 

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

FELIZ NATAL





Biruta de aeroporto

Ao analisar as atitudes e decisões da atual diretoria do Corinthians e o discurso de seus dirigentes, a primeira imagem que vem é a de uma biruta de aeroporto. Assim como esta muda sua direção conforme a variação do vento, os dirigentes do futebol alvinegro não sustentam por muito tempo o que dizem e suas decisões, com frequência, contradizem o discurso anterior. 
Alguns exemplos: 
O diretor de futebol garantiu a permanência de Cristóvão Borges na sexta feira e no domingo, após perder o derby, ele foi demitido no vestiário. Na ocasião, Roberto de Andrade afirmou que Carille seria o técnico até o final de 2016. Daí a oito jogos, Oswaldo de Oliveira, foi contratado e Carille voltou a ser auxiliar. Embora com contrato até dezembro de 2017, Oswaldo foi demitido por não ter conseguido classificar o time para a Libertadores, dando início à novas contradições. Após o atual diretor de futebol, traçar o perfil do próximo técnico, um brasileiro, vencedor, portanto, com alguns títulos no currículo, e de ter afirmado desconhecer Rueda, o técnico campeão da Libertadores, finalista da Sul Americana e 3º colocado no Mundial de Clubes da FIFA, o colombiano passou a ser o alvo principal da direção corinthiana. Alguns técnicos brasileiros declararam ter sido convidados para assumir o Corinthians e que recusaram o convite, o que foi negado pelo diretor do futebol alvinegro. Mas, eis que fomos surpreendidos com a efetivação do Fábio Carille no comando corinthiano. A surpresa foi porque, na demissão do Oswaldo, o presidente Roberto de Andrade afirmou categoricamente que o auxiliar não teria seu nome indicado para substituir o demitido. Assim, mesmo descartado pelo presidente, Carille foi o escolhido.
Esclareço que minha crítica não é ao Carille, mas à condução do processo e à forma como o Corinthians vem sendo dirigido, à ausência de um planejamento efetivo e à decisões tomadas de improviso e ao sabor do vento. Ninguém sustenta o que diz e as falas se contradizem da mesma forma que as ações contradizem as declarações.
Quanto dinheiro do clube foi gasto, e mal gasto, com apostas que não deram certo e que tiveram um desempenho inferior ao do prata da casa? Se Carille tivesse permanecido desde a saída do Tite, teríamos economizado dinheiro e ele teria uma sequência de jogos para mostrar seu trabalho e ser observado. Já que não corríamos o risco de rebaixamento e a Libertadores era uma aposta, que acabamos perdendo, teríamos melhor avaliação para efetivá-lo ou não. Hoje, sua contratação é uma aposta, que torço muito para que dê certo, mas não adianta torcer se os resultados não vierem. Como técnico efetivado, ele já começou a montar sua equipe de trabalho e deverá indicar os reforços que necessitamos. Um dos cotados para ser seu auxiliar é o técnico da base, Osmar Loss, em quem boto muita fé. Com orçamento limitado, não virão jogadores top de linha, mas sim apostas, que deverão juntar-se aos garotos promovidos da base. Mas, precisamos de pelo menos um zagueiro, um 1º volante, um meia de criação e um bom atacante que venham para vestir a camisa e jogar para valer, sem sentir o peso. Oxalá se consiga repetir a estratégia do futsal e, mesclando experiência e juventude, montar um time vencedor.
Como torcedora, só me resta torcer, vibrar, rezar e desejar sucesso ao Carille, à sua equipe e ao time que ele montar. 

Créditos e fontes de imagens
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-blog.seton.com.br
twitter.com/@Corinthians 
facebook.com/André Alves/TIMÃO AMOR MAIS FIEL

