sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Quem, perde lá na Vila, é porque vacila...

E bota vacilo nisso. Até pensei que os jogadores do Corinthians tivessem sido sequestrados na Imigrantes e substituídos por clones, mas, depois percebi que, sequestrados mesmo tinham sido o futebol dos jogadores, a raça, a garra e a vergonha na cara. E que esse sequestro foi feito aos poucos. Começou em 2013, desenvolveu-se no Brasileirão e se intensificou-se no 2º turno daquele campeonato. E os sequestradores pertencem a uma gangue perversa, dirigida pelo orgulho e assessorada pela soberba, pela vaidade, pelo descompromisso, pela irresponsabilidade e pela petulância.
Sim, depois que ganharam tudo e foram donos do mundo, atuaram como se a posição fosse eterna e teve até jogador dizendo que não poderiam ser cobrados nem criticados, porque eram os campeões mundiais. Não atinaram que para serem donos do mundo, teriam que defender a propriedade. Baixaram a guarda, acomodaram-se, dormiram sobre os louros da conquista e hoje, já não são donos de nada, nem do seu próprio corpo, pois precisam de seguranças para manterem uma pseudo tranquilidade, pois, no campo e com a bola nos pés, têm dado vexames e perdido até do ninguém futebol clube.
O pior da história, é que tem jogador que não mais acham o futebol, mas, continuam se achando. Achando-se o máximo, achando-se craque...
Claro que não são todos, mas é a maioria dos remanescentes dos títulos da Libertadores e do Mundial, mesmo que alguns tenham se despedido do bom futebol com aqueles títulos e, hoje, só joguem com o nome.
E tudo acontecendo com a conivência da diretoria e da comissão técnica, que perderam o juízo e a mão, enquanto os jogadores perderam o pé.
Um planejamento furado, gastando perdulariamente sem muito critério, resultaram em problemas que culminaram com o time despencando ladeira abaixo em 2013. Gastaram muita grana para trazer jogador bichado que quase não joga e que quando entra sai contundido, jogador que até se recuperou fisicamente, mas que depois de um ano no clube, ainda não entendeu o que é Corinthians e apenas um que vingou. E pra aumentar a desgraça, chegaram dois cones pro meio campo. Ops... desculpa cone.
No campo, a eterna gratidão aos heróis da Libertadores e a panela dos intocáveis, um futebol, em alguns momentos, similar ou pior que o varzeano, muitas desculpas e justificativas e resultados deixando a desejar. E um final de ano, com todo mundo rezando para acabar.
E a torcida, também inebriada com as conquistas, deixou de cobrar e muitos, jogadores e o técnico, passaram a idolatrar. E, ai de quem ousasse, abrir a boca pra criticar. Era taxado de xiita, ingrato e corneta.
Quando a situação tornou-se insustentável, a omissa diretoria prometeu reformular o time e trocou o técnico. Mas, parou por aí. Os medalhões improdutivos não tiveram mercado e com os cofres vazios, chegaram apenas dois reforços, nenhum top de linha. Com altos salários, contratos longos e indevidamente renovados, com altas multas rescisórias, saiu o cozinheiro, mas a panela permanece, bem como os ingredientes com prazo de validade vencida.
O novo técnico, que já foi chamado até de sargentão, está engessado, com um time cujos jogadores não escolheu e que parecem não estarem muito dispostos a trocarem os rachões e os treinos contra os fantasmas, pela caixa de areia e treinos de finalizações. 
De início, até parecia que ia engrenar e que todos iriam se esforçar. Se os dois primeiros jogos não foram tão bons, as vitórias deram até uma esperança de que com o decorrer do campeonato a coisa iria melhorar. E até deu para acreditar. Mas, temo que tudo tenha sido a melhora que precede a morte, pois o time, novamente, começou a degringolar. Perdeu do São Bernardo, time que em 2014 tem como principal objetivo garantir uma vaga na Série D do Campeonato Brasileiro e foi massacrado pelo Santos, numa vergonhosa goleada.
Deste jogo, falar o quê, se nem jogo existiu. O que se viu foi um time mesclado, onde a ambição e a garra dos jovens santistas contagiou os veteranos que com sua experiência deram segurança aos garotos. E todos cresceram em campo, todos jogaram com garra e o jogo ficou fácil. E do nosso lado, um bando de veteranos acomodados, desorganizados, um amontoado de jogadores, que conseguiram desestabilizar os jovens e inseguros que estão iniciando-se nas lides corinthianas. E quando falo de veteranos, não me refiro à idade cronológica e sim ao elenco herdado do ano anterior. 
Defesa, sem os atacantes voltando para marcar, mais furada que um queijo suíço, meio campo sem criação e ataque? Só de nervos. Danilo e Guilherme foram os que tentaram algo mais, mas aí, como diz o homem de 40 milhões, ninguém joga sozinho. 
Não vou perder tempo em falar em tática, estratégia, nem em analisar os jogadores. O vexame foi mostrado ao vivo pela tv aberta e todo mundo viu o desastre corinthiano. Um vexame.
A única coisa não decepcionante foi o técnico ter enfrentado a coletiva, sem precisar ser substituído nem blindado por jogador nem por dirigente. Deu a cara a tapa. E não aliviou, não se justificou nem desculpou ninguém. 
Admitindo que o Corinthians foi muito mal e que o que ocorreu é inadmissível, afirmou que “Quando você perde de 5 a 1 um clássico como esse, é porque o adversário fez quase tudo bem e a gente fez quase tudo mal. Foi muito ruim, abaixo, inadmissível para uma equipe do porte da nossa, com a capacidade que temos. Mas aconteceu. Vamos reunir as nossas forças, fazer as nossas análises internas e tomar as atitudes que precisamos tomar”.
A situação do Corinthians pós conquista da Libertadores e o início da era Mano nos indicam que mudar técnico sem renovar o elenco é como mudar o cozinheiro e continuar cozinhando os mesmos ingredientes na mesma panela. Quando os ingredientes são de má qualidade ou estão com o prazo de validade vencido, é impossível fazer uma comida que preste.
Os maiores problemas do Timão são decorrentes de uma diretoria omissa e inoperante. Presidente omisso, diretor de futebol que larga o time pra fazer campanha, outro que sai pra farrear com jogadores, técnico anterior que permitiu a formação de panela de jogadores e a acomodação, com cadeiras cativas no time, jogador que manda no time, contratações equivocadas, herança maldita de 2013, etc., etc.
Se perdemos de 5 a 1 do Santos com o Mano, com o Tite, perdemos de de 4 a 0 da Portuguesa, com a diferença da Portuguesa, na época em que nos derrotou, ter um time pior que o atual do Santos. Portanto, o problema não é o técnico. E o Mano está chegando e trabalhando com o time base montado pelo Tite. Já os jogadores, na sua maioria, e o presidente, são os mesmos.
Não sou Mana do Mano, não gosto do jogo de técnicos gaúchos, mas, se mudou uma variável e o time não engrenou, tem que mudar as outras variáveis.
A postura da maioria dos jogadores tem sido uma lástima. Isso é herança da era Tite/Gobbi. Não dá para culpar o Mano, que tem só 1 mês de técnico. E acho estranho, que quem está tão revoltado com o Mano pela goleada do Santos ter ficado quietinho quando perdemos de 4 a 0 da Portuguesa, com o Tite de técnico e com a pífia campanha do 2º turno?
Mas, o mais deprimente nesta situação é ver viúvas(os) do Tite tendo orgasmos múltiplos de felicidade com a última goleada e responsabilizando apenas o treinador pelo vexame. E são os mesmos que, nos vexames da era Tite, responsabilizava apenas os jogadores pelos fracassos.
Ninguém no Timão é, nem pode ser maior que o Corinthians. Estamos num momento difícil, agravado por ser um ano de eleições da diretoria. E nós, torcedores, temos nossa responsabilidade e não podemos nos omitir. Parte da torcida virou "modinha", torcida de Libertadores, idolatrando jogadores e técnico. Em 2013, presenciei torcedores gritando nome de jogador e não do time. E não eram torcedores isolados e nem só das numeradas. Mesmo as organizadas, deixaram de cobrar, de apontar erros e exigir soluções, exigir uma nova postura, exigir garra, vontade e bom desempenho.
Não estou pedindo que se agrida jogadores, nem que se destrua o patrimônio. Há formas pacíficas de reivindicar e se formos criativos e inteligentes, iremos saber utilizá-las. E que se cobre quem deve ser cobrado, que se eliminem as causas e não apenas os sintomas da crise que está se instalando no Corinthians.
Tomara que esse vexame acorde os acomodados e sirva de lição para todos. E que o técnico aproveite a oportunidade para mudar o que tem que ser mudado, mesmo que tenha que subir mais gente da base e colocar os vagals para treinarem em separado e mofarem fora dos jogos até criarem vergonha na cara. Agora é a hora do sargentão por a tropa em movimento. Fazer o elenco treinar em dois períodos, aperfeiçoar o esquema tático, treinar finalizações e os demais fundamentos à exaustão e se livrar daqueles que fizerem corpo mole ou forem muito ruins.

