segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Tite será o fantasma do Tite?

Depois de não conseguir manter o mesmo padrão de jogo de 2012 e ter que lutar até quase o final do campeonato Brasileiro contra a ameaça do rebaixamento, de ter desagradado parte da torcida e da diretoria corinthiana, Tite não teve seu contrato renovado e Mano Menezes foi recontratado para o ano de 2014.
Com o time campeão de quase tudo desmotivado e com todos, inclusive boa parte da torcida, dormindo sobre os louros das conquistas passadas, o Corinthians de 2013, apesar de vencer o Paulista e a Recopa, terminou o ano melancolicamente. Tite e seus jogadores, ainda deslumbrados, permaneciam unidos e, tal qual num pacto de lealdade absoluta, nada faziam para mudar a situação. Imexíveis no time, pelo ME RE CI MEN TO pelas conquistas de outrora, os medalhões não saiam do time, mesmo apresentando u'a má performance e, quando criticados, defendiam-se declarando em entrevistas que o time era campeão da Libertadores e do Mundial. Com raríssimas exceções, o time se acomodou e o futebol empacou, chegando ao ponto de até os mais TITEtes da diretoria concordarem ser necessário uma limpa e uma renovação no elenco, o que não seria possível com o técnico eternamente grato àqueles que foram responsáveis por seus maiores títulos. E assim aconteceu a substituição no comando técnico do Timão. Saiu Tite e entrou Mano Menezes.
Mano Menezes, que veio com a missão de fazer a limpa, de renovar o elenco e de remontar o time. Missão que foi parcialmente cumprida com a ajudinha da "invasão" do CT Dr Joaquim Grava por torcedores e pelas trapalhadas da diretoria que resolveu se livrar de jogadores pagando para eles reforçarem times rivais e deixando de repor peças importantes, principalmente no setor ofensivo. O novo-velho técnico sofreu para cumprir sua tarefa, não conseguiu nenhum título, foi eliminado do Paulista e da Copa do Brasil, nem sempre teve a colaboração dos jogadores, que em vários momentos atuaram de maneira displicente, em determinadas ocasiões teve seu elenco desfalcado por convocações de seleções e/ou por suspensões, bem como por contratações que não vingaram. Obviamente, teve sua parcela de responsabilidade, pela utilização de um esquema tático muitas vezes confuso, outras inadequado, por recuar o time no perigoso placar de 1 a 0, por pedir jogadores que não justificaram sua contratação e pelas más escalações e substituições. Mas, também foi prejudicado, e muito, pelo fantasma do treinador anterior, pois a cada mau resultado era comparado com o antigo treinador, não com o Tite que perdeu o controle do time que degringolou em 2013, mas com o Tite do time vencedor e campeão de 2012. Mesmo tendo obtido maior pontuação que o time de 2013 e tendo conseguido colocar o Corinthians na repescagem da Libertadores, ops... Pré Libertadores, com um time em formação, Mano Menezes saiu pela porta dos fundos, enxotado por parte da torcida. Por essa mesma torcida que critica a derrota de 5 a 2 para o Fluminense mas se esquece do Portuguesa 4 X 0 Corinthians em 2013.
Se Mano deveria sair, mesmo sem concluir o trabalho de renovação que iniciou, será que Tite seria o melhor nome para substituí-lo? 
Será que o Tite que volta será o mesmo retranqueiro que jogava por uma bola, geralmente o Paulinho chegando ao ataque de surpresa e fazendo o gol ou dando o passe pro atacante? E que quando perdeu o Paulinho para o Tottenham, quem ficou perdido foi o time do Corinthians? Ou será que seus estudos e estágios trazem um renovado treinador menos medroso e mais ofensivo? 
Será que volta o técnico paternalista e até certo ponto paneleiro, ou teremos um Tite mais objetivo e profissional, mais comprometido e mais fiel ao time que aos jogadores? 
Será que teremos o Tite que nos trouxe o Guerrero ou o Tite que liberou o Marquinhos e trouxe o Felipe, o Ibson e o Maldonado?
Será que teremos um Tite que prefere trabalhar com jogadores prontos e que não aproveita a base, ou um Tite que assuma o trabalho de dar continuidade à formação de jovens oriundos da base e consiga montar uma equipe mesclada, aliando a experiência e a juventude?
E a torcida que Tite espera? O vencedor de 2012 ou o treinador que quase nos rebaixou em 2013? E se o sucesso não vier de imediato, se sucumbirmos na repescagem do torneio continental, se formos eliminados no Paulista, como se comportará a nova torcida de Libertadores e de Mundial? Tite será execrado ou vai ser escudado pelo Tite de 2012?
Nada garante o sucesso do 2º retorno do treinador. É outro momento, é outro elenco, são outros adversários. Só a expectativa de parte da torcida será a mesma. Mas também, o fantasma que assombrou Mano Menezes será o mesmo. O Tite campeão de quase tudo em 2012 será o parâmetro, a referência, a medida pelo qual o desempenho do Tite 2015 será medido. E se os resultados não vierem, poderemos ter a situação esdrúxula do Tite assombrando o Tite. 
Um fantasma assombrou o Corinthians em 2014. E o mesmo fantasma poderá continuar assombrado em 2015. 
Não sou admiradora do Tite, como nunca fui admiradora do Mano nem de nenhum outro técnico da escola gaúcha de futebol. Mas, já que foi contratado pelo meu time, vou torcer para que acerte, que tenha êxito, pois do seu sucesso dependerá o sucesso do Corinthians. Mas, da mesma forma que vou torcer, vou cobrar trabalho, seriedade, profissionalismo e desempenho, pois ninguém é maior que o Timão e a minha paixão por ele.