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Revoada no futsal

Será que a desorganização está atingindo também o futebol de salão? Será que a quadra também está sendo vítima das mesmas mazelas do campo? A tão elogiada fórmula de mesclar juventude e experiência estaria desaparecendo do Parque São Jorge? Será que todo o início de ano o time terá que ser remontado?
Os alas Marcel, Artur e Leandro Lino, o pivô Rocha e o fixo Edgard acertaram com o Magnus Sorocaba, mesmo antes das finais da Liga Paulista e da Liga Nacional. O pivô Deives transferiu-se para o Carlos Barbosa. Mas mesmo com a debandada, os responsáveis pelo futsal não perderam tempo e partiram para a reposição. Os alas Guilherme Meira, Mateus e Lucas, bem como o goleiro Barack, foram promovidos do sub 20 para o time principal, os goleiros Guitta e Careca, os fixos Nenê, Douglas e Índio, os alas Leandro Caires e Pepita e o pivô Vander Carioca renovaram seus contratos. Para a próxima temporada, foram contratados o pivô Genaro, que atuava no Assoeva, e os alas, Jonny, do São José e Alex Felipe. do Joinville, este último formado nas categorias de base do Corinthians.
O técnico André Bié, que desejamos que permaneça no comando do futsal por muito tempo, terá que reajustar o time para garantir o entrosamento e o bom desempenho de 2016. O diferencial do campo, é que as novas contratações já estão ocorrendo, bem como as promoções do sub 20, com a vantagem de que os promovidos atuam e não ficam só treinando.
Sabemos das diferenças existentes entre o futebol de campo e o futsal, mas gostaríamos de que ambos tivessem agilidade e dinâmicas semelhantes em suas reformulações. Neste ano, tal como o futebol de campo, o futsal também perdeu seus principais jogadores e seu técnico, mas com muito trabalho e competência, conseguiu superar as dificuldades e conquistar títulos importantes. Que o mesmo aconteça em 2017 e que o futebol de campo, qual fênix, consiga renascer de suas cinzas.

Crédito e fonte de imagem
Reprodução TV/meutimao.com.br

domingo, 18 de dezembro de 2016

Instabilidade e indecisão

Muitas atitudes da diretoria do Corinthians, em especial de sua diretoria de futebol, são preocupantes. Não se percebe uma linha de ação, uma coerência e uma continuidade, o que é falado não se sustenta e tal qual biruta de aeroporto, as decisões mudam ao sabor dos ventos, criando-se uma instabilidade com repercussões negativas no campo e extra campo. 
Após a saída do Tite fomos surpreendidos com a contratação de um técnico que, pela sua experiência e tarimba, dificilmente daria certo naquele momento e que, mesmo com um desempenho sofrível, teve a garantia do então diretor de futebol, de que seria mantido no cargo, independentemente do resultado do clássico com o maior rival. Com a derrota alvinegra, o presidente demitiu o técnico no vestiário e declarou em entrevista que o auxiliar Fábio Carille seria o treinador do Corinthians até o final da temporada. Mas passados 8 jogos, por opção exclusiva da presidência, foi contratado o técnico Oswaldo de Oliveira, demitido ao final do Campeonato Brasileiro por não ter conseguido classificar o time para a Libertadores. Ninguém entendeu a contratação do Oswaldo, que fazia uma péssima campanha no Sport, onde conquistou apenas 33% dos pontos disputados, e havia sido, anteriormente, demitido do Santos e do Palmeiras devido aos maus resultados. Na reunião prévia à sua demissão, houve um pedido para que ele abrisse mão da multa, o que obviamente não foi aceito, E, na manhã seguinte, foi demitido através de um telefonema do garoto de recados, ops, gerente de futebol, Alessandro. 
Até o momento, muita especulação e pouca definição em relação ao novo técnico. Entre os nomes especulados, Reinaldo Rueda, técnico do Atlético Nacional, time da Colômbia campeão da Libertadores e 3º colocado no Mundial de Clubes da FIFA, finalista da Copa Sul Americana e que ficou mundialmente conhecido após o acidente aéreo com o Chapecoense, foi inicialmente rechaçado pelo atual diretor de futebol corinthiano Flávio Adauto que declarou não conhecê-lo. Em que mundo vive esse senhor que ignora fatos recentes de repercussão mundial no mundo do futebol? Será que seu universo é limitado pelas fronteiras do Brasil, já que desconhece a realidade Sul Americana. Será que essa diretoria não é capaz de, quando se trata de contratações, raciocinar além dos limites das Séries B e C?
Na realidade, o Corinthians é hoje uma nau sem rumo no meio de uma tempestade, correndo sério risco de naufrágio diante de desmandos, contradições, acusações e omissões. A diretoria está rachada, o presidente sofre um processo de impeachment, o diretor de futebol fala, fala e não diz nada, o time é limitado, os reforços necessários são barrados por falta de verba e o gerente de futebol é usado como pelego para amaciar os erros da diretoria. Diante de um mercado escasso, corremos o risco de iniciar a temporada sem técnico ou com um técnico meia boca, pois os mais capacitados ou são muito caros ou já estão empregados. Falta dinheiro, falta competência, falta comando, falta coerência, falta autoridade e sobra autoritarismo. A diretoria está mais perdida que cego em tiroteio. Decisões são tomadas ao sabor dos ventos, sem um mínimo de coerência. Impera o improviso e parece que não existe planejamento. 
Esperei ansiosamente o término de 2016, na esperança de um 2017 melhor. Mas, do jeito que as coisas estão acontecendo, temo pelo pior. Sem reforços de peso, o time que terminou a temporada corre o risco de fazer feio até no Paulista. Sem técnico, fica mais difícil trazer reforços. Sem técnico e sem dinheiro a situação torna-se dramática. Os outros times, nossos adversários na temporada, já estão se reforçando e nós, qual nau sem rumo, estamos soçobrando nas ondas da indecisão.