Créditos e fontes de imagens e vídeos
meutimao.com.br
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
gazetaesportiva.net
sportv.globo.com
manicomio.com.br/marco.a.pires.blog.uol.com.br/MAON

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Santos X Corinthians

Hoje, 4ª feira, 29/01, Santos e Corinthians enfrentar-se-ão na 4ª rodada do campeonato Paulista e farão o 1º clássico da competição. O jogo acontecerá às 22 horas (horário de Brasília) no estádio da Vila Belmiro, em Santos.
O Corinthians fez três jogos na temporada 2014, todos pelo Campeonato Paulista, está com 67% de aproveitamento no ano, com duas vitórias e uma derrota, fez três gols (Romarinho. Guilherme e Guerrero) e sofreu dois. Está com 6 pontos e é o 2º colocado no grupo B.
Com 7 pontos e em 2º lugar no grupo C, o Santos, também com um novo técnico, está remontando seu time e mesclando jogadores mais experientes com a garotada. Na última rodada, só conseguiu a vitória nos minutos finais com um gol de falta.
Ficha Técnica - Santos X Corinthians
Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Data: 29 de janeiro de 2014, quarta-feira
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Paulo Cesar de Oliveira
Assistentes: Émerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse
Santos: Aranha; Cicinho, Neto, Gustavo Henrique e Mena; Alan Santos, Arouca e Cícero; Jorge Eduardo, Gabriel e Thiago Ribeiro; Técnico: Oswaldo de Oliveira
Corinthians: Walter; Diego Macedo, Gil, Paulo André e Uendel; Ralf, Guilherme, Rodriguinho e Danilo; Romarinho e Guerrero; Técnico: Mano Menezes
O Corinthians terá no banco o goleiro Júlio Cesar, os zagueiros Cléber e Felipe, os volantes Jocinei e Ibson, o meia Douglas e os atacantes Émerson Sheik e Alexandre Pato.
No Santos, estarão fora o zagueiro Edu Dracena (entorse no joelho esquerdo), o volante Alison (mialgia), os meias Léo (reforço muscular), Geuvânio (lombalgia), Montillo (de saída para o futebol chinês) e o atacante Giva (cirurgia no ombro). Leandro Damião, a maior contratação do ano, ainda não teve sua situação regularizada e não poderá atuar.
No Corinthians estarão fora Cássio, com uma lesão na mão esquerda, Fábio Santos, com problema no lado direito da região abdominal, Renato Augusto e Guilherme Andrade em fase final de preparação física. Fagner, recém-contratado, já está inscrito, mas não estreará porque ainda não está na forma ideal.

