terça-feira, 15 de agosto de 2017

Síndrome de abstinência

Tão cinzento quanto o clima, assim está meu coração. E tudo pela ausência do meu Timão. Duas semanas sem jogo é triste demais para qualquer torcedor apaixonado. Sei que essa inter temporada forçada foi bom para o time recuperar jogadores desgastados, repor energias, descansar e treinar novas estratégias. E isso consola em parte meu coração agoniado de saudades. Procuro compensar essa falta que o Corinthians me faz acompanhando os treinos e, de site em site, busco informações capazes de amenizar a saudades do Coringão. 
Conto as horas e os minutos que faltam para o próximo jogo. Tento ser paciente, mas maior que a paciência é essa tremenda crise de abstinência que invade todo o meu ser e que, nesses últimos dias, roubou minha alegria. Porque nada me faz mais feliz que ver meu time em campo, que torcer pela sua vitória, que vibrar por suas belas jogadas e pelos seus gols. Sem isso, sinto um vazio dentro de mim, um vazio que só será preenchido quando em campo, reencontrar o meu Timão. 
VOLTA CORINTHIANS!!!


Créditos e fontes de imagens 
cpt.com.br-Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com 

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Valorizando a base

Quem acha que o Corinthians não revelava jogadores se enganou. William, Marquinhos, Weverton, Malcom, Marcelo Oliveira, Nilton, Danilo Fernandes, Everton Ribeiro, bem como Fagner e Jô, que voltaram a jogar no Corinthians, são alguns exemplos de atletas formados em nossa base. O que acontecia é que o Timão revelava jogadores, mas pouco utilizava. Embalados pelo sonho europeu e pela ganância de empresários, do desinteresse do clube e da preferência dos técnicos trabalharem com jogadores já formados, os jovens e promissores atletas acabavam vendidos precocemente. Os que tinham talento brilhavam, enriqueciam seus empresários e sobravam algumas migalhas para o Corinthians como time formador. Os menos talentosos, que migraram seduzidos pelas falsas promessas dos empresários, de empréstimos a empréstimos, acabavam atuando em times menos expressivos no exterior ou no Brasil.
Com pouco interesse e/ou vontade de lapidar as jóias reveladas em nossa base, perdemos talentos promissores e dinheiro, para alegria e felicidade dos empresários dos jovens formados no Terrão. 
Felizmente, a situação mudou, mais por necessidade que por vontade própria da diretoria, confirmando o ditado popular que "há males que vêm para o bem", e temos hoje a oportunidade de usufruir do trabalho daqueles que se empenharam em formar os atletas da nossa base. Valorizados pela comissão técnica, temos jovens titulares absolutos, jovens reservas, que quando entram dão conta do que lhe foi pedido, e outros que estão sendo burilados para o próximo ano. Por falta de dinheiro em caixa, encontrou-se em casa a solução para diferentes posições. Enquanto muitos gastaram milhões, sem o mesmo retorno, vemos os garotos brilhando e sendo cobiçados por times europeus. Só espero que nossa diretoria tenha juízo e não mate a galinha dos ovos de ouro como fez em passado recente, vendendo os jovens por merreca e gastando muita grana com jogadores que pouco produziram. 
Espero também que a torcida tenha paciência com os garotos que vieram da base, entendendo que alguns ainda não estão prontos, que entram nas partidas ainda sem ritmo de jogo e que falhas podem ocorrer. Que não sejam crucificados por seu erros eventuais e que possamos dar-lhes o tempo necessário para o seu amadurecimento e adaptação no time profissional. 
Alguns já são uma realidade - Pedro Henrique, Guilherme Arana, Léo Príncipe, Marciel e Maycon - outros promissoras promessas - Matheus Vidotto, Caique França, Léo Santos, Mantuan, Warian, Rodrigo Figueiredo, Pedrinho e Carlinhos. Mas todos são motivo de esperança na valorização e na continuidade de um trabalho bem feito e na possibilidade do Corinthians não só revelar, mas saber aproveitar e usufruir dos frutos do trabalho realizado. 