Crédito e fonte de imagem
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.com 

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

O futsal lavou nossa alma

Após tanta tristeza e decepção, com o campo e com a diretoria, o futsal deu mais uma alegria para a Fiel, ao conquistar o título de campeão da Liga Nacional de Futsal. Com mais esse título, deu um exemplo de raça, de garra e de superação, mostrando que um planejamento eficaz e um técnico competente conseguem vencer as adversidades e os problemas financeiras. Mesmo tendo seu orçamento reduzido à metade, perdido jogadores importantes e o seu técnico, conseguiu dar a volta por cima e conquistar títulos importantes. Mesclando a experiência dos mais velhos com o vigor da sua base, formou um time raçudo e vencedor, um time que respeita a camisa e o clube que paga seus salários.
E o coroamento do trabalho chegou com a conquista da LNF num Parque São Jorge lotado, com uma torcida capaz de encantar até os adversários. Uma torcida que reconhece e aplaude aqueles que honram e respeitam o manto sagrado, aqueles que fazem da quadra um santuário e nela testemunham o mais autêntico corinthianismo. 
Exemplo de profissionalismo e de comprometimento, comprometimento capaz de superar uma tragédia pessoal, como a do goleiro Guitta, e de colocar o coletivo acima do individual. Nossa admiração e respeito ao Guitta, aos demais jogadores e à comissão técnica, comandada pelo competente Bié. Parabéns aos campeões, pelo título, pela raça, pela garra e pela dedicação. Hoje é na quadra, e não no campo, que encontramos a essência do corinthianismo e a alma corinthiana. 

Créditos e fontes de fotos
facebook.com/Alex Dinarte
Rodrigo Coca/Agência Corinthians/meutimao.com.br

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Uma tragédia anunciada

Houve quem acreditasse na classificação para a Copa Libertadores. Mas, isso deve ter sido muito mais desejo do que esperança. Após os últimos jogos do Corinthians, ficou difícil, quase impossível, botar fé nesse time. Em campo e fora dele, muitos erros e decepções. E no último jogo, o desempenho foi igual ao do 2º turno, um fiasco, rendimento de time rebaixado. Se não fosse a gordurinha do início do campeonato, estaríamos ferrados. Nossa incompetência foi tanta, que mesmo estando na frente duas vezes, deixamos o Cruzeiro sambar como quis em nossa área e tomamos a virada. 
Contra os mineiros, faltou tudo no time do Corinthians: condições físicas e técnicas, padrão tático, organização, entrosamento, comprometimento, vontade e vergonha na cara. Não houve respeito à camisa e os profissionais sequer honraram seus salários. Mas, o que faltou de competência, sobrou de desculpas dos jogadores e do técnico. E, para confirmar a omissão dessa diretoria, o presidente não se manifestou nem assumiu a responsabilidade pelos seus erros. 
Embora tenha tido maior posse de bola, (54,1%) os jogadores não sabiam o que fazer com ela. E, para não variar, deram apenas 4 chutes a gol, 2 certos e 2 errados, contra 17 finalizações do Cruzeiro, 6 certas e 11 erradas. Nossos jogadores pareciam estar perdidos em campo, nossa defesa era uma peneira e nosso ataque, novamente, um ataque de nervos para a Fiel e um ataque de risos para os adversários. A partida estava mais para uma pelada de casados X solteiros, após o churrasco de fim de semana, do que um jogo decisivo do Campeonato Brasileiro. 
Após o jogo, só desculpas e justificativas. Desculpas descabidas para um time descompromissado e omisso, mau formado, mau estruturado e desorganizado. E, com raríssimas exceções, com jogadores sem a menor garra e respeito ao time que lhe paga os polpudos salários. 
Oswaldo de Oliveira, que ao vir para o Corinthians salvou o Sport do rebaixamento, teve o pior desempenho entre nossos 4 técnicos do ano. Em 9 partidas, venceu duas, empatou 4 e perdeu 3. Dos 27 pontos disputados, conquistou apenas 10. Teve 37% de aproveitamento, contra 67,6% do Tite, 54,1% do Carille e 48,1% do Cristóvão. Com ele, o Corinthians teve sua pior defesa, com 15 gols contra, e o pior ataque, com apenas 11 gols. E, por incrível que pareça, a intenção do presidente corinthiano, é mantê-lo em 2017.
Diante da fragilidade atual do time, não ter se classificado para a Libertadores pode ter sido o melhor para o Corinthians. Com esse time e com essa comissão técnica, passaríamos vergonha. E a incompetência e a ruindade do time seriam mascaradas por uma classificação na bacia das almas. Espero que esse resultado dê um choque de realidade capaz de acordar essa diretoria omissa, pois caso contrário, em 2017, teremos uma temporada muito ruim. Precisamos de reforços na defesa, no meio campo e no ataque. Precisamos, no mínimo, de um zagueiro experiente para comandar a defesa, de um volante que marque como um pitbull, de um meia armador e de atacantes que façam gols. E de um técnico competente e atualizado capaz de organizar o time. Se isso não ocorrer, passaremos vergonha em tudo o que disputarmos e corremos o risco de ter um 2017 pior que 2016.