Embora Mano Menezes não tenha revelado qual será o time que vai enfrentar o Peixe na Vila Belmiro, devido ao fracasso da experiência contra o São Bernardo e às suas declarações à imprensa, é possível deduzir que teremos em campo a volta dos jogadores que foram substituídos na última partida. 
Assim, Uendel, recuperado de lesão retornará para a lateral esquerda e, provavelmente, Danilo, Romarinho e Guerrero, voltarão a formar o trio ofensivo.
O treino de terça-feira, no CT Joaquim Grava, não deu pistas sobre a equipe, pois teve apenas um rachão e um trabalho específico de finalizações. Mano quis preservar os jogadores e afirmou que na escalação levará em conta o desgaste e anunciará o elenco antes do início da partida.
"Entendo que deveríamos recuperar os jogadores, temos uma preocupação maior. Não fizemos um treinamento coletivo tático. Vou tomar essa decisão hoje à noite e passar para os jogadores. Divulgaremos o time 45 minutos antes do clássico", afirmou o técnico, em entrevista coletiva.
Após duas boas apresentações nas vitórias sobre a Portuguesa e o Paulista de Jundiaí, o Corinthians caiu de produção no último fim de semana. Diante do São Bernardo, no Pacaembu, a equipe não rendeu com Ibson, Émerson e Pato no ataque. O camisa 7 foi muito criticado, bem como o meia Ibson, que substituiu Danilo naquela ocasião.
Obrigado, por lesões e problemas burocráticos, a utilizar jogadores da base no time, Oswaldo de Oliveira, temendo um resultado adverso, já se antecipou nas desculpas e viu um favorecimento aos visitantes na tabela, uma vez que o desgaste é um fator bastante decisivo neste início de temporada. Mano respondeu dizendo que não foi ele quem fez a tabela, que prefere atuar aos domingos e que haverá momentos em que o Santos também terá um dia a mais de preparação.
No entanto, quem tem a temer influências externas no resultado do clássico é o Timão, pois o bandeira Émerson Augusto de Carvalho, escalado para o jogo, é o mesmo que ignorou três impedimentos em um gol do Santos em clássico disputado em 2012 e esta será a sétima vez, nos últimos dez Paulistas, com fase de classificação em turno único, que o embate será na Vila.
Se a equipe técnica do Timão e os jogadores foram suficientemente inteligente para aprender com os erros da rodada anterior, podemos aspirar a recuperação do Corinthians e voltarmos de Santos com a vitória e com os três pontos.

Créditos e fones de imagens e vídeos
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
gazetaesportiva.net
gazetaesportiva.net
Daniel Augusto Júnior/Agência Corinthians/globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
Marcos Bicudo/MAON