Créditos e fontes de imagens
milyunarecetas.blogspot.com
tudotimao.com.br
meutimao.com.br
facebook.com/AQUI É CORINTHIANS/ACN/Áurea Zanoni

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Colhendo o que plantou - Vamos pra repescagem - Ops... Pré Libertadores

 
A última coisa que eu espero de um campeonato é comemorar vaga em outro
(Larissa Beppler)
O Corinthians até que jogou bem, venceu o rebaixado Criciúma por 2 a 1, mas não se livrou da repescagem para a Copa Libertadores. E não adianta xingar o árbitro do jogo do Internacional. Não fizemos a nossa parte, titubeamos diante de times rebaixados, perdemos pontos para os colocados na parte inferior da tabela, recuamos em muitos jogos, fomos displicentes em outros e estamos colhendo o que semeamos. Se o Corinthians fez sua parte no último jogo, não fez durante o ano todo e num campeonato de pontos corridos, os pontos perdidos interferem e são determinantes no resultado final. 
De positivo, a recuperação parcial do time no 2º turno, onde tivemos o melhor desempenho do campeonato, embora a goleada sofrida diante do Fluminense tenha sido decisiva para nos colocar no 4º lugar e tirar a vaga direta na fase de grupos do torneio continental.
Sobre o jogo, apesar de ter errado muitos passes, (49), e ter levado um gol, o Corinthians foi superior ao adversário. Com um time recheado de garotos, com muita energia e vontade, o Criciúma partiu para a correria, mas o Timão fez valer sua superioridade técnica e a experiência de seus jogadores. As jogadas mais perigosas foram sempre do Corinthians, que finalizou 23 vezes contra apenas 6 do Criciúma. Das finalizações alvinegras, duas foram gols, 3 na trave, 5 bloqueadas, 7 defendidas e 6 para fora. Das do adversário, uma foi gol e 5 foram para fora. O placar final poderia ser maior se nossos jogadores tivessem os pés mais calibrados, chutassem mais forte para dificultar as defesas do goleiro e não tivéssemos vacilado nas bolas paradas. Além de desperdiçarmos os escanteios e faltas a nosso favor, levamos mais um gol de bola parada, num vacilo do Fábio Santos e do Cássio.
Nas substituições, Mano Menezes errou ao trocar Malcom por Jadson e acertou ao substituir Petros por Danilo. Malcom movimentou-se bem, fez boas jogadas e era um dos melhores em campo, infernizando a defesa adversária, embora tenha falhado nas finalizações, fundamento que precisa evoluir muito. Jadson não justificou sua presença em campo. Petros, apesar de ter chegado ao ataque e ter feito a jogado do gol do Elias, já tinha cartão e estava muito nervosinho, procurando encrenca. Danilo, com sua tranquilidade, segurança e experiência, segurou mais a bola, melhorou a qualidade do passe e a la Sócrates, deu o passe de calcanhar para o Fábio Santos desempatar a partida. Elias fez um bom primeiro tempo, lembrando o Elias de 2010, apareceu de surpresa na área e abriu o placar, mas caiu de produção no 2º tempo. 
Foi o último jogo do Mano Menezes no Timão, técnico que não foi brilhante, mas que serviu para fazer a limpa do elenco acomodado, que dormindo sobre as conquistas de 2012, teve péssimo desempenho em 2013, inclusive com o time beirando a zona de rebaixamento no campeonato Nacional. Mesmo com a desclassificação precoce no Campeonato Paulista e na Copa do Brasil e apesar da goleada sofrida diante do Fluminense e da típica retranca do futebol gaúcho, o técnico conseguiu acertar o time, que teve o melhor desempenho no 2º turno. Por isso, embora tenha sua parcela de responsabilidade pelo 4º lugar no Brasileirão e pela necessidade de disputar a repescagem do torneio continental, os jogadores também são responsáveis, pois muitos foram displicentes e em alguns jogos atuaram sem raça e sem determinação, subestimando os adversários e achando que ganhariam o jogo na hora que quisessem.
Se o resultado obtido no ano não foi o esperado e esteve muito aquém de nossas expectativas, ele reflete a irregularidade e as contradições do time durante toda a temporada, bem como o mau planejamento para o ano, onde o clube falhou, principalmente por não contratar jogadores para repor posições chaves do elenco. Além disso, pagamos, também o preço da acomodação de alguns jogadores e da pouca qualidade de outros, que não apresentam um mínimo de condições de jogar no Corinthians.
Queiramos ou não, gostemos ou não, disputar a repescagem para o torneio continental, eufemisticamente chamada de Pré Libertadores, foi o que nos restou. Mas, se não reforçarmos o elenco, corremos o risco de passar vergonha e de nem chegarmos à fase de grupos. E, se passarmos, ficar pelo caminho. Precisamos, pelo menos de um zagueiro e de dois atacantes, além de melhores reservas para as laterais. E que o Elias resgate seu bom futebol, que o Jadson seja o Jadson do Paulistão e que o Lodeiro justifique sua contratação. 
Melhores momentos
Gols
Ficha Técnica - Corinthians 2 X 1 Criciúma
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP) 
Data: 6 de dezembro de 2014, sábado
Horário: 16:30 horas
Árbitro: Dewson Fernando de Freitas da Silva – PA (ASP – FIFA)
Árbitro Assistente 1: Cleriston Clay Barreto Rios – SE (FIFA)
Árbitro Assistente 2: Marcio Gleidson Correia Dias – PA (ASP – FIFA)
Quarto Árbitro: Thiago Duarte Peixoto – SP (CBF – 1)
Árbitro Assistente Adicional 1: Antonio Denival de Moraes – PR (CBF – 1)
Árbitro Assistente Adicional 2: Rodolpho Toski Marques – PR (CBF – 1)
Delegado: Márcio Verri Brandão – SP (ASS)
Cartões amarelos: Petros, Elias (Corinthians); Rafael Pereira, Barreto (Criciúma) 
Público: 38.044 pagantes (total de 38.413)
Renda: R$ 2.753.362,50
Gols: Corinthians: Elias, aos 26 minutos do primeiro tempo. Fábio Santos, aos 26 minutos do segundo tempo; Criciúma: Roger Guedes, aos 15 minutos do segundo tempo
Corinthians: Cássio; Fagner, Felipe, Anderson Martins e Fábio Santos; Ralf, Elias (Bruno Henrique), Petros (Danilo) e Renato Augusto; Malcom (Jadson) e Guerrero; Técnico: Mano Menezes
Criciúma: Bruno (Edson); Maicon Silva, Joílson, Iago Maidana e Giovanni; Rafael Pereira, Barreto e Ricardinho (Douglas); Roger Guedes, Gustavo (Gabriel) e Lucca; Técnico: Luizinho Vieira