sábado, 10 de dezembro de 2016

Cruzeiro X Corinthians

Pela última rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians foi para Belo Horizonte, MG, onde enfrentará o Cruzeiro neste domingo, 11/12, às 17:00 horas, no estádio Mineirão. Sétimo colocado no Campeonato, com 55 pontos, 15 vitórias, 10 empates, 12 derrotas e 50% de aproveitamento, o Timão terá como adversário o 13º colocado com 48 pontos, 13 vitórias, 9 empates, 15 derrotas e 43% de aproveitamento. Para o Corinthians só interessa a vitória para manter vivo o sonho de se classificar para a Copa Libertadores. Mas, mesmo se ganhar, não terá a vaga assegurada se o Botafogo ou o Atlético-PR vencerem seus jogos. Já ao Cruzeiro, basta um empate para garantir sua participação na Copa Sul Americana. 
Ficha Técnica - Cruzeiro X Corinthians
Local: estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: 11 de dezembro de 2016, domingo
Horário: 17:00 horas (de Brasília)
Árbitro: Wagner Reway - MT (ASP-FIFA)
Assistente 1: Fabio Rodrigo Rubinho - MT (ASP-FIFA)
Assistente 2: Leandro dos Santos Ruberdo - MT (ASP-FIFA)
Quarto árbitro: Adriano Milczvski - PR (CBF-1)
Cruzeiro: Rafael; Ezequiel, Léo, Manoel, Edimar; Henrique e Ariel Cabral; Robinho, Arrascaeta e Alisson; Rafael Sóbis; Técnico: Mano Menezes
Corinthians: Walter; Fagner, Vilson, Balbuena e Uendel; Cristian, Romero, Camacho, Rodriguinho e Marlone; Guilherme; Técnico: Oswaldo de Oliveira
Além dos escalados, também foram relacionados os seguintes jogadores:
No Cruzeiro os goleiros Elisson e Lucas França, os zagueiros Bruno Henrique e Fabrício Bruno, os meio campistas Alex, Bruno Nazário, Bruno Ramires, Elber, Lucas Romero, Marcos Vinícius e Rafinha, e o atacante William.
No Corinthians, o goleiro Cássio, os laterais Léo Príncipe e Guilherme Arana, os zagueiros Pedro Henrique e Léo Santos, os volantes Jean e Marciel, os meias Marquinhos Gabriel e Giovanni Augusto, e os atacantes Lucca, Gustavo e Léo Jabá.
Mesmo com tempo suficiente para treinar e descansar, mas em clima de luto pelo acidente com o time do Chapecó, a última rodada do campeonato, apesar de decisiva para alguns times em relação à vagas para outros torneios e definição do último time que cairá para a Série B, está mais para fim de feira do que fim de campeonato. Muitos jogadores já estão de férias e alguns times atuarão com time misto. 
Para o Corinthians, o jogo, dependendo de uma combinação de resultados, poderá ser decisivo. Com certeza, será um jogo difícil. O adversário, que só precisa de um empate para classificar-se para a Sul Americana, dever fazer marcação cerrada para anular a ofensiva corinthiana. A esperança alvinegra é a volta de Guilherme, após 35 dias sem jogar devido a um problema muscular. Ele atuará como falso 9, com Romero e Marlone pelas pontas e Rodriguinho na armação.
Independente de obter a vaga, já que depende do resultado de outros jogos, uma vitória será importante para encerrar o campeonato com dignidade.

