domingo, 27 de agosto de 2017

Sinal de Alerta

Aconteceu o imprevisível, o impensável e o indesejado pela Nação Corinthiana. O Corinthians amargou sua segunda derrota no Campeonato Brasileiro para um time na zona de rebaixamento. O que está acontecendo? Depois de um primeiro turno impecável, no segundo turno, de nove pontos, obteve apenas três e na bacia das almas. Mesmo com os desfalques, é uma queda brusca e surpreendente para um time que fechou o primeiro turno sem nenhuma derrota. 
Sobre o jogo, embora com mais posse de bola, (62%), o Corinthians não soube aproveitá-la e foi incapaz de furar a retranca goianense. Quando não falhou ao finalizar, (22 finalizações erradas segundo dados do Footstats), a bola foi defendida pelo goleiro Marcos. Na tentativa de fazer chegar a bola na área pelo alto foram 15 cruzamentos certos e 38 errados. O gol do Atlético, numa cobrança de escanteio em que o Kazim falhou, desestabilizou os jogadores alvinegros que, afobados e atrapalhados partiram sem objetividade em busca do empate. Faltou concentração, sobrou desorganização e, assim, amargamos mais uma derrota, com o agravante de ser em casa e para o lanterna do campeonato. 
A defesa quase não teve trabalho, Cássio não teve culpa do gol, Fagner e Jadson (enquanto aguentou) foram os mais lúcidos em campo. Moisés e principalmente Kazim foram os piores da partida, (o atacante errou tudo o que tentou), provando que não estão capacitados para atuar num time de primeira divisão. Kazim pode ser carismático, boa praça, divertido, gringo da favela, bom de grupo, mas não é jogador de futebol. Ansioso e estabanado, ele nada produziu. Talvez pudesse ser aproveitado como animador de torcida. 
Embora com um banco limitado, o grande erro do Carille foi não ter substituído o Kazim durante o jogo. Qualquer um que entrasse teria sido uma opção melhor do que a permanência do atacante,
Na tentativa de entender o motivo dessa queda de produção do time, percebo que a equipe parece ter perdido o foco e a concentração. Talvez tenha trocado as sandálias da humildade pelo salto alto, subestimando os adversários da parte inferior da tabela. Arana a Jô não têm substitutos pelo menos medianos. A possível volta do Marciel e um melhor aproveitamento do Carlinhos constituem uma esperança de melhora na lateral esquerda e no ataque. Mas, enquanto isso não se concretizar vamos continuar sofrendo com as ausências dos titulares, pois temos um time, mas, para algumas posições, não temos reservas de qualidade. 
Se quiser salvar o campeonato, é urgente voltar a levá-lo a sério, retomando o foco, a concentração e a humildade. Sem desculpismos, sem passar pano para o time, Carille precisa usar sua autoridade, chamando os jogadores na chincha para que assumam suas responsabilidades e voltem a jogar o futebol apresentado no primeiro turno. 

Créditos e fontes de imagens
vozdooeste.com.br-globoesporte.globo.com 

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Corinthians X Atlético-GO

Pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians enfrentará o Atlético-GO neste sábado, 26/08, às 19:00 horas, em sua Arena em Itaquera. Será o encontro dos extremos: do líder Corinthians com 50 pontos, 15 vitórias, 5 empates, uma derrota e 79% de aproveitamento contra o lanterna Atlético-GO com 15 pontos, 4 vitórias, 3 empates, 14 derrotas e 24% de aproveitamento. O anfitrião tem a obrigação de vencer e tirar a péssima impressão deixada pela sua primeira derrota no campeonato para o Vitória. O Atlético-GO, que tenta reabilitar-se no campeonato, vem como franco atirador e se diz animado pelo mau resultado do Corinthians para o time baiano. 
Ficha Técnica - Corinthians X Atlético-GO
Local: Arena Corinthians. em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 26 de agosto de 2017, sábado
Horário: 19:00 horas (de Brasília)
Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez - PE (CBF)
Árbitro Assistente 1: Clovis Amaral da Silva - PE (CBF)
Árbitro Assistente 2: Cleberson do Nascimento Leite - PE (CBF)
Quarto Árbitro: Marcelino Castro de Nazare - PE (CBF)
Árbitro Assistente Adicional 1: Gilberto Rodrigues Castro Junior - PE (CBF)
Árbitro Assistente Adicional 2: Deborah Cecilia C Correia - PE (FIFA)
Corinthians: Cássio; Fagner, Pedro Henrique, Léo Santos e Moisés; Gabriel, Maycon, Jadson, Rodriguinho e Clayson; Kazim; Técnico: Fábio Carille
Atlético-GO: Marcos; Jonathan, Gilvan, William Alves e Bruno Pacheco; Igor, Paulinho, Andrigo, Jorginho e Luiz Fernando; Walter; Técnico: João Paulo Sanches 
Além do escalados para o jogo, também foram relacionados
No Corinthians, os goleiros Walter e Matheus Vidotto, o lateral Léo Príncipe, os zagueiros Léo Santos e Vilson, os volantes Paulo Roberto e Felipe Bastos, os meias Marquinhos Gabriel e Giovanni Augusto e o atacante Carlinhos. 
No Atlético-GO, o goleiro Lucas, os zagueiros Ricardo Silva e Eduardo Bauermann, o lateral Breno Lopes, os volantes Marcão e Everton Heleno, os meias Diego Rosa e Luiz Felipe e o atacante Niltinho.
O Corinthians terá os desfalques de Balbuena (com lesão na coxa esquerda), Guilherme Arana (lesão na coxa direita), Pedrinho (cirurgia para retirada de amígdalas), Caíque França (fratura na mão esquerda), Mantuan (lesão na coxa direita), além de Romero e Jô, suspensos pelo terceiro cartão amarelo. Estão pendurados, com dois cartões amarelos, Cássio, Gabriel, Pablo, Jadson e Clayson. 
No Timão as novidades são a volta de Jadson no meio campo e de Pablo na zaga. Clayson ganhou a disputa com Marquinhos Gabriel e substituirá o Romero, suspenso, e para o lugar do também suspenso Jô, Carille escolheu o Kazin. Carlinhos será a única opção no banco para o ataque. 
No último treino, na tarde de sexta feira, no CT Dr Joaquim Grava, o técnico comandou um trabalho tático e ensaiou jogadas de bola parada. 
Jogando em casa e contra o lanterna do Brasileirão, o Corinthians tem a obrigação de vencer sem sustos e sem sufoco. Com um time organizado e com um padrão tático definido, o Timão enfrentará uma equipe que, possivelmente tentará atuar de forma semelhante ao Vitória, retrancando o time, saindo no contra ataque e jogando por uma bola. Ao contrário do que aconteceu no último jogo em Itaquera, o time precisa jogar com paciência e sem afobação, trabalhando a bola e fazendo as triangulações necessárias. Temos time e padrão tático para vencer o desesperado time goianense. 
Já foram vendidos mais de 37 mil ingressos e apoio da torcida não vai faltar.

Créditos e fontes de imagens
arenacorinthians.com.br
Alexandre Schneider/Getty Images/veja.abril.com.br-Reprodução/PFC
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/globoesporte.globo.com-Thiago Calil/Gazeta Press/espn.uol.com.br-Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians/sctimao.com-Daniel Augusto Jr-Agência Corinthians/tribunapr.com.br
facebook.com/Imagens Timão 

Que sufoco!!!