Créditos e fontes de imagens e vídeos
facebook.com/Cris Girao
globoesporte.globo.com
Daniel Augusto Júnior/corinthians.com.br
Daniel Augusto Júnior/corinthians.com.br
Daniel Augusto Júnior/corinthians.com.br
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.net
twitter.com/@blogdosilvinho
globo.com/youtube.com
sportv.globo.com/youtube.com

sábado, 6 de dezembro de 2014

Corinthians X Criciúma

 
Pela 38ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians enfrentará o rebaixado Criciúma, neste sábado, dia 06/12, às 16:30 horas, na Arena Corinthians, em Itaquera. Já classificado para a repescagem da Copa Libertadores, eufemisticamente chamada de Pré Libertadores, o Timão só terá a chance da classificação direta se vencer o Criciúma e o Internacional, que no mesmo horário jogará com o Figueirense, perder o jogo. Com o mesmo número de pontos do time gaúcho, (66), mas com três vitórias a menos, não basta vencer para melhorar a classificação. Se permanecer em quarto terá que assegurar a vaga na fase de grupos vencendo um adversário colombiano em um mata-mata. 
Ficha Técnica - Corinthians x Criciúma
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 6 de dezembro
Hora: 16:30 horas (horário de Brasília)
Árbitro: Dewson Fernando de Freitas da Silva – PA (ASP – FIFA)
Árbitro Assistente 1: Cleriston Clay Barreto Rios – SE (FIFA)
Árbitro Assistente 2: Marcio Gleidson Correia Dias – PA (ASP – FIFA)
Quarto Árbitro: Thiago Duarte Peixoto – SP (CBF – 1)
Árbitro Assistente Adicional 1: Antonio Denival de Moraes – PR (CBF – 1)
Árbitro Assistente Adicional 2: Rodolpho Toski Marques – PR (CBF – 1)
Delegado: Márcio Verri Brandão – SP (ASS)
Corinthians: Cássio, Fagner, Felipe, Anderson Martins e Fábio Santos; Ralf, Elias, Petros e Renato Augusto; Malcom e Guerrero; Técnico: Mano Menezes.
Criciúma: Bruno, Mailcon Silva, Iago Maidana, Joílson e Giovanni; Rafael Pereira, Barreto e Ricardinho; Gustavo, Roger Guedes e Lucca; Técnico: Luizinho Vieira
No Corinthians também foram relacionados os goleiros Walter e Danilo Fernandes, os laterais Uendel, Ferrugem e Guilherme Arana, o zagueiro Pedro Henrique, o volante Bruno Henrique, os meias Jadson, Danilo e Lodeiro e os atacantes Romero e Gustavo Tocantins.
Estão fora, no Corinthians, Gil, suspenso, e Luciano, com amigdalite; e no Criciúma, Cléber Santana, João Vitor e Fábio Ferreira, suspensos, o goleiro Luiz, o zagueiro Heitor, o lateral direito Eduardo, o volante Maylson e o atacante Silvinho, lesionados.
No Corinthians, a única novidade é a volta de Anderson Martins, que formará a dupla de zaga com Felipe.
Enquanto para o Corinthians o jogo possa ter um caráter decisivo, desde que o Figueirense derrote o Internacional, no Criciúma, o técnico interino Luizinho Vieira aproveitará o jogo para testar jogadores promovidos de sua categoria de base e para avaliar quem deve permanecer no elenco.
A previsão é de estádio cheio, pois até 6ª feira já foram vendidos 35 mil ingressos e a expectativa é de uma vitória sem sustos e sem sofrimento. E que o Figueirense repita a boa ação do Bahia na rodada anterior.