domingo, 26 de janeiro de 2014

Corinthians 0 X 1 São Bernado - Uma tragédia anunciada


Melhores momentos
Não. Não era um pesadelo. O time perdendo, errando tudo, não criando nada e, mesmo com as mudanças, nada produzindo. E em campo, muitos dos protagonistas dos percalços do ano anterior. Seria um revival de 2013? 
Estávamos no Pacaembu, não era nenhum clássico e sim um jogo contra o São Bernardo, time que segundo a Wikipédia "nesse ano disputará o Paulistão, a Copa do Brasil e a Copa Paulista. Tendo como maior objetivo garantir uma vaga no Campeonato Brasileiro série D"
E, justamente por esse time, que briga pra chegar à Série D, é que fomos humilhados no Pacaembu. Com um gol relâmpago de Erick Flores, que driblou nossos volantes e entrou livre na área para marcar, antes mesmo da defesa se arrumar, o Corinthians começou a correr atrás do prejuízo, mas sequer conseguiu empatar. 
E correu o jogo inteiro em busca de um gol que não veio. Faltou criação, faltou transição entre os setores do campo e sobraram erros e indecisões. Mas, não me surpreendi com a atuação. Aliás, havia até cantado a bola no post do pré jogo, em que afirmei considerar as mudanças prematuras e inoportunas e que apenas o Émerson teria condições de aguentar e reverter a pressão da torcida no Pacaembu. O que de fato ocorreu, Ibson e Pato saíram vaiados e Émerson foi aplaudido, pois, apesar dos erros cometidos, mostrou vontade, deu chapéu e até levantou a galera ao disputar uma bola na linha de fundo e derrubar a bandeirinha de escanteio com um carrinho. 
Entrevista do Pato
Ao contrário, Ibson errou tudo o que fez, tomou cartão e Pato desperdiçou as poucas chances que teve, não assumiu a responsabilidade do jogo, insinuou ter jogado fora de sua posição e reclamou das críticas. Não foi sem motivo que ambos foram vaiados ao serem substituídos.
Sem Uendel e Danilo, Rodriguinho não teve nenhum poder de criação, obrigando Mano a colocar Danilo no lugar do contestado e inoperante Ibson. Como a mexida não foi suficiente, Mano colocou mais um atacante, Guerrero, que não recebeu nenhuma bola boa, e tirou Rodriguinho. E como última tentativa de melhorar o desempenho, substituiu Pato por Romarinho.
Mas, mesmo com todas as mexidas e tentativas, o Timão não conseguiu furar a marcação disciplinada e a defesa bem postada do São Bernardo, que travou as ações no meio-campo e impediu que a bola chegasse em sua área.
Algumas tentativas foram pra fora, outras defendidas e uma bola de Pato bateu na trave. E assim, repetiu-se o resultado do último jogo de 2013 e saímos derrotados do Pacaembu.
Mano Menezes minimizou a derrota, afirmou que as mudanças foram importantes como experiência, admitiu a falta de criatividade e a necessidade de buscar novas alternativas, concordou com Pato que nenhum jogador joga sozinho, mas cobrou do atacante maior efetividade, ao afirmar que "quando a bola chegou ele não deu sequência e que é preciso jogar melhor, trabalhar melhor, ser mais consistente para o nível de exigência da torcida”.
As mudanças só foram importantes como experiência por revelarem ao técnico o que a torcida já sabia. Tem jogador que não tem qualidade nem para ser gandula, quanto mais para jogar no Corinthians, outro até tem qualidade técnica, mas é morno e não tem a garra necessária para ser um alvinegro. 
Entrevista do Émerson
Por incrível que pareça, os jogadores entrevistados consideraram que o time não jogou mal e que a qualidade do São Bernardo e o gol no início é que dificultaram o jogo e determinaram a derrota.
Na realidade, as mudanças promovidas foram inoportunas, prematuras e precipitadas. Por necessidade, um volante, improvisado na lateral já seria um obstáculo para a criação. Para complicar, por opção do técnico, três substituições no setor ofensivo, ocasionando desentrosamento na transição da bola e diminuindo o poder de criação. Isso sem falar na diferença qualitativa existente entre substituídos e substitutos e da pressão exercida sobre jogadores contestados por mau desempenho em jogos anteriores.
Mesmo com a diferença existente entre os dois times em seus vários aspectos, foi possível perceber que sem ter a ajuda dos atacantes na marcação, nossa defesa perdeu qualidade e mostrou fragilidade e que, mesmo tendo um time com melhores condições físicas, técnicas, financeiras e estruturais, não pode menosprezar o adversário e fazer testes arrojados e sem um mínimo de segurança. Não dá pra mexer tanto na equipe e nem utilizar jogador testado e desaprovado, deixando no banco outros mais capacitados. Tem jogador que quando é escalado, o time já entra em campo com uma substituição queimada.
Para mim, após este jogo, ficou uma dúvida e uma certeza. A dúvida: Como e por que o Corinthians contratou um jogador tão ruImBSON? A certeza: Rodízio? Só de pizza e de churrasco.
Sei que não é possível jogar todos os jogos com a mesma formação, que todos devem estar preparados, mas, deve haver mais cuidado nas experiências e não fazer as trocas de baciada, como ocorreu, principalmente quando se necessita improvisar numa posição.
Espero que esta tragédia anunciada sirva de experiência, que o Corinthians tire da mesma a aprendizagem necessária e que o técnico saiba fazer a correção da rota, para conseguir chegar ao destino almejado sem sustos e sem riscos. 
Ficha Técnica - Corinthians 0 X 1 São Bernardo
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP) 
Data: 25 de janeiro de 2014, sábado
Horário: 21 horas (de Brasília) 
Árbitro: José Cláudio Rocha Filho (SP) 
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse (ambos de SP) 
Cartões Amarelos: Gil, Ibson, Ralf (Corinthians), Erick Flores, Rafael Cruz e Edson (São Bernardo) 
Gols: São Bernardo: Erick Flores, aos sete minutos do segundo tempo
Corinthians: Walter; Diego Macedo, Gil, Paulo André e Jocinei; Ralf, Guilherme, Ibson (Danilo) e Rodriguinho (Guerrero); Emerson Sheik e Alexandre Pato (Romarinho); Técnico: Mano Menezes
São Bernardo: Wilson Júnior; Rafael Cruz, Fernando Lombardi, Luciano Castan e Eduardo; Daniel Pereira, Edson Felipe, Marino (Willian Favoni) e Bady; Márcio Diogo (Diogo Acosta) e Erick Flores (Dudu Lima); Técnico: Edson Boaro

Créditos e fontes de imagens e vídeos
esportes.terra.com.br
globoesporte.globo.com
sportv.globo.com
globoesporte.globo.com
sportv.globo.com
Sergio Barzaghi/Gazeta Press/gazetaesportiva.net
espn.com.br
sportv.globo.com
globoesporte.globo.com
esportes.terra.com.br

Parabéns Moçada!!!

Sabíamos que a parada seria difícil, pois iríamos enfrentar o campeão de 2013 e o time que teve a melhor campanha em 2014 na Copa Paulista de Futebol Júnior. Mas, nem por isso nossos rapazes recuaram e, mesmo sem dois jogadores importantes, Felipe Zang na defesa e Leandro, no ataque, o time não se acovardou
Osmar Loss fez um bom trabalho e conseguiu fazer um time que entrou desacreditado no campeonato, chegar a disputar a final e dar trabalho para o campeão. Isso tudo em pouco tempo e sem uma estrutura adequada.
Quanto ao jogo, Zé Paulo foi muito bem marcado, faltou um pouco de equilíbrio emocional após o 2º gol, o árbitro desrespeitou as regras do futebol quando não deu cartão ao jogador do Santos que foi comemorar o gol junto à torcida do Corinthians e Osmar Loss demorou pra colocar no time Matheus e Yan que, ao entrarem, mudaram o panorama do jogo. E Bryan é raçudo e brigador, mas carece, e muito, de condições técnicas.
Mas, se não conseguiu cumprir um dos objetivos do campeonato e ganhar o título, o Corinthians não decepcionou. Ao contrário, mostrou evolução, cresceu durante a competição e nos deu esperanças para o futuro, quanto à possibilidade de renovação do elenco profissional. O campeonato revelou jogadores com bom toque de bola, com precisão nas bolas paradas e com muita raça. Alguns ainda muito jovens, necessitando de experiência, mas muitos com grande potencial e que merecem maior atenção nos treinamentos e serem melhor observados. 
Apesar da derrota no jogo decisivo, considero a campanha vitoriosa e parabenizo a comissão técnica e os jogadores pelo desempenho e pela garra. 
Campanha do Corinthians na Copinha
Primeira fase
05/01 (domingo) – Corinthians 1 X 1 Remo-PA
08/01 (quarta-feira) – Corinthians 2 X 1 XV de Piracicaba
12/01 (domingo) – Corinthians 4 X 0 Internacional de Limeira
Segunda fase
15/01 (quarta-feira) – Corinthians 7 X 1 Juventude
Oitavas de final
17/01 (sexta-feira) – Corinthians 2 X 1 Flamengo
Quartas de final
19/01 (domingo) – Corinthians 1 X 0 Paraná
Semifinal
21/01 (segunda-feira) – Corinthians 2 X 1 Fluminense
Final
25/01 (sábado) - Corinthians 1 x 2 Santos
Artilharia do Timão na Copinha
6 gols – Malcom
4 gols – Zé Paulo
3 gols – Leandro e Guilherme Arana
2 gols – Felipe Zang
1 gol – Pedro Henrique