Gol do Jô
Com quatro desfalques, o Corinthians foi para Chapecó e, apesar dos percalços, voltou com a vitória e os três pontos na bagagem, abrindo 10 pontos de diferença para o vice líder do Campeonato Brasileiro. Não foi um jogo fácil, foi sofrido, e a vitória só chegou aos 45 minutos da etapa final. O Corinthians sofreu para furar a retranca chapecoense. Com maior posse de bola (56%), errou muitos passes, mas conseguiu alcançar seu objetivo e recuperar-se do mau resultado em Itaquera.
Foi um jogo feio, difícil, um verdadeiro teste para cardíaco. O adversário também foi valente, lutou até o fim e deu muito trabalho. O Timão demonstrou desentrosamento em algumas jogadas, algo natural e previsível pela ausência dos titulares, mas, apesar das dificuldades, conseguiu manter-se vivo no jogo. 
Léo Santos salva gol do Chape
Léo Santos foi uma grata surpresa para quem não o conhecia. Seguro, com boa visão de jogo, salvou um gol do adversário, tirando a bola em cima da linha, quando o placar ainda estava zero a zero.  Com as dificuldades de criação do meio campo, pois Rodriguinho e Marquinhos Gabriel não estavam bem, Jô teve que movimentar-se para buscar o jogo e foi recompensado com o gol, com assistência de Clayson, que substituiu o apagado Marquinhos Gabriel. Infelizmente, Moisés não soube aproveitar a chance de iniciar jogando, o que é muito preocupante devido ao longo período em que Arana, lesionado, ficará fora do time. Infelizmente, Jô e Romero levaram o terceiro cartão e perdemos nossa dupla de ataque, o que aumentará o número de reservas para o próximo jogo. 
Com o resultado, o Corinthians com 50 pontos, 15 vitórias, 5 empates, uma derrota e 79% de aproveitamento permanece na liderança do Campeonato Brasileiro, abrindo dez pontos de diferença para o Grêmio, segundo colocado, agora com ambas equipes possuindo o mesmo número de jogos: 21. A Chapecoense com 25, pontos, 7 vitórias, 4 empates, 10 derrotas e 40% de aproveitamento, está em 15º lugar, logo acima da zona de rebaixamento, que se inicia com o São Paulo, dono de 23 pontos. 
Na próxima rodada, o Timão terá pela frente a equipe do Atlético-GO, lanterna da competição, às 19:00 horas (de Brasília) do sábado, 26/08, na Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo, antes de uma pausa de duas semanas na disputa do torneio. O Chapecoense enfrentará o Avaí, no domingo, 27/08, às 16:00 horas (de Brasília), na Ressacada, em Florianópolis. Santa Catarina. 

Créditos e fontes de imagens e vídeos 
musicjinni.com 
youtube.com/Lance XD-globo.com 
meutimao.com.br 
youtube.com/Bi Mundial-globo.com 

domingo, 20 de agosto de 2017

Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima

Sabemos que não existe time imbatível, mas sempre tentamos não pensar na possibilidade de uma derrota, ainda mais em casa e para um time que briga para não cair. E vindo de uma mini inter temporada que, teoricamente, serviria para dar descanso ao time após uma maratona de jogos, recuperar jogadores desgastados e/ou lesionados e treinar novas estratégias. O script estava perfeito, mas parece que não ensaiaram direito e o resultado não foi o esperado. Perdemos o jogo, perdemos dois jogadores por lesão (Arana e Balbuena) e, na metade do segundo tempo, tínhamos atletas se arrastando em campo. 
Será que nos dias sem jogos perderam o foco e o ritmo de jogo? O que deu errado? É preciso fazer um diagnóstico preciso, pois, durante as eliminatórias da Copa do Mundo, teremos outra parada no Campeonato Brasileiro. Não se trata de caça às bruxas, mas sim de identificar os erros para não repeti-los.
Sobre o jogo, o Corinthians teve um desempenho muito aquém do esperado e de jogos anteriores. Podemos dizer que jogou bem menos do que sabe e do que pode jogar. Mesmo com mais posse de bola, (65%), e com mais finalizações (5 certas e 9 erradas) contra 3 certas e duas erradas do Vitória, faltou objetividade no arremate final, não conseguindo transformá-las em gols. Errou muitos passes (69), insistiu pelo meio congestionado, quando deveria atuar mais pelas beiradas, abusou dos lançamentos longos (errou 19) e sofreu 19 desarmes. Até criou, mas faltou efetividade e objetividade nos chutes a gol. Com o placar adverso, faltou tranquilidade e frieza e sobrou afobação. 
Não sei se subestimaram o adversário, achando que fariam o gol quando quisessem, se faltou ritmo de jogo ou se sentiram o revés do gol do Vitória. Mas há muito tempo não via um Corinthians tão afobado e atrapalhado. 
A arbitragem, para não variar, continua de péssima qualidade, com erros para os dois times. Deixou de marcar dois pênaltis a favor do Corinthians e anulou um gol legítimo do Vitória. Mesmo com seis árbitros em campo, continuam não enxergando nada. 
Com o resultado, o Corinthians, apesar de perder a invencibilidade de 34 jogos na temporada, continua na liderança do Campeonato Brasileiro com 47 pontos, 14 vitórias, 5 empates, uma derrota e 78% de aproveitamento, 7 pontos à frente do Grêmio, o segundo colocado.  Já o Vitória, encontra-se em 18º lugar, com 22 pontos, 6 vitórias, 4 empates, 11 derrotas e 35% de aproveitamento. 
O próximo compromisso do Corinthians será no dia 23/08, quarta feira às 19:30 horas na Arena Condá, em Chapecó, jogo atrasado da 20ª rodada. E no sábado, 26/08, o Timão receberá o Atlético-GO às 19:00 horas em sua Arena, em Itaquera. O Vitória enfrentará a equipe do Coritiba, na segunda-feira, 28/08, no estádio Couto Pereira.
Apesar de sentirmos a derrota, não há razão para desespero nem desânimo. Se não tem nada ganho, também não tem nada perdido. É colocar a cabeça no lugar, fazer auto crítica do jogo, retomar o foco perdido, a concentração e a humildade. E seguir o conselho de Paulo Vanzolini: 
Reconhece a queda e não desanima
Levanta, sacode a poeira
E dá a volta por cima

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Síndrome de abstinência

Tão cinzento quanto o clima, assim está meu coração. E tudo pela ausência do meu Timão. Duas semanas sem jogo é triste demais para qualquer torcedor apaixonado. Sei que essa inter temporada forçada foi bom para o time recuperar jogadores desgastados, repor energias, descansar e treinar novas estratégias. E isso consola em parte meu coração agoniado de saudades. Procuro compensar essa falta que o Corinthians me faz acompanhando os treinos e, de site em site, busco informações capazes de amenizar a saudades do Coringão. 
Conto as horas e os minutos que faltam para o próximo jogo. Tento ser paciente, mas maior que a paciência é essa tremenda crise de abstinência que invade todo o meu ser e que, nesses últimos dias, roubou minha alegria. Porque nada me faz mais feliz que ver meu time em campo, que torcer pela sua vitória, que vibrar por suas belas jogadas e pelos seus gols. Sem isso, sinto um vazio dentro de mim, um vazio que só será preenchido quando em campo, reencontrar o meu Timão. 
VOLTA CORINTHIANS!!!


Créditos e fontes de imagens 
cpt.com.br-Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com 

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Valorizando a base

Quem acha que o Corinthians não revelava jogadores se enganou. William, Marquinhos, Weverton, Malcom, Marcelo Oliveira, Nilton, Danilo Fernandes, Everton Ribeiro, bem como Fagner e Jô, que voltaram a jogar no Corinthians, são alguns exemplos de atletas formados em nossa base. O que acontecia é que o Timão revelava jogadores, mas pouco utilizava. Embalados pelo sonho europeu e pela ganância de empresários, do desinteresse do clube e da preferência dos técnicos trabalharem com jogadores já formados, os jovens e promissores atletas acabavam vendidos precocemente. Os que tinham talento brilhavam, enriqueciam seus empresários e sobravam algumas migalhas para o Corinthians como time formador. Os menos talentosos, que migraram seduzidos pelas falsas promessas dos empresários, de empréstimos a empréstimos, acabavam atuando em times menos expressivos no exterior ou no Brasil.
Com pouco interesse e/ou vontade de lapidar as jóias reveladas em nossa base, perdemos talentos promissores e dinheiro, para alegria e felicidade dos empresários dos jovens formados no Terrão. 
Felizmente, a situação mudou, mais por necessidade que por vontade própria da diretoria, confirmando o ditado popular que "há males que vêm para o bem", e temos hoje a oportunidade de usufruir do trabalho daqueles que se empenharam em formar os atletas da nossa base. Valorizados pela comissão técnica, temos jovens titulares absolutos, jovens reservas, que quando entram dão conta do que lhe foi pedido, e outros que estão sendo burilados para o próximo ano. Por falta de dinheiro em caixa, encontrou-se em casa a solução para diferentes posições. Enquanto muitos gastaram milhões, sem o mesmo retorno, vemos os garotos brilhando e sendo cobiçados por times europeus. Só espero que nossa diretoria tenha juízo e não mate a galinha dos ovos de ouro como fez em passado recente, vendendo os jovens por merreca e gastando muita grana com jogadores que pouco produziram. 
Espero também que a torcida tenha paciência com os garotos que vieram da base, entendendo que alguns ainda não estão prontos, que entram nas partidas ainda sem ritmo de jogo e que falhas podem ocorrer. Que não sejam crucificados por seu erros eventuais e que possamos dar-lhes o tempo necessário para o seu amadurecimento e adaptação no time profissional. 
Alguns já são uma realidade - Pedro Henrique, Guilherme Arana, Léo Príncipe, Marciel e Maycon - outros promissoras promessas - Matheus Vidotto, Caique França, Léo Santos, Mantuan, Warian, Rodrigo Figueiredo, Pedrinho e Carlinhos. Mas todos são motivo de esperança na valorização e na continuidade de um trabalho bem feito e na possibilidade do Corinthians não só revelar, mas saber aproveitar e usufruir dos frutos do trabalho realizado. 