Créditos e fontes de imagens
meutimao.com.br
corinthians.com.br
Diego Ribeiro/globoesporte.globo.com
Daniel Augusto Júnior/Agência Corinthians/globoesporte.globo.com
facebook.com/Corinthians Amor Eterno

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Apagão geral - Chiliques - "Classificação" pela porta dos fundos

 
O que dizer do jogo contra o Fluminense? Acidente de percurso? Fora dos padrões? Culpa da arbitragem? 
Se foi acidente de percurso, foi o 3º do ano, pois fomos goleados pelo Santos no Paulistão, pelo Atlético Mineiro na Copa do Brasil e agora pelo Fluminense no Brasileirão. Uma goleada para cada campeonato, eis o legado de uma administração incompetente e omissa, de um técnico retranqueiro, medroso e chiliquento e de jogadores displicentes e descomprometidos com a camisa que vestem, (muitos) e sem condições técnicas de atuarem no Timão. Com algumas exceções, não merecem vestir essa camisa, de tantas honras e tradições.
Fora dos padrões? Nem tanto, pois fomos goleados nos três campeonatos que disputamos, goleamos apenas o Linense e o Goiás, empatamos e perdemos de times rebaixados e que estavam na parte inferior da tabela de classificação, fomos eliminados nos dois campeonatos mata mata, Paulistão e Copa do Brasil, e estamos entrando na Copa Libertadores pela porta dos fundos.
Culpa da arbitragem? Em parte sim. A arbitragem brasileira é péssima e muitos árbitros são tendenciosos. O árbitro errou muito e para um lado só, o que nos leva a suspeitar de sua conduta. Mas se a arbitragem foi péssima, o desempenho do Corinthians foi muito pior. Pra levar uma virada do time que tomou 4 gols do Chapecoense, só com uma atuação pífia.
Após abrir o placar o time recuou. Tentou administrar o perigoso resultado de 1 a 0 e administrou mal. O técnico não conseguiu fazer a leitura do jogo e tomou outro nó tático. Fomos desatentos, atuamos desconcentrados, erramos muitos passes e finalizações, a defesa vacilou na marcação, fizemos gol contra, erramos a cobrança de pênalti, além de outras lambanças. No meio campo só Renato Augusto, apesar de errar muitos passes, (sete), e depois Danilo, tiveram um desempenho razoável, e no ataque, faltou precisão nas finalizações. Mas faltou, principalmente, equilíbrio emocional. O time foi afobado, fez faltas bobas e desnecessárias, que o juiz transformou em pênaltis, permitiu que o adversário levantasse muitas bolas na área, sua principal jogada, e mais reclamou que jogou. Mano Menezes, nervosinho e desequilibrado como sempre, ao invés de acertar o time  em campo, preferiu reclamar da arbitragem e arrumar confusão. Tanto fez que acabou expulso, mas não sem antes orientar seu auxiliar técnico para tirar um dos melhores do time, o que mais procurava o jogo e ajudava na armação, para colocar o atrapalhado Luciano, o talismã fake. Obviamente, um técnico desequilibrado reflete seu desequilíbrio em todos os seus comandados, acarretando o desequilíbrio dos jogadores em campo.
O Fluminense, que não tinha nada a ver com o descontrole tático e emocional dos corinthianos, aproveitou bem a situação e jogou em cima dos nossos erros, explorando o transito livre da Avenida Fábio Santos e alçando bolas na área, além de ser efetivo nas bolas paradas. Cristóvão Borges, ao contrário do Mano Menezes, conseguiu fazer a leitura certa da partida, acertou nas substituições e virou o jogo.