Créditos e fontes de imagens
facebook.com/SC Corinthians/MAON
futebolpaulista.com.br/MAON

sábado, 25 de janeiro de 2014

Corinthians X São Bernardo

Com uma nova postura, com um time mais ofensivo que na última temporada, o Corinthians enfrentará o São Bernardo, no estádio do Pacaembu, neste sábado, às 21 horas, (horário de Brasília), em busca de sua terceira vitória no Campeonato Paulista.
Será o primeiro jogo do Timão no Pacaembu, porque na rodada passada, o clube cumpriu punição e mandou a partida em Americana e na abertura da competição, atuou como visitante.
Único clube do grupo B com duas vitórias nas duas rodadas realizadas, o Corinthians pode disparar na liderança da chave se vencer hoje no Pacaembu. O São Bernardo também atravessa boa fase, com 100% de aproveitamento e na liderança do grupo C, com duas vitórias em dois jogos: 1 a 0 sobre o Botafogo de Ribeirão Preto, na estreia, e 2 a 1 diante do XV de Piracicaba na segunda rodada.
Ficha Técnica - Corinthians X São Bernardo
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP) 
Data: 25 de janeiro de 2014, sábado
Horário: 21 horas (de Brasília) 
Árbitro: José Cláudio Rocha Filho (SP) 
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse (ambos de SP)
Corinthians: Walter; Diego Macedo, Gil, Paulo André e Jocinei; Ralf, Guilherme, Ibson e Rodriguinho; Emerson Sheik e Alexandre Pato; Técnico: Mano Menezes
São Bernardo: Wilson Júnior; Rafael Cruz, Fernando Lombardi, Luciano Castan e Eduardo; Daniel Pereira, Edson Felipe, Marino e Bady; Márcio Diogo e Careca; Técnico: Edson Boaro
O Corinthians terá no banco o goleiro Danilo Fernandes, os zagueiros Cléber e Felipe, os meias Douglas e Danilo e os atacantes Romarinho, Guerrero e Paulo Victor.
No Corinthians estão fora Uendel, com dores no músculo adutor da coxa direita, Cássio, com lesão na mão esquerda e Fábio Santos, com um problema no lado direito da região abdominal. Renato Augusto e Guilherme Andrade continuam em fase final de preparação física.
No São Bernardo o atacante Elionar Bombinha, com uma lesão muscular, é o único desfalque.
Com a ausência de Uendel, que foi vetado pelo departamento médico por sentir dores no músculo adutor da coxa esquerda, Jocinei, volante de origem, será adaptado na função de lateral-esquerdo.
Mas, esta não será a única mudança na equipe, pois, além de Jocinei, entram no time Ibson (no lugar de Danilo), Alexandre Pato e Emerson Sheik (nas vagas de Romarinho e Guerrero). O técnico alvinegro pretende dar oportunidade para todos os atletas para encontrar a formação ideal, dar ritmo de jogo e promover o entrosamento dos jogadores para o restante da temporada. Por isso, apesar do 100% de aproveitamento, ele modificou a equipe.
Para o técnico, todos os jogadores do elenco têm condições de atuar, pois são jogadores de alto nível. Nos dois primeiros jogos ele optou por uma formação, mas no jogo de hoje a formação será com Pato e Émerson na frente e com Ibson no lugar do Danilo.
"Estamos encontrando maneiras de aproveitar todos. Quando você tem um grupo de qualidade, é isso que tem de fazer. Precisa encontrar a maneira deles produzirem bem, achar o ponto de cada um deles, a circunstância que devem entrar", disse o treinador.
Embora os treinos não possam mais ser acompanhados pela TV e, assim não mais é possível avaliar o desempenho dos jogadores durante os treinos, considero que ainda era cedo para mudar a equipe. Até pensei que as mudanças tivessem por objetivo preservar jogadores para o clássico contra o Santos, pois Guerrero ficou muito tempo parado e Danilo não mais aguenta muitos jogos seguidos, mas tal hipótese foi refutada pelo treinador.
Além disso, parece-me temerário, colocar um trio tão contestado pela torcida no caldeirão do Pacaembu, onde haverá muita cobrança e pressão, potencializando os erros que vierem a ocorrer. Com exceção do Émerson, que é cara dura e malandro, e portanto, lida melhor com a pressão, acredito que o jogo será difícil para o "tranquilo" e morno Pato e para o hiper contestado Ibson.
Creio que as mudanças foram prematuras e inoportunas. Será que eles estão voando nos treinos? Ou será um menosprezo pelo adversário?
Só espero que se o caldo engrossar, o técnico tenha sensibilidade e jogo de cintura suficiente para fazer as substituições que forem necessárias.
Como torcedora, só me resta torcer para que minha avaliação não esteja correta, que tudo dê certo e que venham mais 3 pontos.