Crédito e fonte de imagem 
twitter.com/@SporTV 

domingo, 6 de agosto de 2017

Matando o Leão

O Leão da Ilha chegou urrando e garantindo que iria tirar a invencibilidade do Timão, mas na realidade, o Leão foi apenas um gatinho assustado diante de um Corinthians compacto e organizado. O que falar desse Corinthians regular, taticamente disciplinado, de defesa sólida e precisa, que sabe marcar sem a bola e com ela é fatal? Desse time que não se afoba, que tem paciência, que troca passes, que deixa o adversário brincar com a bola, mas quando desarma é eficiente, que finaliza menos, mas acerta mais a meta adversária? O que falar que já não tenha sido dito pelos comentaristas e até por técnicos rivais? 
Que joga feio e que é retranqueiro? Que não fica com a bola? 
O que adianta ficar com a bola e não saber o que fazer com ela como tem ocorrido com nossos adversários? O importante é ser eficaz e eficiente, sabendo aproveitar as oportunidades e isso o Corinthians já mostrou ser capaz.
Jogo feio com tantas canetas e chapéus? Com gols reconhecidos como pinturas?
Retranqueiro ou eficiente sem a bola, com marcação precisa e segura? 
E quando tem a bola no pé, sabe o que fazer com ela e, por isso, ainda não perdeu no Brasileirão. E não perde há 34 jogos na temporada. E é líder invicto no Brasileirão e campeão do primeiro turno com  47 pontos. 
Gols
No último jogo ficou patente a força do jogo coletivo e a superioridade tática do Timão. E quando o conjunto vai bem, as individualidades aparecem e o talento dos jogadores evidencia-se na troca de passes, nos dribles, nos desarmes, no jogo quase sem falta (apenas duas) e nos gols. E assim aconteceu para fechar o turno com chave de ouro. Sei que ainda não tem nada ganho, mas se o time mantiver a pegada, a humildade, a concentração e a determinação é um sério candidato ao título. 
Em Itaquera, o Timão engoliu o Leão, vencendo a partida por 3 a 1, com gols do Guilherme Arana, Rodriguinho e Pedro Henrique. Thalisson fez o gol de honra do Sport. 
Clayson, com mais ritmo de jogo, foi um dos melhores em campo e mostrou já haver entendido o que se espera de um jogador do Corinthians. Rodriguinho, não só pelo belíssimo gol, também merece destaque, bem como Fagner, Arana e Pedro Henrique. 
Com o resultado, o Corinthians mantém-se na liderança com 47 pontos, 14 vitórias, 5 empates e 82% de aproveitamento, melhor marca da história dos pontos corridos e 8 pontos à frente do Grêmio, o 2º colocado.  O Sport, com 28 pontos, 8 vitórias, 4 empates, 7 derrotas e 49% de aproveitamento encerra o 1º turno em 6º lugar. 
O Corinthians terá duas semanas sem jogos antes de encarar a equipe do Vitória, no dia 19/08, sábado, às 16:00 horas (de Brasília) na Arena Corinthians em Itaquera, pois a partida contra a Chapecoense, que seria no próximo final de semana, foi reagendada para 23 de agosto. O Sport receberá a Ponte Preta, no próximo domingo, 13/08, às 16:00 horas (de Brasília), na Ilha do Retiro. 

Créditos e fontes de imagens e vídeo 
globoesporte.globo.com-Fernando Dantas/Gazeta Press 
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com-Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com 
youtube.com/Futebol no Rádio-Radio Bandeirantes (narração:Ulisses Costa) 