Crédito e fonte de imagem 
twitter.com/@SporTV 

domingo, 6 de agosto de 2017

Matando o Leão

O Leão da Ilha chegou urrando e garantindo que iria tirar a invencibilidade do Timão, mas na realidade, o Leão foi apenas um gatinho assustado diante de um Corinthians compacto e organizado. O que falar desse Corinthians regular, taticamente disciplinado, de defesa sólida e precisa, que sabe marcar sem a bola e com ela é fatal? Desse time que não se afoba, que tem paciência, que troca passes, que deixa o adversário brincar com a bola, mas quando desarma é eficiente, que finaliza menos, mas acerta mais a meta adversária? O que falar que já não tenha sido dito pelos comentaristas e até por técnicos rivais? 
Que joga feio e que é retranqueiro? Que não fica com a bola? 
O que adianta ficar com a bola e não saber o que fazer com ela como tem ocorrido com nossos adversários? O importante é ser eficaz e eficiente, sabendo aproveitar as oportunidades e isso o Corinthians já mostrou ser capaz.
Jogo feio com tantas canetas e chapéus? Com gols reconhecidos como pinturas?
Retranqueiro ou eficiente sem a bola, com marcação precisa e segura? 
E quando tem a bola no pé, sabe o que fazer com ela e, por isso, ainda não perdeu no Brasileirão. E não perde há 34 jogos na temporada. E é líder invicto no Brasileirão e campeão do primeiro turno com  47 pontos. 
Gols
No último jogo ficou patente a força do jogo coletivo e a superioridade tática do Timão. E quando o conjunto vai bem, as individualidades aparecem e o talento dos jogadores evidencia-se na troca de passes, nos dribles, nos desarmes, no jogo quase sem falta (apenas duas) e nos gols. E assim aconteceu para fechar o turno com chave de ouro. Sei que ainda não tem nada ganho, mas se o time mantiver a pegada, a humildade, a concentração e a determinação é um sério candidato ao título. 
Em Itaquera, o Timão engoliu o Leão, vencendo a partida por 3 a 1, com gols do Guilherme Arana, Rodriguinho e Pedro Henrique. Thalisson fez o gol de honra do Sport. 
Clayson, com mais ritmo de jogo, foi um dos melhores em campo e mostrou já haver entendido o que se espera de um jogador do Corinthians. Rodriguinho, não só pelo belíssimo gol, também merece destaque, bem como Fagner, Arana e Pedro Henrique. 
Com o resultado, o Corinthians mantém-se na liderança com 47 pontos, 14 vitórias, 5 empates e 82% de aproveitamento, melhor marca da história dos pontos corridos e 8 pontos à frente do Grêmio, o 2º colocado.  O Sport, com 28 pontos, 8 vitórias, 4 empates, 7 derrotas e 49% de aproveitamento encerra o 1º turno em 6º lugar. 
O Corinthians terá duas semanas sem jogos antes de encarar a equipe do Vitória, no dia 19/08, sábado, às 16:00 horas (de Brasília) na Arena Corinthians em Itaquera, pois a partida contra a Chapecoense, que seria no próximo final de semana, foi reagendada para 23 de agosto. O Sport receberá a Ponte Preta, no próximo domingo, 13/08, às 16:00 horas (de Brasília), na Ilha do Retiro. 

Créditos e fontes de imagens e vídeo 
globoesporte.globo.com-Fernando Dantas/Gazeta Press 
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com-Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com 
youtube.com/Futebol no Rádio-Radio Bandeirantes (narração:Ulisses Costa) 

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Depenando o Galo

Contrariando os prognósticos de anticorinthianos da imprensa e dos secadores de plantão, o Timão fez um belo jogo em Belo Horizonte e depenou o Galo no Mineirão. Com gols de Jô e de Rodriguinho, com boa marcação, mesmo com desfalques (Pablo, Jadson e Romero) e com jogadores desgastados, (Guilherme Arana e Maycon), o Corinthians manteve o padrão de jogo e voltou para São Paulo com mais três pontos na bagagem, com o artilheiro isolado do Brasileirão, Jô, e manteve a liderança e a invencibilidade no campeonato. 
Com o predomínio do jogo coletivo, efetiva troca de passes e organização tática, o Corinthians teve uma vitória sem sustos, enquanto o Galo Mineiro, tendo maior posse de bola (58%) não sabia o que fazer com ela e, mesmo finalizando mais, quinze finalizações contra 12 do Timão, não conseguiu vazar a melhor defesa do Brasileirão. 
Gols
Embora tenha predominado o jogo coletivo, merecem destaque as boas atuações do Jô, Fagner, Rodriguinho, Clayson, Balbuena, Maycon e Cássio, que completou 300 jogos no Timão. Infelizmente, Giovanni Augusto, novamente, não aproveitou sua oportunidade. 
Com o resultado, o Corinthians, com a invencibilidade de 33 jogos na temporada, mantém-se na liderança do campeonato com 44 pontos, (oito a mais do vice líder Grêmio), 13 vitórias, 5 empates e 81% de aproveitamento, e o Atlético-MG, com 23 pontos, 6 vitórias, 5 empates, 7 derrotas e 43% de aproveitamento ocupa o 11º lugar na tabela de classificação. 
Na próxima rodada, o Corinthians enfrentará a equipe do Sport, às 19:00 horas (de Brasília) neste sábado, 05/08, na Arena Corinthians em Itaquera. Para o jogo, já foram vendidos 35500 ingressos. O Atlético-MG enfrentará o Grêmio, no domingo, 06/08, às 16:00 horas (de Brasília), em Porto Alegre. 

Créditos e fontes de imagens e vídeo 
facebook.com/FanatiCorinthians-globoesporte.globo.com-twitter.com/@brunocassucci 
Cristiane Matos/Futura Press/globoesporte.globo.com-Pedro Vale/Estadão/globoesporte.globo.com 
youtube.com/Futebol no Rádio-Ulisses Costa-Rádio Bandeirantes 

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Corinthians 1 X 1 Flamengo/Arbitragem - Apito inimigo

Assalto à mão armada. E a arma não era um revólver e sim uma bandeira na mão de um árbitro incompetente e/ou de má fé, referendado pelo árbitro principal. Isso é revoltante, porque não foi a primeira vez que ocorreu, interferindo diretamente nos resultados dos jogos em que temos sido prejudicados. A CBF precisa urgentemente melhorar, técnica e moralmente, seu quadro de árbitros. Não dá para aceitar que no último jogo o problema foi de visão, pois mais de três metros atrás da linha da bola é uma distância considerável. O problema não é da alçada do oftalmologista, mas de preparo técnico e/ou ético. 
Quanto ao jogo, vimos dois tempos diferentes, o primeiro dominado pelo Corinthians e o segundo pelo Flamengo. Com domínio total do jogo, Jô marcou duas vezes, mas só um gol foi validado. Na etapa final, as mudanças promovidas pelo adversário foram efetivas, obrigando nossa defesa trabalhar. A substituição por contusão do Marquinhos Gabriel por Giovanni Augusto, que não foi bem, contribuiu decisivamente pela queda do rendimento corinthiano. E o time carioca conseguiu empatar a partida. 
Merecem destaque as atuações do Jô, o melhor em campo, do Balbuena, do Fagner, do Guilherme Arana e do Cássio. O destaque negativo foi a atuação do Giovanni Augusto, que sentiu muito a falta de ritmo de jogo. 
Infelizmente, a atuação da arbitragem influiu no resultado do jogo, pois de dois gols marcados, somente um foi validado. Mas os desfalques, antes e durante o jogo, também foram decisivos na queda do rendimento do time. 
Com o resultado, o Corinthians se mantém na liderança da tabela, com 41 pontos, 12 vitórias, 5 empates, 80% de aproveitamento e conquistou, antecipadamente, o primeiro turno do Brasileirão, pois com o empate entre Grêmio e Santos, não pode mais ser alcançado pelos adversários. O Flamengo, com 29 pontos, 7 vitórias, 8 empates, duas derrotas e 57% de aproveitamento ocupa o 5º lugar no campeonato. 
Na próxima rodada, o Corinthians enfrentará o Atlético-MG, na quarta-feira, 02/08, às 21:00 horas (de Brasília), no Mineirão, e o Flamengo, no mesmo dia, enfrentará o Santos, no estádio do Pacaembu, às 21:45 horas (de Brasília). 

Créditos e fontes de imagens 
globoesporte.globo.com-blogmiltonneves.bol.uol.com.br-Twitter.com/@brunocassucci