Créditos e fontes de imagens
globoesporte. globo.com
globoesporte. globo.com
globoesporte. globo.com
Sergio Barzaghi/Gazeta Press/gazetaesportiva.net
globoesporte. globo.com/MAON

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Copa São Paulo de Futebol Júnior - Corinthians X Santos - Final

Na decisão da 45ª edição da Copa São Paulo de Futebol Júnior, o Corinthians enfrentará o Santos neste sábado, dia 25/01, às 10 horas (horário de Brasília), no estádio do Pacaembu.
Maior vencedor do torneio, com 8 títulos, o Corinthians vai em busca de seu 9º troféu. O jogo reunirá os dois últimos vencedores da Copinha, o Corinthians, campeão de 2012 e o Santos, campeão de 2013.
O Santos chega à decisão como o melhor time da Copa São Paulo em 2014. Marcou 27 gols em sete jogos, com 100% de aproveitamento. No mata-mata teve a vantagem de três tentos em todas as partidas.
O Corinthians também entra na decisão com um ótimo retrospecto, tendo vencido seis dos sete jogos disputados e empatado com o Remo em 1 a 1 na estreia. Apesar do tropeço inicial, o time evoluiu muito no decorrer do campeonato.
Ficha Técnica - Santos X Corinthians
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP) 
Data: 25 de janeiro de 2014, sábado 
Horário: 10 horas (de Brasília) 
Árbitro: Flávio Rodrigues Guerra 
Assistentes: Danilo Ricardo Simon Manis e Alex Ang Ribeiro
Corinthians: Henrique; Lucão, Pedro Henrique, Felipe Zang (Luiz Gustavo) e Guilherme Arana; Fabiano, Ayrton e Zé Paulo; Léo, Rodrigo (Lucas Douglas) e Malcom; Técnico: Osmar Loss
Santos: João Paulo; Daniel Guedes, Paulo Ricardo, Gustavo Eugênio e Zé Carlos; Lucas Otávio, Fernando, Serginho; Diego Cardoso (Neilton), Jorge Eduardo e Stéfano Yuri; Técnico: Pepinho
O Corinthians não poderá contar com o atacante Leandro, que recebeu seu 2º cartão no jogo contra o Fluminense e está suspenso, e o zagueiro Felipe Zang, com entorse no tornozelo, é dúvida
No Santos, Neilton, principal estrela do time, torceu o tornozelo e não deve ter condições de jogo. Livres de suspensão, o zagueiro Naílson e o atacante Diego Cardoso estão à disposição. Os dois retornam à equipe nos lugares de Gustavo Eugênio e Neilton, respectivamente. .
O último treino, realizado no Parque São Jorge só foi aberto para a imprensa nos minutos finais, quando os jogadores treinavam cobranças de faltas e pênaltis. Mas, o time deverá ser o mesmo que vem iniciando os jogos anteriores, com exceção do atacante Leandro, que está suspenso e poderá ser substituído por Rodrigo ou Lucas Douglas. Se Felipe Zang não se recuperar até o horário da partida, seu substituto será Luiz Gustavo.
A partida será apitada pelo árbitro Flávio Rodrigues Guerra, auxiliado pelos assistentes Danilo Ricardo Simon Manis e Alex Ang Ribeiro. O jogo será transmitido ao vivo pelos canais de televisão Globo (para o estado de São Paulo) e SporTV e pelas rádios globo e Coringão.
Para Osmar Loss, técnico do Corinthians, a decisão será um jogo muito difícil.
“A equipe do Santos tem muita qualidade, nós estudamos os principais pontos e temos certeza que nos apresentarão muitas dificuldades, mas agora o mais importante é o fator psicológico. Alguns dos nossos atletas tiveram a experiência de estar no grupo de 2012, de saber o que é uma pressão. Eles passam isso pra dentro do grupo, o que nos ajuda no trabalho que temos feito”, disse o treinador do Corinthians.

Enquanto no Santos, o destaque é Stéfano Yuri, centroavante de 1:85m, que já marcou nove gols e é o artilheiro da Copinha, empatado com Gustavo, do Taboão da Serra, no Corinthians, os destaques são Zé Paulo, meio-campista e o atacante Maicom, que têm cinco gols.
Durante a semana, a diretoria do Santos protestou na Federação Paulista de Futebol contra a divisão da carga de ingressos. Os corintianos ficarão com arquibancadas e numeradas laranjas, enquanto os santistas terão apenas o Tobogã e o setor ao lado das numeradas cobertas.
 
 
No 1º dia de venda, 5ª feira, a torcida do Corinthians esgotou todos os ingressos.
Campanha do Corinthians na Copinha
Primeira fase
05/01 (domingo) – Corinthians 1 X 1 Remo-PA
08/01 (quarta-feira) – Corinthians 2 X 1 XV de Piracicaba
12/01 (domingo) – Corinthians 4 X 0 Internacional de Limeira
Segunda fase
15/01 (quarta-feira) – Corinthians 7 X 1 Juventude
Oitavas de final
17/01 (sexta-feira) – Corinthians 2 X 1 Flamengo
Quartas de final
19/01 (domingo) – Corinthians 1 X 0 Paraná
Semifinal
21/01 (segunda-feira) – Corinthians 2 X 1 Fluminense
Artilharia do Timão na Copinha
5 gols – Malcom
4 gols – Zé Paulo
3 gols – Leandro e Guilherme Arana
2 gols – Felipe Zang
1 gol – Pedro Henrique
Embora o Santos tenha feito uma campanha melhor que a do Corinthians, o Timãozinho cresceu na competição, que será decidida num clássico. E, mesmo no sub 20, clássico é clássico, ocasião em que os times crescem e se superam. Pela evolução durante o campeonato, pela raça demonstrada pela garotada e pelo fator torcida, que atua sempre como um 12º jogador, temos plenas condições de buscarmos o 9º troféu neste campeonato. 
A moçada está concentrada, confiante e animada. Ciente das dificuldades, mas focada e bem treinada. E ainda receberão uma ajuda extra: a vibração de mais de 30 milhões de loucos, potencializada pelas bençãos do Padroeiro, o Jorge Guerreiro.

Créditos e fontes de imagens
futebolpaulista.com.br
facebook.com/SCCP 1910FotosHistoricas
facebook.com/Guilherme Torres oficial
globoesporte.globo.com
Rodrigo Coca/Agência Corinthians/meutimao.com.br
gazetapress.com.br
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
Rodrigo Coca/Agência Corinthians/meutimao.com.br
Cássio Barco/globoesporte.globo.com
Cássio Barco/globoesporte.globo.com
facebook.com/SC Corinthians/MAON

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Sem muito brilho, mas com os três pontos

Flash, gols, entrevista e comentários
Melhores momentos
O Corinthians não fez um jogo brilhante, embora tenha dominado a partida. O Paulista armou um ferrolho, com sua defesa muito bem postada e abusou da violência, com entradas duras e muitas faltas. Tanto bateram que conseguiram tirar o Romarinho do jogo.
Nossos jogadores sentiram as pernas pesarem no 2º tempo e diminuíram o ritmo, mas, devido à sua superioridade técnica, continuaram superiores no jogo. Mesmo assim, o gol não saia e a torcida sofria. Assombrada pelo fantasma dos empates recorrentes, cheguei a temer pela volta do pesadelo, o que, felizmente, não ocorreu. 
Aos 33 minutos da etapa final Emerson recebeu de Rodriguinho e cruzou certeiro na cabeça do Guerrero que subiu bem e cabeceou no canto direito de Juliano para abrir o placar.
Mas, se no 2º tempo faltaram pernas para alguns, durante o jogo não faltou disposição nem movimentação e os alvinegros mandaram na partida durante todo o tempo, levando perigo à meta de Juliano. Tomaram a iniciativa do jogo, criaram muito, mas erraram nas finalizações. Deram pelo menos 18 chutes a gol, mas só 7 atingiram o alvo e só 1 foi convertido. Compreensível no início de temporada, principalmente com o arremedo de pré temporada do futebol brasileiro. Méritos também para o goleiro Juliano, que fez boas defesas.
Com os laterais avançando mais e com os jogadores de frente sem tanta obrigação de marcação, o time ficou mais ofensivo, o futebol menos burocrático e mais emocionante. O jogo ficou mais aberto, os setores mais definidos e a defesa vai ter que ficar mais atenta, pois já não poderá contar com a marcação dos atacantes, que estão focados na sua função específica, fazer gols.
Mano Menezes aprovou o desempenho dos seus comandados e afirmou que já previa dificuldades devido às condições físicas do elenco no início da temporada e pela qualidade do adversário.
“O Paulista tem uma defesa muito bem postada, com um goleiro que faz excelentes intervenções. Eles já tinham feito um bom jogo contra o Audax e também exigiram muito da nossa defesa. A gente sabe o nível técnico que tem a competição. É por isso que digo que temos de fazer a nossa parte bem. Caso contrário, não ganhamos de ninguém”, comentou o técnico.
Mas, apesar de aprovar o desempenho dos jogadores, ele considerou que o triunfo poderia ter sido menos suado se algumas das oportunidades criadas no primeiro tempo fossem aproveitadas.
Concordo com o técnico e espero que no decorrer do campeonato essas deficiências deixem de existir, que melhore o entrosamento entre os jogadores e que o fôlego permaneça durante os 90 minutos. Vencer dois jogos seguidos e finalizar 18 vezes num único jogo é um progresso em relação ao time que empatou 31 vezes em 2013, sendo 15 empates por 0 a 0 e que no Brasileirão perdeu do Náutico e foi goleado pela Portuguesa. Acredito que o Corinthians já está voltando. Voltando a treinar forte, voltando a criar, voltando a atacar. E voltando a ganhar.
Com o resultado, o Timão vai a seis pontos e lidera o Grupo B e o Paulista, com apenas um, está em terceiro no Grupo C, fora da zona de classificação. A equipe do Parque São Jorge voltará a jogar no próximo sábado, às 21 horas (de Brasília), no Pacaembu, contra o São Bernardo.
Resumo do jogo
Ficha Técnica - Corinthians 1 X 0 Paulista
Local: estádio Décio Vitta, em Americana
Data: 22 de janeiro de 2014, quarta-feira
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza
Assistentes: Rogério Pablos Zanardo e Alexandre Basílio Vasconcellos
Cartões amarelos: Emerson (Corinthians); Ewerton Pereira, Jeff Silva e Mineiro (Paulista)
Gol: Guerrero, aos 33 minutos do segundo tempo
Corinthians: Walter; Diego Macedo, Gil, Paulo André e Uendel (Felipe); Ralf, Guilherme, Rodriguinho e Danilo (Alexandre Pato); Romarinho (Emerson) e Guerrero; Técnico: Mano Menezes
Paulista: Juliano; Raul, Diego Santos, Gian e Jeff Silva; Mineiro, Ewerton Pereira, Lusmar e Dinélson (Esquerdinha); Patrick (Tiago Cavalcanti) e David Batista (Jô); Técnico: Giba

Créditos e fontes de imagens
esportes.terra.com.br
globoesporte.globo.com
gazetaesportiva.net
globoesporte.globo.com
Luciano Claudino/Agência O Globo/diariosp.com.br
Daniel Augusto Júnior/Agência Corinthians/gazetaesportiva.net
esporte.uol.com.br
esporte.uol.com.br
esportes.terra.com.br

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Corinthians X Paulista

Após superar a Portuguesa no Canindé, na reestreia do técnico Mano Menezes, o Corinthians enfrentará o Paulista, em Americana, nesta 4ª feira, dia 22/01, às 22 horas, horário de Brasília, no estádio Décio Vitta, em busca de sua 2ª vitória no campeonato Paulista.
Embora seja mandante do jogo, a partida vai acontecer em Americana, devido a mais uma punição ao clube, por uma rodada, por causa do uso de sinalizadores pela torcida na decisão de 2013, na Vila Belmiro.
O adversário, o Paulista, vem de um empate sem gols em casa, contra o Audax, está na 3ª colocação do Grupo C e é dirigido pelo ex-jogador corintiano Giba, que tem dúvidas na defesa e no meio-campo por causa de contusões.
Ficha Técnica - Corinthians X Paulista
Local: estádio Décio Vitta, em Americana
Data: 22 de janeiro de 2014, quarta-feira
Horário: 22 horas (de Brasília)
Árbitro: Flávio Rodrigues de Souza
Assistentes: Rogério Pablos Zanardo e Alexandre Basílio Vasconcellos
Corinthians: Walter; Diego Macedo, Gil, Paulo André e Uendel; Ralf, Guilherme, Rodriguinho e Danilo; Romarinho e Guerrero; Técnico: Mano Menezes
Paulista: Juliano; Raul, Gian (Émerson), Diego Macedo e Jeff Silva; Mineiro, Ewerton Pereira (Lusmar), Fabrício Rodrigues, Dinélson e Esquerdinha; Patrick; Técnico: Giba
O Corinthians terá no banco o goleiro Júlio César, os zagueiros Cléber e Felipe, os volantes Ibson e Jocinei, o meia Douglas e os atacantes Alexandre Pato e Émerson. Cássio, com lesão na mão esquerda e Fábio Santos, com um problema no lado direito da região abdominal, ambos recuperando-se de cirurgia, desfalcam o time por mais algumas semanas. Renato Augusto e Guilherme Andrade continuam em fase final de preparação física e ainda não têm condições do jogo.
No Corinthians, a única novidade em relação à equipe que venceu a Portuguesa é a presença do lateral Diego Macedo no lugar de Edenílson, que foi à Itália fechar contrato com a Udinese.
No último coletivo Mano  deu atenção especial à cobrança de escanteios, aos cruzamentos e à cobrança de faltas.
Para melhorar a produção ofensiva do time, Mano Menezes pediu que os laterais cheguem mais à frente do que vinham fazendo, porém, sem comprometer o bom sistema defensivo, marca da equipe nos últimos anos.
A expectativa é que o time repita o bom desempenho do jogo de estreia e volte de Americana com mais uma vitória e mais 3 pontos.

Créditos e fontes de imagens
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
Daniel Augusto JúniorAgência Corinthians/gazetaesportiva.net
gazetaesportiva.net/MAON

Timãozinho na final

Melhores momentos
Ao vencer o Fluminense por 2 a 1, no estádio Major Levy Sobrinho, na noite de terça feira, em Limeira, o Corinthians classificou-se para a 16ª final da Copa São Paulo de Futebol Júnior e disputará o título contra o Santos, no próximo sábado, às 10 horas da manhã, no Pacaembu. 
O Timãozinho foi superior em toda a partida, mas, um tanto afobados, os garotos não conseguiram abrir o placar no 1º tempo. Tranquilizados por Osmar Loss no vestiário, o time voltou melhor na etapa final e com bom aproveitamento nas bolas paradas, os gols apareceram.
Gols
Aos 12 minutos, Zé Paulo bateu falta de longe, o goleiro adversário deu rebote e o lateral esquerdo Guilherme Arana empurrou para as redes e aos 19 minutos, o atacante Malcom cobrou escanteio, o zagueiro Pedro Henrique subiu mais alto e cabeceou no canto esquerdo pra ampliar. Aos 33 minutos, com um jogador a mais, enquanto Felipe Zang recebia atendimento médico fora de campo, Euller recebeu na ponta esquerda e soltou uma bomba, marcando o gol do Fluminense e diminuindo a vantagem alvinegra.
Após o gol, os cariocas passaram a pressionar mais, mas pouco ameaçaram o sólido sistema defensivo do Corinthians, que foi eficiente em administrar o resultado.
A vitória coloca o Corinthians em sua 16ª final da competição. Com oito títulos, o time da capital paulista é o maior campeão do torneio sub-20 e vai em busca de seu 9º título.
Escalação
Resumo do jogo
Campanha do Corinthians na Copinha
Primeira fase
05/01 (domingo) – Corinthians 1 X 1 Remo-PA
08/01 (quarta-feira) – Corinthians 2 X 1 XV de Piracicaba
12/01 (domingo) – Corinthians 4 X 0 Internacional de Limeira
Segunda fase
15/01 (quarta-feira) – Corinthians 7 X 1 Juventude
Oitavas de final
17/01 (sexta-feira) – Corinthians 2 X 1 Flamengo
Quartas de final
19/01 (domingo) – Corinthians 1 X 0 Paraná
Semifinal
21/01 (segunda-feira) – Corinthians 2 X 1 Fluminense
Artilharia do Corinthians na Copinha
5 gols – Malcom
4 gols – Zé Paulo
3 gols – Leandro e Guilherme Arana
2 gols – Felipe Zang
1 gol – Pedro Henrique

Créditos e fontes de imagens
esportes.terra.com.br
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
sportv.globo.com
sportv.globo.com
Helio Suenaga/Gazeta Press/esportes.terra.com.br
sportv.globo.com
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com
esporte.uol.com.br
esporte.uol.com.br
facebook.com/SC Corinthians/MAON