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Depenando o Galo

Contrariando os prognósticos de anticorinthianos da imprensa e dos secadores de plantão, o Timão fez um belo jogo em Belo Horizonte e depenou o Galo no Mineirão. Com gols de Jô e de Rodriguinho, com boa marcação, mesmo com desfalques (Pablo, Jadson e Romero) e com jogadores desgastados, (Guilherme Arana e Maycon), o Corinthians manteve o padrão de jogo e voltou para São Paulo com mais três pontos na bagagem, com o artilheiro isolado do Brasileirão, Jô, e manteve a liderança e a invencibilidade no campeonato. 
Com o predomínio do jogo coletivo, efetiva troca de passes e organização tática, o Corinthians teve uma vitória sem sustos, enquanto o Galo Mineiro, tendo maior posse de bola (58%) não sabia o que fazer com ela e, mesmo finalizando mais, quinze finalizações contra 12 do Timão, não conseguiu vazar a melhor defesa do Brasileirão. 
Gols
Embora tenha predominado o jogo coletivo, merecem destaque as boas atuações do Jô, Fagner, Rodriguinho, Clayson, Balbuena, Maycon e Cássio, que completou 300 jogos no Timão. Infelizmente, Giovanni Augusto, novamente, não aproveitou sua oportunidade. 
Com o resultado, o Corinthians, com a invencibilidade de 33 jogos na temporada, mantém-se na liderança do campeonato com 44 pontos, (oito a mais do vice líder Grêmio), 13 vitórias, 5 empates e 81% de aproveitamento, e o Atlético-MG, com 23 pontos, 6 vitórias, 5 empates, 7 derrotas e 43% de aproveitamento ocupa o 11º lugar na tabela de classificação. 
Na próxima rodada, o Corinthians enfrentará a equipe do Sport, às 19:00 horas (de Brasília) neste sábado, 05/08, na Arena Corinthians em Itaquera. Para o jogo, já foram vendidos 35500 ingressos. O Atlético-MG enfrentará o Grêmio, no domingo, 06/08, às 16:00 horas (de Brasília), em Porto Alegre. 

Créditos e fontes de imagens e vídeo 
facebook.com/FanatiCorinthians-globoesporte.globo.com-twitter.com/@brunocassucci 
Cristiane Matos/Futura Press/globoesporte.globo.com-Pedro Vale/Estadão/globoesporte.globo.com 
youtube.com/Futebol no Rádio-Ulisses Costa-Rádio Bandeirantes 

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Corinthians 1 X 1 Flamengo/Arbitragem - Apito inimigo

Assalto à mão armada. E a arma não era um revólver e sim uma bandeira na mão de um árbitro incompetente e/ou de má fé, referendado pelo árbitro principal. Isso é revoltante, porque não foi a primeira vez que ocorreu, interferindo diretamente nos resultados dos jogos em que temos sido prejudicados. A CBF precisa urgentemente melhorar, técnica e moralmente, seu quadro de árbitros. Não dá para aceitar que no último jogo o problema foi de visão, pois mais de três metros atrás da linha da bola é uma distância considerável. O problema não é da alçada do oftalmologista, mas de preparo técnico e/ou ético. 
Quanto ao jogo, vimos dois tempos diferentes, o primeiro dominado pelo Corinthians e o segundo pelo Flamengo. Com domínio total do jogo, Jô marcou duas vezes, mas só um gol foi validado. Na etapa final, as mudanças promovidas pelo adversário foram efetivas, obrigando nossa defesa trabalhar. A substituição por contusão do Marquinhos Gabriel por Giovanni Augusto, que não foi bem, contribuiu decisivamente pela queda do rendimento corinthiano. E o time carioca conseguiu empatar a partida. 
Merecem destaque as atuações do Jô, o melhor em campo, do Balbuena, do Fagner, do Guilherme Arana e do Cássio. O destaque negativo foi a atuação do Giovanni Augusto, que sentiu muito a falta de ritmo de jogo. 
Infelizmente, a atuação da arbitragem influiu no resultado do jogo, pois de dois gols marcados, somente um foi validado. Mas os desfalques, antes e durante o jogo, também foram decisivos na queda do rendimento do time. 
Com o resultado, o Corinthians se mantém na liderança da tabela, com 41 pontos, 12 vitórias, 5 empates, 80% de aproveitamento e conquistou, antecipadamente, o primeiro turno do Brasileirão, pois com o empate entre Grêmio e Santos, não pode mais ser alcançado pelos adversários. O Flamengo, com 29 pontos, 7 vitórias, 8 empates, duas derrotas e 57% de aproveitamento ocupa o 5º lugar no campeonato. 
Na próxima rodada, o Corinthians enfrentará o Atlético-MG, na quarta-feira, 02/08, às 21:00 horas (de Brasília), no Mineirão, e o Flamengo, no mesmo dia, enfrentará o Santos, no estádio do Pacaembu, às 21:45 horas (de Brasília). 

Créditos e fontes de imagens 
globoesporte.globo.com-blogmiltonneves.bol.uol.com.br-Twitter.com/@brunocassucci