Ao Timão só restou o chororó e torcer para que o Bahia vencesse o Grêmio, o que aconteceu. Acredito que Ogum, (São Jorge), deu uma forcinha para o time baiano. E assim, na bacia das almas e pela porta dos fundos, o Corinthians se garantiu na repescagem do torneio continental, eufemisticamente chamado de Pré Libertadores. Para a vaga direta, precisa ganhar do Criciúma e secar o time do DVD. Já não mais dependemos só de nós.
Faltando apenas um jogo para encerrar o Campeonato Brasileiro, minha sensação é de alívio e de frustração. Alívio pelo término de um ano desperdiçado, onde o desempenho do Corinthians esteve muito aquém da sua grandeza, da sua história e de suas tradições. E de frustração pelos erros cometidos por uma diretoria omissa e incompetente, que foi incapaz de fazer um planejamento decente, que contratou mal, que paga para nossos jogadores reforçarem times rivais ou curtir seu iate, que mantém jogadores sem um mínimo de condições de atuar no time, alguns, verdadeiros perebas, outro, tecnicamente aposentado, mas de contrato renovado, outros, displicentes e descompromissados, que recontratou um técnico retranqueiro, chiliquento e medroso. Frustração pelo descaso de uma gestão desastrosa e inábil que dormiu sobre os louros da vitória de um time herdado da gestão anterior, mas foi incapaz de manter o mesmo padrão vencedor.
Que venha 2015 com uma nova gestão, com um novo técnico, com uma reformulação do elenco e com mais compromisso e com mais respeito ao Sport Club Corinthians Paulista. Que se separe o joio do trigo, que queime o joio e transforme o trigo no alimento da alma da Nação Corinthiana. E que o Corinthians volte a ser Corinthians.
Melhores momentos
Ficha Técnica - Fluminense 5 X 2 Corinthians
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 30 de novembro de 2014, domingo
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio – GO (FIFA)
Árbitro Assistente 1: Fabrício Vilarinho da Silva – GO (FIFA)
Árbitro Assistente 2: Cristhian Passos Sorence – GO (ESP-2)
Quarto Árbitro: Pathrice Wallace Corra Maia – RJ (CBF-2)
Árbitro Assistente Adicional 1: Edivaldo Elias da Silva – PR (CBF-1)
Árbitro Assistente Adicional 2: Arnoldo Vasconcelos Figarela – RO (CBF-2)
Delegado: José Alexandre Barbosa Lima – BRA (ASS)
Público: 16.509 pagantes
Renda: R$ 496.155,00
Cartões amarelos: Carlinhos (Fluminense); Gil, Renato Augusto, Fábio Santos e Guerrero (Corinthians)
Cartão vermelho: Marlon (Fluminense)
Gols: Fluminense: Ralf (contra), aos 39 minutos do primeiro tempo, Edson, aos 12 minutos do segundo tempo, Fred, aos 19 e aos 25 minutos do segundo tempo, e Conca, aos 46 minutos do segundo tempo; Corinthians: Guerrero, aos quatro minutos do primeiro tempo, e Danilo, aos 38 minutos do segundo tempo
Fluminense: Diego Cavalieri, Edson, Guilherme Mattis, Marlon e Carlinhos; Valencia, Diguinho, Wagner (Gustavo Scarpa) e Conca; Rafael Sobis (Kenedy) e Fred (Walter); Técnico: Cristóvão Borges
Corinthians: Cássio; Fagner, Felipe, Gil (Danilo) e Fábio Santos; Ralf, Elias (Jadson), Petros e Renato Augusto; Malcom (Luciano) e Guerrero; Técnico: Mano Menezes

Estatísticas
Faltas
  • Fluminense: 16
Mais faltosos: Marlon, 4 e Valência, 3
  • Corinthians: 13
Mais faltosos: Gil e Petros, 3

Passes errados
  • Fluminense: 32
Mais erraram: Edson, 7; Rafael Sobis e Guilherme Mattis, 4
  • Corinthians: 35
Mais erraram: Renato Augusto, 7; Elias, Petros e Fagner, 5; Fábio Santos, 4

Roubadas de bola
  • Fluminense: 13
Maiores ladrões: Edson, 3; Diguinho e Guilherme Mattis, 2
  • Corinthians: 9
Maiores ladrões: Ralf, 3

Finalizações
  • Fluminense: 12
Gols: 4
Defendida: 1
Bloqueadas: 4
Fora: 3
Maiores finalizadores: Conca, 1 gol, 3 bloqueadas e uma fora; Fred, 2 gols, uma fora
  • Corinthians: 19
Gols: 2
Defendidas: 9
Bloqueadas: 3
Fora: 5
Maiores finalizadores: Guerrero, 5 (1 gol, uma defendida, uma bloqueada e duas fora); Malcom, duas defendidas e uma bloqueada

Gols
  • Fluminense: 5
Fred: 2
Edson: 1
Conca: 1
Ralf: 1
  • Corinthians: 2
Guerrero: 1
Danilo:1

Impedimentos
  • Fluminense: 1
  • Corinthians: 1


Créditos e fonte de imagens e vídeo
meutimao.com.br
meutimao.com.br
bloguedoesporto.com
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
globo.com