terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Apagão geral - Chiliques - "Classificação" pela porta dos fundos

 
O que dizer do jogo contra o Fluminense? Acidente de percurso? Fora dos padrões? Culpa da arbitragem? 
Se foi acidente de percurso, foi o 3º do ano, pois fomos goleados pelo Santos no Paulistão, pelo Atlético Mineiro na Copa do Brasil e agora pelo Fluminense no Brasileirão. Uma goleada para cada campeonato, eis o legado de uma administração incompetente e omissa, de um técnico retranqueiro, medroso e chiliquento e de jogadores displicentes e descomprometidos com a camisa que vestem, (muitos) e sem condições técnicas de atuarem no Timão. Com algumas exceções, não merecem vestir essa camisa, de tantas honras e tradições.
Fora dos padrões? Nem tanto, pois fomos goleados nos três campeonatos que disputamos, goleamos apenas o Linense e o Goiás, empatamos e perdemos de times rebaixados e que estavam na parte inferior da tabela de classificação, fomos eliminados nos dois campeonatos mata mata, Paulistão e Copa do Brasil, e estamos entrando na Copa Libertadores pela porta dos fundos.
Culpa da arbitragem? Em parte sim. A arbitragem brasileira é péssima e muitos árbitros são tendenciosos. O árbitro errou muito e para um lado só, o que nos leva a suspeitar de sua conduta. Mas se a arbitragem foi péssima, o desempenho do Corinthians foi muito pior. Pra levar uma virada do time que tomou 4 gols do Chapecoense, só com uma atuação pífia.
Após abrir o placar o time recuou. Tentou administrar o perigoso resultado de 1 a 0 e administrou mal. O técnico não conseguiu fazer a leitura do jogo e tomou outro nó tático. Fomos desatentos, atuamos desconcentrados, erramos muitos passes e finalizações, a defesa vacilou na marcação, fizemos gol contra, erramos a cobrança de pênalti, além de outras lambanças. No meio campo só Renato Augusto, apesar de errar muitos passes, (sete), e depois Danilo, tiveram um desempenho razoável, e no ataque, faltou precisão nas finalizações. Mas faltou, principalmente, equilíbrio emocional. O time foi afobado, fez faltas bobas e desnecessárias, que o juiz transformou em pênaltis, permitiu que o adversário levantasse muitas bolas na área, sua principal jogada, e mais reclamou que jogou. Mano Menezes, nervosinho e desequilibrado como sempre, ao invés de acertar o time  em campo, preferiu reclamar da arbitragem e arrumar confusão. Tanto fez que acabou expulso, mas não sem antes orientar seu auxiliar técnico para tirar um dos melhores do time, o que mais procurava o jogo e ajudava na armação, para colocar o atrapalhado Luciano, o talismã fake. Obviamente, um técnico desequilibrado reflete seu desequilíbrio em todos os seus comandados, acarretando o desequilíbrio dos jogadores em campo.
O Fluminense, que não tinha nada a ver com o descontrole tático e emocional dos corinthianos, aproveitou bem a situação e jogou em cima dos nossos erros, explorando o transito livre da Avenida Fábio Santos e alçando bolas na área, além de ser efetivo nas bolas paradas. Cristóvão Borges, ao contrário do Mano Menezes, conseguiu fazer a leitura certa da partida, acertou nas substituições e virou o jogo.
Ao Timão só restou o chororó e torcer para que o Bahia vencesse o Grêmio, o que aconteceu. Acredito que Ogum, (São Jorge), deu uma forcinha para o time baiano. E assim, na bacia das almas e pela porta dos fundos, o Corinthians se garantiu na repescagem do torneio continental, eufemisticamente chamado de Pré Libertadores. Para a vaga direta, precisa ganhar do Criciúma e secar o time do DVD. Já não mais dependemos só de nós.
Faltando apenas um jogo para encerrar o Campeonato Brasileiro, minha sensação é de alívio e de frustração. Alívio pelo término de um ano desperdiçado, onde o desempenho do Corinthians esteve muito aquém da sua grandeza, da sua história e de suas tradições. E de frustração pelos erros cometidos por uma diretoria omissa e incompetente, que foi incapaz de fazer um planejamento decente, que contratou mal, que paga para nossos jogadores reforçarem times rivais ou curtir seu iate, que mantém jogadores sem um mínimo de condições de atuar no time, alguns, verdadeiros perebas, outro, tecnicamente aposentado, mas de contrato renovado, outros, displicentes e descompromissados, que recontratou um técnico retranqueiro, chiliquento e medroso. Frustração pelo descaso de uma gestão desastrosa e inábil que dormiu sobre os louros da vitória de um time herdado da gestão anterior, mas foi incapaz de manter o mesmo padrão vencedor.
Que venha 2015 com uma nova gestão, com um novo técnico, com uma reformulação do elenco e com mais compromisso e com mais respeito ao Sport Club Corinthians Paulista. Que se separe o joio do trigo, que queime o joio e transforme o trigo no alimento da alma da Nação Corinthiana. E que o Corinthians volte a ser Corinthians.
Melhores momentos
Ficha Técnica - Fluminense 5 X 2 Corinthians
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 30 de novembro de 2014, domingo
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio – GO (FIFA)
Árbitro Assistente 1: Fabrício Vilarinho da Silva – GO (FIFA)
Árbitro Assistente 2: Cristhian Passos Sorence – GO (ESP-2)
Quarto Árbitro: Pathrice Wallace Corra Maia – RJ (CBF-2)
Árbitro Assistente Adicional 1: Edivaldo Elias da Silva – PR (CBF-1)
Árbitro Assistente Adicional 2: Arnoldo Vasconcelos Figarela – RO (CBF-2)
Delegado: José Alexandre Barbosa Lima – BRA (ASS)
Público: 16.509 pagantes
Renda: R$ 496.155,00
Cartões amarelos: Carlinhos (Fluminense); Gil, Renato Augusto, Fábio Santos e Guerrero (Corinthians)
Cartão vermelho: Marlon (Fluminense)
Gols: Fluminense: Ralf (contra), aos 39 minutos do primeiro tempo, Edson, aos 12 minutos do segundo tempo, Fred, aos 19 e aos 25 minutos do segundo tempo, e Conca, aos 46 minutos do segundo tempo; Corinthians: Guerrero, aos quatro minutos do primeiro tempo, e Danilo, aos 38 minutos do segundo tempo
Fluminense: Diego Cavalieri, Edson, Guilherme Mattis, Marlon e Carlinhos; Valencia, Diguinho, Wagner (Gustavo Scarpa) e Conca; Rafael Sobis (Kenedy) e Fred (Walter); Técnico: Cristóvão Borges
Corinthians: Cássio; Fagner, Felipe, Gil (Danilo) e Fábio Santos; Ralf, Elias (Jadson), Petros e Renato Augusto; Malcom (Luciano) e Guerrero; Técnico: Mano Menezes