Créditos e fontes de imagens
meutimao.com.br-Renato Cobucci e Gil Leonardi/Imprensa MG/fotospublicas.com-MAON
Daniel Vorley/Lightpress/hojeemdia.com.br-Agência Corinthians/corinthians.com.br-MAON
twitter.com/@SCCPinfo

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Na relação custo benefício, estamos no prejuízo

Segundo informação do Teleco, colunista do Meu Timão, em sua conta no Twitter, esses foram os gastos do Corinthians com a compra de jogadores neste ano de 2016. Na relação acima não estão discriminados os custos pela aquisição de 70% do goleiro Douglas, as luvas de Camacho e Bruno Paulo e o ressarcimento ao Joinville do pré acordo do Bruno Paulo para a disputa da Série B. 
Ao final da temporada, constatamos que, para o Corinthians, todo esse dinheiro foi um gasto e não um investimento. A maioria deles não rendeu o que se esperava. Giovanni Augusto, Marquinhos Gabriel e Lucca acabaram a temporada na reserva. Balbuena e Vilson, titulares por falta de opção, transformaram a melhor defesa do campeonato numa peneira. André não correspondeu e já foi vendido. Alan Mineiro, também não rendeu, foi emprestado para o América-MG e para o Bragantino. O goleiro Douglas nem estreou, foi emprestado ao Grêmio, lesionou-se e voltou ao Corinthians para tratamento. Gustavo participou de alguns jogos, mas não correspondeu. Jean atuou apenas 12 minutos. Bruno Paulo chegou lesionado, foi operado, quando estava se recuperando precisou operar novamente e nem chegou a estrear. Guilherme oscilou muito, ficou um tempo no Departamento Médico, teve algumas boas atuações e no último jogo reconquistou a titularidade. Dos contratados, apenas Marlone e Camacho terminaram a temporada em alta, sendo que este, por ter atuado improvisado de 1º volante, só mostrou bom rendimento quando voltou para sua posição original. E Marlone, só se firmou após ter uma sequência de jogos.
Creio que as muitas mudanças de técnico podem ter influenciado o mau rendimento de alguns jogadores, mas por si só, esse fator não explica tudo. Houve muita má vontade e corpo mole de muitos atletas que não renderam o que podiam e muitas contratações foram equivocadas. O nível técnico de alguns é lamentável. Erram passes, finalizações e maltratam a bola. Os olheiros do Timão devem estar com catarata ou não sabem a diferença do que é atuar bem no Campeonato Paulista ou na Série B e vestir a camisa do Corinthians. Ou, os DVDs de melhores momentos foram muito bem editados. 
A temporada termina com uma única certeza. O planejamento foi mau feito, as contratações não renderam e muito dinheiro foi para o ralo. E não me refiro apenas ao contrato de jogadores, pois os técnicos também tiveram um mau desempenho. E a presidência, autocraticamente, usou de dois pesos e duas medidas. Cristóvão, com 18 jogos, 7 vitórias, 6 derrotas e 5 empates foi demitido no vestiário após a derrota de 2 a 0 para o Palmeiras. Já Oswaldo de Oliveira, com 8 jogos, duas vitórias, 4 empates e duas derrotas, está firme no cargo, mesmo tendo sido goleado por 4 a 2 pelo Cruzeiro na Copa do Brasil e de 4 a 0 pelo São Paulo no Campeonato Brasileiro.
Diante de tantos erros, omissões, incoerências e incompetências, o que esperar para 2017? Como ser otimista diante do cenário que se delineia? Como acreditar nessa diretoria? O que esperar desses jogadores que, com raras exceções, não honram sequer seus salários?
Vamos aguardar a última rodada e o planejamento para o próximo ano, pois tudo se definirá em função da classificação ou não para a Copa Libertadores. E que São Jorge nos ajude e elimine o Dragão da incompetência e da omissão da nossa diretoria. 
QUERO MEU CORINTHIANS DE VOLTA

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Parabéns Corinthians, campeão da Liga Paulista de Futsal

Pelo segundo ano consecutivo, o Corinthians conquistou o título da Liga Paulista de Futsal. É o 11º título da equipe alvinegra, a maior vencedora da competição. No jogo de ida, em Sorocaba, o Corinthians venceu por 4 a 2 e dependia de um empate para sagrar-se campeão. Mas, jogando em casa, com o Ginásio Wlamir Marques lotado, o Timão goleou o rival por 4 a 0, com gols de Leandro Lino (2), Vander Carioca e Rocha. 
O jogo foi precedido de homenagens ao Chapecoense, dentro e fora da quadra. A Fiel compareceu em peso, lotou o Ginásio e deu um show, apoiando o time e vibrando muito.
Com domínio total da partida, os comandados de André Bié, com muita garra e técnica, honraram a camisa e protagonizaram mais uma conquista do nosso glorioso Futsal.
PARABÉNS CAMPEÕES

Créditos e fontes de imagem
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.com