Estatísticas
Faltas
  • Fluminense: 16
Mais faltosos: Marlon, 4 e Valência, 3
  • Corinthians: 13
Mais faltosos: Gil e Petros, 3

Passes errados
  • Fluminense: 32
Mais erraram: Edson, 7; Rafael Sobis e Guilherme Mattis, 4
  • Corinthians: 35
Mais erraram: Renato Augusto, 7; Elias, Petros e Fagner, 5; Fábio Santos, 4

Roubadas de bola
  • Fluminense: 13
Maiores ladrões: Edson, 3; Diguinho e Guilherme Mattis, 2
  • Corinthians: 9
Maiores ladrões: Ralf, 3

Finalizações
  • Fluminense: 12
Gols: 4
Defendida: 1
Bloqueadas: 4
Fora: 3
Maiores finalizadores: Conca, 1 gol, 3 bloqueadas e uma fora; Fred, 2 gols, uma fora
  • Corinthians: 19
Gols: 2
Defendidas: 9
Bloqueadas: 3
Fora: 5
Maiores finalizadores: Guerrero, 5 (1 gol, uma defendida, uma bloqueada e duas fora); Malcom, duas defendidas e uma bloqueada

Gols
  • Fluminense: 5
Fred: 2
Edson: 1
Conca: 1
Ralf: 1
  • Corinthians: 2
Guerrero: 1
Danilo:1

Impedimentos
  • Fluminense: 1
  • Corinthians: 1


Créditos e fonte de imagens e vídeo
meutimao.com.br
meutimao.com.br
bloguedoesporto.com
globoesporte.globo.com
globoesporte.globo.com
globo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário