domingo, 24 de julho de 2016

Uma visita incômoda

Sabe aquela visita que chega em casa justo na hora do jogo do Corinthians e a educação manda que você a receba com sorriso nos lábios? Ou aquela que implica com seus animais e deixa as crianças perturbarem o seu gato? Ou aquela que aparece sem avisar na hora do jantar e o obriga pedir pizza e bebidas? Assim é o Figueirense em Itaquera. Vai chegando como quem não quer nada, desarranja sua rotina e toma conta da casa. E no sábado não foi diferente. O mesmo Figueirense que na era Tite inaugurou nossa Arena derrotando-nos por 1 a 0, fez de tudo para repetir o feito. Felizmente Danilo não permitiu, mas amargamos um empate e perdemos dois preciosos pontos em casa. 
O Corinthians até começou bem, dominou o 1º tempo jogando com velocidade, mas, por erros no arremate final, não conseguiu transformar sua superioridade em gols. O Figueirense abusou das faltas e da violência para deter as investidas corinthianas e seu jogo mais parecia MMA do que futebol. Na etapa final o time visitante melhorou na marcação e complicou o jogo para o Timão. E num vacilo de Marquinhos Gabriel, Dodô roubou a bola no campo de ataque, tabelou com Rafael Moura e acertou chute indefensável para Cássio, abrindo o placar em Itaquera. O gol desestabilizou os corinthianos que, afobados e desorganizados, passaram a errar muito. Mas, mesmo com os erros nas substituições, ao sacar Giovanni Augusto que fazia uma boa partida, e ao demorar para colocar Guilherme no jogo, foi Danilo quem conseguiu o gol de empate, após cabeçada certeira na cobrança de escanteio por Marquinhos Gabriel. Nos minutos finais o Corinthians pressionou muito, mas erros de finalização e boas defesas do adversário impediram a virada. 
Gols
Com maior posse de bola, 62,8% e maior volume de jogo, o Corinthians não venceu por erros no arremate final e pelas defesas do goleiro Thiago Rodrigues, o melhor jogador em campo. Com 17 finalizações, 7 certas, com maior precisão nos chutes e cabeceios, o Timão poderia ter conquistado a vitória. Embora ainda seja a melhor defesa do campeonato, nesta partida, nossa zaga deixou a desejar, com uma péssima atuação do Balbuena, que fez seu pior jogo desde que foi contratado. Ofensivamente, a bola quase não chegou ao André, que ficou encaixotado entre os zagueiros e teve até que buscar a bola para poder jogar. Outro problema detectado é a ausência de um cobrador de faltas. Deu saudades do Chicão, o homenageado da tarde. 
Péssima, também, foi a atuação da arbitragem, que relevou a violência e a cera dos catarinenses. Até acho que por não ter tido coragem de expulsar os jogadores que já tinham cartão, ele também não teve coragem de expulsar o Cássio, embora a bola do Dodô fosse para a lateral e não para o gol. 
Danilo, pelo gol de empate, acabou sendo uma boa opção, embora Giovanni Augusto não merecesse ser substituído, pois, ao contrário do jogo anterior, estava atuando bem. Elias teve uma atuação melhor que a anterior e espero que com mais ritmo de jogo ele volte a ser efetivo, pois Rodriguinho oscila muito e Maycon foi reforçar um adversário. Marquinhos Gabriel deixou muito a desejar, deu um gol de bandeja pro Dodô e redimiu-se parcialmente na cobrança de escanteio que resultou no gol do Danilo. Léo Príncipe foi bem na sua estreia, André, nitidamente sem ritmo de jogo, esó recebeu uma bola. Romero continua se esforçando e lutando muito, mais raça que técnica. Yago foi melhor que no jogo anterior e Balbuena muito vacilão. Uendel e Bruno Henrique não comprometeram. Guilherme entrou muito tarde, teve pouco tempo de jogo, mas mostrou que está merecendo uma chance no time titular. Cássio quase nos complicou de vez. 
Muito criticado, Cristóvão não pode ser crucificado pelo empate. Pode até ter errado nas substituições, mas se não fossem as boas defesas do goleiro do Figueirense, estaríamos comemorando a vitória. Numa situação de mudança, com o desmanche da comissão técnica promovido pela cbf, (ou pelo Tite), oscilações são normais e ainda é cedo para atribuir ao técnico a responsabilidade pelos dois últimos empates. Além disso, a diretoria não trouxe nenhum reforço ao time, que é apenas mediano e tem carências em todos os setores. 
Com o resultado, o Corinthians manteve a invencibilidade de 31 jogos em Itaquera e alcançou 30 pontos, dois a menos que o líder Palmeiras, e o Figueirense, com 17 pontos, caiu para o 18º lugar. Na próxima rodada, o Timão enfrentará o Internacional no domingo, 31/07, às 16:00 horas no estádio Beira Rio em Porto Alegre, e o Figueirense receberá o Vitória, no sábado, 30/07, às 16:00 horas, no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis.
Melhores momentos
Ficha Técnica - Corinthians 1 X 1 Figueirense 
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 23 de julho de 2016, sábado
Horário: 16:00 horas (de Brasília)
Árbitro: Marielson Alves Silva – BA (ASP-FIFA)
Árbitro assistente 1: Cristhian Passos Sorence – GO (ESP) 
Árbitro assistente 2: Leone Carvalho Rocha – GO (CBF-1)
Quarto Árbitro: Marcelo Aparecido R de Souza –SP (CBF-1) 
Público: 38.507 pagantes
Renda: R$ 2.513.051,50
Cartões amarelos: Cássio, Uendel (Corinthians); Pará, Dodô, Werley, Yago, Bruno Alves, Jefferson (Figueirense)
Gols: Corinthians: Danilo, aos 39 minutos do segundo tempo; Figueirense: Dodô, aos 14 minutos do segundo tempo
Corinthians: Cássio; Léo Príncipe, Yago, Balbuena e Uendel; Bruno Henrique (Guilherme), Rodriguinho, Romero, Giovanni Augusto (Danilo) e Marquinhos Gabriel; André; Técnico: Cristóvão Borges
Figueirense: Thiago Rodrigues; Ayrton, Werley, Bruno Alves e Pará (Moraci); Elicarlos (Jackson Caucaia), Jefferson, Yago e Dodô; Rafael Silva (Bady) e Rafael Moura; Técnico: Argel Fucks 
Bastidores
Homenagem ao Chicão

Créditos e fontes de imagens e vídeos 
globoesporte.globo.com
youtube.com-globo.com
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.com
youtube.com-globo.com
youtube.com/Corinthians
youtube.com-globo.com 

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Corinthians X Figueirense

Pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians receberá o Figueirense neste sábado, 23/07, às 16:00 horas em sua Arena em Itaquera. Vice líder do Brasileirão, com 29 pontos, três a menos que o líder Palmeiras, 9 vitórias, 2 empates, 4 derrotas e 64% de aproveitamento, o Timão terá por adversário o 16º colocado, com 16 pontos, 3 vitórias, 7 empates, 5 derrotas e 36% de aproveitamento. Ambos os times vêm de empates por 1 a 1. O Corinthians empatou com o São Paulo e o Figueirense com o Chapecoense. Enquanto os alvinegros buscam a vitória para continuar na briga pelo título, o time visitante precisa vencer para afastar-se da zona de rebaixamento, de onde está muito próximo. 
Ficha Técnica - Corinthians X Figueirense 
Local: Arena Corinthians em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 23 de julho de 2016, sábado
Horário: 16:00 horas (de Brasília)
Árbitro: Marielson Alves Silva – BA (ASP-FIFA)
Árbitro assistente 1 : Cristhian Passos Sorence – GO (ESP) 
Árbitro assistente 2 : Leone Carvalho Rocha – GO (CBF-1)
Quarto Árbitro : Marcelo Aparecido R de Souza –SP (CBF-1) 
Corinthians: Cássio; Léo Príncipe, Yago, Balbuena e Uendel; Bruno Henrique, Rodriguinho, Romero, Giovanni Augusto e Marquinhos Gabriel; André; Técnico: Cristóvão Borges
Figueirense: Thiago Rodrigues; Ayrton, Werley, Bruno Alves e Pará; Elicarlos, Jefferson, Yago e Dodô; Rafael Silva e Rafael Moura; Técnico: Argel Fucks 
Além dos possíveis escalados, também foram relacionados:
No Corinthians, os goleiros Walter e Matheus Vidotto, o lateral Guilherme Arana, o zagueiro Léo Santos, os volantes Cristian, Elias e Willians, os meias Guilherme e Danilo, e os atacantes Luciano, Rildo e Lucca.
No Figueirense, o goleiro Gatito Fernandes, o zagueiro Marquinhos, o lateral-esquerdo Guilherme Morassi, o volante Jackson, os meias Bady e Ortega, e os atacantes Everton Santos, Ermel e Maurides. 
Estão fora, no Corinthians, Fagner, suspenso pelo 3º cartão, Pedro Henrique, Vilson, e Camacho, lesionados. No Figueirense, Nirley, Gabriel Esteves, Leandro Silva, Carlos Alberto, Dener, Ferrugem e Lins. 
No Corinthians, estão pendurados, com dois cartões amarelos, Guilherme, Luciano, Pedro Henrique, André, Bruno Henrique e Elias.
As novidades no Timão são o lateral direito Léo Príncipe, em substituição ao suspenso Fagner, e o atacante André, recuperado de cirurgia de uma hérnia inguinal, no lugar do Danilo. Assim, teremos no time, um centro avante de ofício. Cristian e Lucca, recuperados de lesão, voltaram a ser relacionados e ficarão no banco de reservas. 
No Figueirense, o lateral esquerdo Pará substituirá o suspenso Marquinhos Pedroso, e por opção técnica, Jefferson e Dodô ganharam a posição no meio campo de Jocinei e Bady.
Após uma semana de mistérios, treinos fechados e os campos de treino escondidos por tapumes, Cristóvão revelou o time que iniciará o jogo. Nesta sexta feira, mais uma vez, a primeira parte do treino foi fechada para a imprensa. Se na quinta-feira à tarde, o técnico comandou um trabalho de setores, no último treino, titulares e reservas não foram separados e o que se observou, quando o treino foi liberado, foram exercícios de finalização de todo o elenco. 
Jogando na Arena, com a casa cheia, pois até a véspera mais de 34500 ingresso já haviam sido vendidos, contra um time que beira a zona de rebaixamento, o Corinthians tem a obrigação não só de vencer o jogo, mas de vencer bem, sem sustos e sem sufoco. Com uma semana para treinar, houve tempo suficiente para corrigir as falhas apresentadas no empate contra o São Paulo. Na defesa, esperamos um Yago mais ligado e menos afobado, que o garoto Léo Príncipe não sinta o peso da estreia e que apresente o mesmo desempenho que teve na base. Mas, vai fazer falta a experiência e a liderança do Fagner. No meio campo espero um mínimo de criatividade, que Giovanni Augusto faça as pazes com o bom desempenho de outrora e que a bola chegue ao ataque. E que o André demonstre que as dificuldades do início da temporada foram consequência do incômodo de atuar com uma hérnia inguinal.

Créditos e fontes de imagens e vídeos 
meutimao.com.br-fotografiasaereas.com.br-MAON 
Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-Luiz Henrique/Figueirense FC/globoesporte.globo.com-MAON
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/globoesporte.globo.com-Mauro Horita/Agif/Gazeta Press-Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/corinthians.com.br-Mauro Horita/Agif/Gazeta Press-MAON
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com-MAON

terça-feira, 19 de julho de 2016

Empate com sabor de derrota

Foi uma tarde em que o Corinthians abusou do direito de errar, Errou na escalação, errou no desempenho e na postura em campo, na defesa, no meio campo, na criação, no ataque, errou nas substituições e em tudo o que tentou. O pior é que tinha tudo a seu favor para vencer, mas não soube aproveitar o momento favorável, a semana inteira para treinar e o apoio da torcida na Arena lotada. 
Desorganizado e afobado, oscilando muito durante o jogo, errando muitos passes e perdendo muita bola, falhando na defesa e na armação, pouco criou, pouco atacou e falhou muito no arremate final. Até começou melhor, atacando, mas perdeu-se após o gol de pênalti, num erro infantil do zagueiro Yago. Até conseguiu empatar numa jogada em que o Danilo cruzou para a entrada da área, Marquinhos Gabriel bateu mal, Rodrigo Caio desviou, e Bruno Henrique, no reflexo, cabeceou para o gol. Mesmo com o empate, o São Paulo, que ganhou confiança com o gol de Cueva, bem postado defensivamente, marcava a saída de bola e o Corinthians, errando muitos passes, perdia a bola facilmente, facilitando o contra ataque adversário, que jogava nos erros da equipe alvinegra. O Corinthians perdeu 52 bolas, facilitando muito para o time do Jardim Leonor.
Com as investidas dos tricolores e com as dificuldades da zaga, nossos laterais ficaram mais presos na defesa e pouco ajudaram na armação. Na defesa, Fagner foi brilhante, salvando o Corinthians, em diversas situações. 
O Corinthians, mesmo finalizando pouco, teve duas chances claras de gol, com Rodriguinho e com Romero, mas Denis, numa tarde inspirada, operou dois milagres. 
Na etapa final, com dificuldades na criação, Cristóvão resolveu mexer no time e sacou Rodriguinho, que já tinha cartão amarelo para a entrada de Elias, que logo na primeira jogada tomou um cartão amarelo por uma entrada violenta em Centurion. Sem ritmo de jogo e com uma atuação displicente, quebrou a velocidade do meio campo e piorou muito a atuação do time, que perdeu o meio campo. Na segunda substituição, o técnico acertou ao colocar Guilherme no lugar do Giovanni Augusto, que nada produziu em campo e não conseguiu articular nenhuma jogada nem armar o time. Mas, na terceira mexida, Cristóvão foi muito infeliz e até recebeu vaias da torcida. Tirou Marquinhos Gabriel, o melhor jogador do meio campo, para a entrada de Rildo e deixou em campo o extenuado Danilo. As substituições do Cristóvão favoreceram o time adversário e o Corinthians foi pressionado até o apito final. 
Apesar da precisão nos passes, da frieza, da técnica e da experiência, a idade está pesando para o Danilo. Muito lento, teve dificuldade de atuar num jogo mais rápido e de muita movimentação, destoando do trio de armação. Embora tenha participado do gol de Bruno Henrique, não conseguiu finalizar nenhuma vez. 
Com dificuldades em todos os setores e na transição da defesa para o ataque, o Corinthians teve uma atuação muito aquém de suas reais possibilidades. A diferença esteve na postura em campo. O São Paulo encarou o clássico como a oportunidade de se recuperar das perdas de jogadores e da eliminação no México e atuou com mais vontade, com uma postura mais aguerrida. O Corinthians subestimou o adversário, supervalorizou o mando de campo e a torcida única. Até começou melhor, mas se perdeu após levar o gol, e, mesmo com o empate, não conseguiu a virada. Faltou precisão nos passes, faltou calma, faltou toque de bola, faltou efetividade na criação e força ofensiva. Acho até que faltou confiança. E assim, perdemos dois pontos preciosos em casa e a diferença para o líder voltou a ser três pontos. Foi um empate com o amargo sabor de derrota. 
Mas, não dá para creditar o resultado e os erros apenas ao técnico, embora ele tenha se equivocado na escalação e em duas substituições. Não foi ele que fez o pênalti em Cueva, não foi ele que foi inoperante na armação e afobado em campo. Mas, não deixa de ter sua responsabilidade pelas trocas equivocadas e por não ter conseguido arrumar o time no vestiário, como em jogos anteriores. Mas, cabe aos jogadores sua parcela de culpa pela afobação, pelos passes errados e pela postura pouco aguerrida. 
Com o resultado o Corinthians tem 29 pontos e continua na vice liderança, com três pontos a menos do líder Palmeiras, que venceu o Internacional e chegou aos 32 pontos, O São Paulo atingiu 22 pontos e permanece na oitava colocação. Na próxima rodada, o Corinthians recebe o Figueirense, no sábado, 23/07, às 16:00 horas, em sua Arena, em Itaquera, e no domingo, o São Paulo joga contra o Grêmio, em Porto Alegre, 24/07, também às 16:00 horas. 
Melhores momentos
Ficha técnica - Corinthians X São Paulo 
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 17 de julho de 2016, domingo
Horário: 16:00 horas (de Brasília)
Árbitro: Péricles Bassols – PE (FIFA) 
Árbitro assistente 1: Alessandro A. Rocha de Matos – BA (FIFA)
Árbitro assistente 2: Guilherme Dias Camilo – MG (FIFA)
Quarto árbitro: Wagner Reway – MT (ASP-FIFA)
Público: 42.099 pagantes (total de 42.410)
Renda: R$ 2.620.166,00
Cartões amarelos: Rodriguinho, Fagner e Elias (Corinthians); Cueva, Hudson e Thiago Mendes (São Paulo)
Gols: Corinthians: Bruno Henrique, aos 21 minutos do primeiro tempo; São Paulo: Cueva, aos 15 minutos do primeiro tempo
Corinthians: Cássio; Fagner, Yago, Balbuena e Uendel; Bruno Henrique, Rodriguinho (Elias), Romero, Giovanni Augusto (Guilherme) e Marquinhos Gabriel (Rildo); Danilo; Técnico: Cristóvão Borges
São Paulo: Denis; Bruno, Maicon, Rodrigo Caio e Mena; Hudson, Thiago Mendes, Centurión (Gilberto), Cueva e Michel Bastos (Luiz Araújo); Ytalo (Wesley); Técnico: Edgardo Bauza 
Estatísticas
Posse de bola: Corinthians 50% x 50% São Paulo
Finalizações: Corinthians 7 x 8 São Paulo
Chances reais de gol: Corinthians 4 x 1 São Paulo
Cabeçadas: Corinthians 3 x 2 São Paulo
Bolas levantadas: Corinthians 17 x 19 São Paulo
Escanteios: Corinthians 4 x 7 São Paulo
Faltas: Corinthians 11 x 25 São Paulo
Passes errados: Corinthians 22 x 25 São Paulo
Passes certos: Corinthians 233 x 237 São Paulo
Desarme: Corinthians 43 x 73 São Paulo
Roubadas de bola: Corinthians 27 x 28 São Paulo
Impedimentos: Corinthians 0 x 5 São Paulo 
Fonte: globoesporte.globo.com
Bastidores

Créditos e fontes de imagens e vídeos 
globoesporte.globo.com-Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com-MAON 
Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.com 
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com 
Marcos Ribolli/globoesporte.globo.com 
Carlos A. Ferrari/globoesporte.globo.com 
youtube.com-globo.com 
youtube.com/Corinthians 

sábado, 16 de julho de 2016

Corinthians X São Paulo

Pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians receberá o São Paulo neste domingo, 17/06, às 16:00 horas, em sua Arena em Itaquera. Vice líder do campeonato, com 16 pontos, 9 vitórias, 1 empate, 4 derrotas e 67% de aproveitamento, o Timão enfrentará o 8º colocado, que tem 21 pontos, 6 vitórias, 3 empates, 5 derrotas e 50% de aproveitamento. Sem nunca ter perdido para o adversário na Arena, o Corinthians vai em busca da vitória, para manter-se no pelotão de frente do Brasileirão e para manter o tabu em Itaquera. Já o time do Jardim Leonor, busca aproximar-se do G4 e reabilitar-se, após ser eliminado da Copa Libertadores. 
Ficha técnica - Corinthians X São Paulo 
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 17 de julho de 2016, domingo
Horário: 16:00 horas (de Brasília)
Árbitro: Péricles Bassols – PE (FIFA) 
Árbitro assistente 1: Alessandro A. Rocha de Matos – BA (FIFA)
Árbitro assistente 2: Guilherme Dias Camilo – MG (FIFA)
Quarto árbitro: Wagner Reway – MT (ASP-FIFA)
Corinthians: Cássio; Fagner, Balbuena, Yago e Uendel; Bruno Henrique, Rodriguinho, Romero, Giovanni Augusto (Guilherme) e Marquinhos Gabriel; Danilo; Técnico: Cristóvão Borges
São Paulo: Denis; Bruno, Maicon, Rodrigo Caio e Mena; Hudson, Thiago Mendes, Centurión, Christian Cueva e Michel Bastos; Ytalo; Técnico: Edgardo Bauza 
Além dos possíveis escalados, também foram relacionados
No Corinthians os goleiros Matheus Vidotto e Walter, os laterais Léo Príncipe e Guilherme Arana, o zagueiro Léo Santos, os volantes Elias e Willians, o meia Marlone, e os atacantes André, Luciano e Rildo. 
No São Paulo o goleiro Léo, os laterais Carlinhos, Auro e Matheus Reis, os zagueiros Lugano e Lyanco, os volantes João Schmidt e Artur, o meia Wesley, e os atacantes Gilberto e Luiz Araujo.
Estão fora, no Corinthians, Pedro Henrique, Vilson, Camacho e Lucca, lesionados; e no São Paulo, Lucas Fernandes, Breno, Wellington, Kelvin, Caramelo, Renan Ribeiro e Daniel, lesionados, além de Ganso e Alan Kardec, em processo de transferência, respectivamente, para a Espanha e para a China. 
Embora tenha fechado o último treino para a imprensa, foi possível aos jornalistas detectarem a presença de Danilo entre os prováveis titulares. Cristóvão declarou que experimentou várias formações e outra possível mudança é a entrada de Guilherme no lugar de Giovanni Augusto. Na defesa, Vilson substituirá Pedro Henrique, que se lesionou no último jogo. No banco, as novidades são o goleiro Matheus Vidotto, o volante Elias e o atacante André. 
Como resultado da incompetência e do comodismo dos responsáveis pela segurança no estado, os clássicos paulistas serão realizados com torcida única. Mais de 40 mil ingressos foram vendidos antecipadamente e a expectativa é de casa lotada. O apoio da Fiel está garantido, mas seria muito mais interessante se o jogo tivesse a participação da torcida adversária.
Quanto ao jogo em si, em que pesem as dificuldades dos tricolores, desgaste da viagem e do jogo na Colombia, a frustração pela eliminação e a perda de jogadores importantes no time: Calleri, Ganso e Alan Kardec, clássico é sempre um campeonato a parte, mesmo valendo os mesmos três pontos. Eles vão dar o máximo, pois precisam redimir-se com a torcida, além da necessidade de se aproximarem do G4. 
Mesmo estando o Corinthians numa situação mais confortável, não teremos um jogo fácil. O time tem que entrar focado, ligado, determinado. Todo cuidado é pouco, porque o adversário pode estar ferido, mas não está morto. E animal ferido é sempre mais agressivo e perigoso. Mas, jogando em casa, com a Arena lotada, a Fiel apoiando e com o time focado, temos plenas condições de obter mais uma vitória, os três pontos e de manter o tabu e a freguesia. 

Créditos e fontes de imagens 
meutimao.com.br-fotografiasaereas.com.br-MAON 
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/corinthians.com.br-Chiri/saopaulofc.net/globoesporte.globo.com-MAON 
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/globoesporte.globo.com-Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/meutimao.com.br-MAON 
facebook.com/Torcedores Corinthianos-vaicorinthians 


sexta-feira, 15 de julho de 2016

Obrigada Xerife

Vindo do Figueirense em 2008 para disputar a Série B do Campeonato Brasileiro daquele ano, Chicão se tornou ídolo do Corinthians ao conquistar todos os títulos possíveis com o manto alvinegro: Paulista (2009 e 2013), Brasileiro (2011), Copa do Brasil (2009), Libertadores (2012), Mundial de Clubes da FIFA (2012) e Recopa Sul-Americana (2013).
Exímio cobrador de faltas, Chicão era responsável pelas cobranças de bola parada no Timão. Em 247 jogos pela equipe alvinegra, o defensor marcou 42 gols, feito que o coloca como o segundo maior zagueiro-artilheiro da história do Corinthians.
Todos os gols
Chicão, o rei da raça, xerife da Libertadores e do Mundial, aquele que participou da ascensão vitoriosa do Timão, da Série B para o topo do futebol do Planeta, encerra sua carreira como jogador de futebol. Infelizmente, não o faz no Timão, seu clube do coração, onde não teve o mesmo reconhecimento e gratidão da diretoria e da comissão técnica, que outros jogadores, alguns de menor importância que o Xerife, tiveram. Mas, pagou o preço por não ser uma ovelhinha obediente ao Pastor, por não ser da panela e, após passar por uma artroscopia no joelho, e, consequentemente, ter uma caída técnica, não teve seu contrato renovado. Faltou paciência e boa vontade com o jogador, faltou o reconhecimento pelos serviços prestados e a opção foi manter no elenco zagueiro de qualidade inferior e defenestrar o zagueiro artilheiro, o grande cobrador de faltas, o jogador raçudo e que sabia sair jogando e, mais que um jogador, um autêntico corinthiano. 
Creio que sua personalidade forte e sua liderança no elenco ameaçavam e poderiam implodir a panela que se instaurou no Corinthians e que, por isso, seu contrato não foi renovado. Reconheço que nenhum jogador é maior que o Corinthians, mas até agora não engoli a atitude de não renovar com o Chicão e, naquele momento, manter no elenco jogadores que estavam jogando só com o nome. Qual a razão de dois pesos e duas medidas? Que merecimento é esse? 
Gostaria que o Corinthians se dispusesse a ressarcir parte de sua dívida com o Chicão e aproveitasse seus conhecimentos e sua capacidade, contratando-o para alguma função técnica, nem que fosse junto a base. No mínimo, ele seria útil para ensinar como se cobra uma falta ou um pênalti e como sair jogando quando se toma a bola na área adversária. 
Mas, como não tenho nenhum poder decisivo, só me resta agradecer ao Chicão por tudo o que fez como jogador do Corinthians. Pela sua capacidade de marcação e pelas roubadas de bola, por sair jogando com precisão e por saber carregar a bola, pelas faltas cobradas com perfeição, pelos pênaltis convertidos em gols, pela liderança em momentos decisivos, mas principalmente pela sua garra, pela sua raça, pela sua dedicação. Quero agradecer, sobretudo, por ser Corinthians, por ser Timão.
Obrigada Xerife 

Créditos e fontes de imagem e vídeo 
Revista japonesa 
Marcelo Ferrelli/Gazeta Press/esportes.terra.com.br-Evelson de Freitas/Agência Estado/topicos.estadão.com.br-Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/corinthians.com.br-globoesporte.globo.com-MAON 
youtube.com/You Timão 
Miguel Schincariol 
fielnojapao.com.br 
youtube.com/claudiapallacci27

domingo, 10 de julho de 2016

Superando as perdas e avançando, porque AQUI É CORINTHIANS

Apesar das dificuldades e do desmanche do time, pelos tsunamis chinês e francês, e dos desfalques na comissão técnica, pela saída do técnico para a seleção da cbf, o Corinthians vai se colocando entre os primeiros colocados no Campeonato Brasileiro e se credenciando para buscar o hepta campeonato nacional. Ainda têm muitas rodadas pela frente, mas se conseguir manter a regularidade dá para sonhar e conquistar mais um título. Perdeu meio time, perdeu o técnico, perdeu assistentes, perdeu gerente, mas não perdeu a essência, e, qual fênix, renasce e volta a incomodar seus adversários. E após alguns percalços, engata quatro vitórias seguidas com o novo técnico, duas fora de casa e com o mérito de ter derrubado a invencibilidade do Chapecoense na Arena Condá. 
O jogo teve um início ruim, começou feio, com muitos erros de passe, com muita marcação dos dois lados, com pouca criação, com o Corinthians dando muito espaço e com dificuldades de infiltrar na área adversária. E ainda teve a infelicidade da contusão do Pedro Henrique. 
No segundo tempo o Corinthians, com nova postura em campo, melhorou muito, teve maior posse de bola, pressionou o adversário e dominou o jogo. Logo aos dois minutos teve um gol mau anulado pelo auxiliar, que viu um impedimento inexistente em cabeçada certeira do Balbuena, após cobrança de escanteio. 
Gols
Mas, o Timão continuou insistindo e, aos 14 minutos, em uma troca de passes pelo meio, Giovanni Augusto rolou a bola para Rodriguinho, que cortou a zaga, chutou de esquerda e abriu o placar para o time visitante. Mesmo tendo melhorado a posse de bola e aumentado as chances com as entradas de Danilo e Guilherme, substituindo Luciano e Giovanni Augusto, o segundo gol só saiu nos acréscimos. Aos 46 minutos, Fagner fez um lançamento para Marquinhos Gabriel, que esperou a saída de Marcelo Boeck e tocou por cima do goleiro, ampliando o placar na Arena Condá. 
Com mais posse de bola, (56%), mais passes certos, (277 contra 180 do adversário), mais finalizações, (14 contra 8) e mais chances reais de gol, (6 contra 4), o Corinthians foi melhor na partida, principalmente na etapa final, quando empurrou o Chapecoense para o campo de defesa, diminuindo-lhe as possibilidades ofensivas. Mas, errou muitos passes, 37, sendo 22 no primeiro tempo. 
Entrevista
Aos poucos, Cristóvão vai dando sua "cara" na equipe. Os toquinhos de lado foram substituídos por lançamentos longos, o time está mais ofensivo e, após fazer o gol, não se preocupa em administrar o placar e sim em ampliar o resultado. Estou gostando muito da nova postura do time. 
Individualmente, merecem destaque as atuações de Balbuena e de Marquinhos Gabriel. Rodriguinho, apesar de errar muitos passes, fez sua melhor partida no campeonato, e queimou muitas línguas, inclusive a minha. Bruno Henrique teve um bom desempenho, foi bem nos desarmes e iniciou a maioria das jogadas ofensivas. Romero, muito marcado, não conseguiu fazer gol, mas foi importante taticamente, movimentou-se bastante e participou da marcação. Luciano destoou do time, continua afobado e ansioso. Suas condições psicológicas estão interferindo negativamente no seu desempenho técnico e tático. Tem perdido gols que antes não perdia. 
Cristóvão Borges vem se destacando no comando alvinegro. Aqueles que esperavam que com a ausência de Tite e do mini desmanche da comissão técnica o time iria degringolar, foram surpreendidos pela eficácia da nova direção e pela eficiência dos jogadores. O técnico tem conseguido arrumar o time no intervalo e garantir bons resultados.
O aspecto negativo do jogo ficou por conta da arbitragem, que inverteu faltas e cobranças de lateral, anulou um gol legítimo e errou em vários lances. Não sei se por incompetência ou por má fé, ou se por ambas as razões, mas a atuação foi desastrosa e prejudicial ao Corinthians. 
Com o resultado, o Corinthians chegou aos 28 pontos, mesmo número do líder Palmeiras, que lidera pelo saldo de gols, (16 a 14) e, nesta rodada, enfrentará o Santos na terça feira no Allians Parque. O Chapecoense, com 18 pontos, está em 11º lugar. 
Na próxima rodada, o Timão fará o clássico contra o São Paulo, às 16:00 horas (de Brasília) no domingo, 17/08, na Arena Corinthians, em Itaquera e o Chapecoense enfrentará o Figueirense, no mesmo dia e horário, no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis. 
Melhores momentos
Ficha Técnica - Chapecoense 0 X 2 Corinthians 
Local: Arena Condá, em Chapecó (SC)
Data: 9 de julho de 2016, sábado
Horário: 16:30 horas (de Brasília)
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro – MG (FIFA)
Árbitro assistente 1: Pablo Almeida da Costa – MG (ASP- FIFA)
Árbitro assistente 2: Celso Luiz da Silva – MG (CBF-1)
Quarto árbitro: Ronan Marques da Rosa – SC (CBF-2)
Público: 11.615 pagantes
Renda: R$ 380.345,00
Cartões amarelos: Thiego (Chapecoense); Luciano (Corinthians)
Cartão vermelho: Thiego (Chapecoense)
Gols: Corinthians: Rodriguinho, aos 15, e Marquinhos Gabriel, aos 47 minutos do segundo tempo 
Chapecoense: Marcelo Boeck; Gimenez, Demerson, Thiego e Denner; Sérgio Manoel, Gil (Martinuccio) e Cleber Santana; Silvinho (Arthur Maia), Bruno Rangel (Kempes) e Ananias; Técnico: Caio Júnior 
Corinthians: Cássio; Fagner, Pedro Henrique (Yago), Balbuena e Uendel; Bruno Henrique, Rodriguinho, Romero, Giovanni Augusto (Guilherme) e Marquinhos Gabriel; Luciano (Danilo); Técnico: Cristóvão Borges 
Estatísticas 
Posse de bola: Chapecoense 44% x 56% Corinthians
Finalizações: Chapecoense 8 x 14 Corinthians
Chances reais de gol: Chapecoense 4 x 6 Corinthians
Cabeçadas: Chapecoense 2 x 2 Corinthians
Bolas levantadas na área: Chapecoense 18 x 15 Corinthians
Escanteios: Chapecoense 3 x 4 Corinthians
Faltas: Chapecoense 16 x 13 Corinthians
Passes errados: Chapecoense 32 x 37 Corinthians
Passes certos: Chapecoense 180 x 277 Corinthians
Desarmes: Chapecoense 44 x 46 Corinthians
Roubadas de bola: Chapecoense 14 x 10 Corinthians
Impedimentos: Chapecoense 3 x 3 Corinthians
Jogadas de linha de fundo: Chapecoense 5 x 5 Corinthians
Fonte dos dados:
http://globoesporte.globo.com/sc/futebol/brasileirao-serie-a/jogo/09-07-2016/chapecoense-corinthians/
Bastidores

Créditos e fontes de imagens e vídeos 
globoesporte.globo.com-Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians-MAON 
Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians/gazetaesportiva.com 
youtube.com-globo.com 
Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians 
youtube.com-SCCP TV 
bloguedoesporto.com 
youtube.com-globo.com 
youtube.com/Corinthians 

terça-feira, 5 de julho de 2016

Corinthians paga o Pato e fica com o Mico

Estamos vivenciando o maior desastre em contratações da Nação Corinthiana, um desastre que acarretou prejuízos financeiros, prejuízos em campo, no marketing, no elenco, nos resultados e na imagem do Sport Club Corinthians Paulistas. Mais de quarenta milhões pela compra, com doação de 40% dos direitos econômicos a titulo de luvas ao jogador, e mais salários de R$ 800 000,00 por mês, o que causou mau estar no elenco. E ainda pagamos metade do salário quando ele foi emprestado para um rival. Em campo, muita displicência, pouca aplicação, alguns gols, a maioria contra times sem expressão, e uma eliminação. No marketing, além de não trazer ganhos, não vender camisas, pôs a nu a incompetência da diretoria na gestão da instituição.
Se numa empresa maus funcionários podem ser demitidos por justa causa e maus gestores podem ser responsabilizados civil e criminalmente, e obrigados a ressarcir os danos morais e materiais, isso não acontece no mundo esportivo, onde no máximo se admite, como admitiu o atual presidente corinthiano, que a contratação foi um mau negócio, uma infelicidade e que deu errado, como outras deram certo. 
Bastaria um pouco de atenção para saber que o Pato não daria certo no Corinthians. Saiu do Brasil muito jovem, com o status de grande promessa, mas não se destacou em nenhum time europeu. No Milan, seu último time antes de ser vendido, destacou-se mais pelas contusões e seu maior sucesso foi namorar Bárbara Berlusconi, a filha do dono do clube e ex primeiro ministro italiano. Será que não perceberam que se o Pato estivesse bem em campo ele não seria vendido pelo então sogro, com o aval da namorada, que ocupava um alto cargo no Milan. E seu último empréstimo ao Chelsea, com devolução imediata ao fim do contrato, só veio confirmar o equívoco corinthiano. 
Se para o Timão, Pato só serviu para dar prejuízo, para o jogador foi um ótimo negócio, pois além das luvas que recebeu, dos salários sem o respectivo retorno, ele foi curado pelo Departamento Médico do Corinthians dos seus graves problemas físicos e ficou livre das recorrentes lesões e contusões. Esse jogador, que parece viver num universo paralelo, que parece se importar mais com as baladas e com a vida social do que com sua própria atuação em campo, que está mais para a revista Caras do que para a imprensa esportiva, está de volta ao Timão. E chegou risonho, como se não fosse o maior mico da história alvinegra, como se voltar ao Corinthians, mesmo tendo mostrado maior apreço pelo rival que ao Timão, e mesmo após ter depreciado o clube que o contratou a peso de ouro, fosse a coisa mais natural do mundo. Ou ele, realmente vive num universo paralelo ou é muito mau caráter e dissimulado. 
E nesse imbróglio, nesse lamentável festival de incompetência do grupo que o contratou, dos que avalizaram sua compra, dos que o emprestaram pagando metade de seus salários e dos que não conseguiram negociá-lo, o torcedor corinthiano, que paga caro para ver seu time jogar, foi mais uma vez desrespeitado. 
O resultado de tanta incompetência dessa lamentável contratação é desastrosa.
O Corinthians paga o Pato e fica com o Mico

Crédito e fonte de imagem 
Diego Ribeiro/globoesporte.globo.com 

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Em céu de Gavião, urubu não voa. É depenado.

Após levar sufoco e alguns sustos na etapa inicial, o Corinthians superou suas dificuldades, corrigiu os erros e goleou o time da Gávea, que já virou freguês. Se no primeiro tempo o Flamengo finalizou mais, acertou os passes, roubou mais bola, teve mais escanteios e mais chances de abrir o placar, após o intervalo o jogo mudou, o Corinthians brilhou, o Romero empolgou, o Cristóvão acertou o posicionamento e fechou os espaços, brecando o crescimento do adversário. Sem dúvida, tivemos dois jogos, um em cada tempo. No primeiro, o Corinthians nem parecia o mandante. Com dificuldades na armação e sem conseguir passar do meio campo, sem potencial ofensivo e dando muito espaço ao adversário, viu o Flamengo crescer no jogo e só não levou gol pelas boas defesas do Cássio, pela efetividade da zaga, principalmente do Pedro Henrique, e pela ajuda da trave. William Arão tudo fez pra fazer valer a lei do ex, mas o Cássio não deixou. No segundo tempo, Cristóvão acertou o time no vestiário, que voltou melhor posicionado, fechando os espaços, acertando os passes, com mais triangulações e maior apoio dos laterais. Dominou o jogo e anulou o visitante, que teve uma única chance de gol. Já do lado do Corinthians, os gols começaram a sair. As entradas de Guilherme e Rildo, autores do segundo e do terceiro gols, deram mais velocidade e precisão ao setor ofensivo. E o Corinthians passou a mandar no jogo e a construir mais uma goleada em cima do freguês carioca. 
Gols
Aos 14 minutos do segundo tempo, Marquinhos Gabriel bateu escanteio da esquerda, Bruno Henrique cabeceou para o meio da área, após mais um desvio a bola sobrou limpa para Romero mandar para a rede do Flamengo e abrir o placar em Itaquera. Aos 32 minutos, numa vacilada de Jorge, Romero avançou e tocou para Guilherme que bateu da entrada da área, acertando o canto do gol de Alex Muralha e aumentando o placar para o Timão. Aos 34 minutos, após três minutos em campo, Rildo pegou o rebote de Muralha e de voleio fez o 3º gol corinthiano, o 1º do atacante com a camisa do Timão. Aos 43 minutos, Rodriguinho arrancou sem marcação, passou para Romero, que chutou de perna esquerda e fechou a goleada.
Serviço feito, urubu depenado e pra torcida do Flamengo, aquele abraço! 
Após uma etapa inicial de muita pressão, o Corinthians teve a capacidade de reinventar-se, de superar-se, de se recuperar e voltar para o jogo. Méritos do Cristóvão que conseguiu acertar o posicionamento do time e fechar os espaços, fez as substituições corretas e não recuou o time após o gol. Assim, o Timão fez o 1º e continuou batalhando até fechar a goleada. 
Individualmente, Cássio foi o destaque da etapa inicial e Romero da final, tendo marcado dois gols e participado das jogadas dos outros dois. O paraguaio foi tão eficiente, que até ganhou música da torcida, que ainda aproveitou para zoar o Guerrero, que além das vaias e dos gritos de mercenário quando pegava na bola, ainda teve que escutar o canto da Fiel:
Doutor, eu não me engano,
O paraguaio é melhor que o peruano...
E depois de ser anulado pelo Pedro Henrique, e de ouvir os gritos de olé, o ex corinthiano, estressadinho, ainda tentou afrontar o jovem zagueiro, que não deixou barato e o enfrentou de igual para igual, sob os aplausos da Fiel. Ao final, ambos foram amarelados. Mas, para receber o cartão, foi preciso retirá-lo do bolso do Pedro Henrique. Mas, o peruano não pode reclamar da hospitalidade, pois além ouvir música, recebeu de presente um chapéu do Bruno Henrique, quatro gols e um chocolate.
Entrevistas
Mesmo sem ter tido tempo para trabalhar, Cristóvão Borges vai dando sua cara ao Timão. Seus grandes méritos estão na escalação dos jogadores em posições adequadas às suas características, em colocar o time pra frente e no trato com o elenco, administrando conflitos sem perder a autoridade. Com mais tempo para treinar, terá melhores condições de estruturar o time e fazê-lo crescer. Pela amostra que vi, estou confiante no seu trabalho. 
Com o resultado, o Corinthians chegou aos 25 pontos e é o vice líder do campeonato. O Flamengo permanece com os 20 pontos e ocupa a 7ª colocação. 
Na próxima rodada, o Corinthians enfrentará a Chapecoense no sábado, 09/07, às 16:30 horas, na Arena Condá, em Chapecó. O Flamengo buscará a reabilitação no domingo, 10/09, às 11 horas, contra o Atlético-MG, no estádio Mané Garrincha, em Brasília. 
Melhores momentos
Ficha Técnica - Corinthians 4 X 0 Flamengo 
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 3 de julho de 2016, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes – SC (FIFA)
Árbitro assistente 1: Guilherme Dias Camilo – MG (FIFA)
Árbitro assistente 2: Nadine Schramm Camara Bastos – SC (FIFA)
Quarto árbitro: Thiago Duarte Peixoto – SP (ASP-FIFA)
Público: 32.577 pagantes (total de 32.960)
Renda: R$ 2.025.123,50
Cartões amarelos: Guilherme e Pedro Henrique (Corinthians); Éderson, Márcio Araújo e Guerrero (Flamengo)
Gols: Corinthians: Romero, aos 14 e aos 43, e Guilherme, aos 32, e Rildo, aos 34 minutos do segundo tempo
Corinthians: Cássio; Fagner, Pedro Henrique, Balbuena e Uendel; Bruno Henrique, Rodriguinho, Romero, Giovanni Augusto (Rildo) e Marquinhos Gabriel (Maycon); Luciano (Guilherme); Técnico: Cristóvão Borges
Flamengo: Alex Muralha; Rodinei, Réver, Rafael Vaz e Jorge; Márcio Araújo, Willian Arão, Alan Patrick e Éderson (Everton); Marcelo Cirino (Thiago Santos) e Guerrero; Técnico: Zé Ricardo 
Bastidores

Créditos e fontes de imagens e vídeos 
globoesporte.globo.com-facebook.com/Romário Sousa-MAON 
Djalma Vassão-Gazeta Press 
youtube.com-globo.com 
blogjp.com.br 
twitter.com/@yuraosccp-globoesporte.globo.com 
Djalma Vassão/Gazeta Press/gazetaesportiva.com 
youtube.com-foxsports.com.br 
Carlos A. Ferrari/globoesporte.globo.com 
youtube.com-globo.com 
youtube.com/Corinthians 

sábado, 2 de julho de 2016

Corinthians X Flamengo

Pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Corinthians enfrentará o Flamengo neste domingo, 03/07, às 16:00 horas, em sua Arena em Itaquera. Vice líder do campeonato, com 22 pontos, 7 vitórias, 1 empate, 4 derrotas e 61% de aproveitamento, o Timão terá por adversário o 5º colocado, com 20 pontos, 6 vitórias, 2 empates, 4 derrotas e 56% de aproveitamento. Os dois times precisam da vitória para permanecerem no pelotão de frente da competição. 
Ficha Técnica - Corinthians X Flamengo 
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 3 de julho de 2016, domingo
Horário: 16:00 horas (de Brasília)
Árbitro: Heber Roberto Lopes – SC (FIFA)
Árbitro assistente 1: Guilherme Dias Camilo – MG (FIFA)
Árbitro assistente 2: Nadine Schramm Camara Bastos – SC (FIFA)
Quarto árbitro: Thiago Duarte Peixoto – SP (ASP-FIFA)
Corinthians: Cássio (Walter); Fagner, Balbuena, Vilson (Pedro Henrique) e Uendel; Bruno Henrique, Rodriguinho, Romero, Giovanni Augusto e Marquinhos Gabriel; Luciano; Técnico: Cristóvão Borges
Flamengo: Alex Muralha, Rodinei, Réver, Rafael Vaz e Jorge; Márcio Araújo, Willian Arão, Alan Patrick e Éderson; Marcelo Cirino e Guerrero; Técnico: Zé Ricardo 
No Corinthians, além dos escalados, também foram relacionados os goleiros Walter e Caique, os laterais Léo Príncipe e Guilherme Arana, os zagueiros Vilson e Léo Santos, o volante Maycon, os meias Marlone e Guilherme, e os atacantes Isaac, Lucca e Rildo. 
Com oito desfalques por lesão, Camacho, Yago, Danilo, Cristian, Elias, André, Bruno Paulo e Willians, o técnico Cristóvão Borges deverá repetir o mesmo time que venceu o América-MG.
As novidades estarão no banco de reservas, com a volta do goleiro Walter, do zagueiro Vilson e com a presença, pela primeira vez do atacante Isaac. 
Mesmo com a recuperação do Walter e do Vilson, o técnico resolveu manter Cássio no gol e Pedro Henrique na zaga. Não entendi porque Cássio permanecerá,, pois enquanto Walter é mais seguro e preciso, tem boa saída de bola, joga bem com os pés e não espalma a bola nos pés do adversário. Cássio tem errado muito, tem dificuldades com a bola nos pés e tem mostrado insegurança. Outra escalação temerária é a do volante Rodriguinho que marca mal, nada cria e tem errado tudo o que tentou fazer. 
No último treino do Corinthians, na manhã de sábado no CT Dr Joaquim Grava, após o aquecimento numa roda de bobinhos e de um treino físico comandado pelo preparador Fábio Mahseredjian, os titulares foram separados para um treino tático de bolas paradas e posicionamento de ataque e defesa. Assim que escalou o time, o treinador pediu para que a imprensa parasse de filmar e fechou a atividade. 
No Flamengo, o técnico Zé Ricardo comandou neste sábado a última atividade antes do time enfrentar o Corinthians, com exercícios de passe e movimentação. Apesar do retorno do zagueiro Juan, liberado pelo Departamento Médico, o técnico decidiu manter a dupla Réver e Rafael Vaz. Apesar da recuperação de Paulo Victor, o treinador considerou que cometeria uma injustiça tirar o goleiro Muralha da equipe. O atacante Emerson Sheik sofreu uma lesão muscular na coxa direita na sexta-feira e foi vetado da lista de relacionados. Outra baixa do time é o lateral Chiquinho. Zé Ricardo confirmou a repetição da equipe que derrotou o Internacional. 
Necessitando da vitória, o Corinthians precisa superar as dificuldades que encontrou diante do fraco time do América-MG. Mesmo jogando em Itaquera e com o apoio da torcida, para vencer o jogo precisa atuar mais compacto e sem a afobação da última partida. Precisa estar mais atento para não errar tantos passes, finalizar mais e com maior precisão. Terá que criar mais e não cometer tantos erros ofensivos. Nossa defesa precisa estar atenta, firme e segura, pois o ataque do Flamengo não apresenta a precariedade daquele que enfrentamos na quarta feira. 
Espero que, diante de um adversário mais qualificado, o Corinthians entre mais ligado e mais determinado, que vá pra cima e mostre que em nossa casa o mando não é só do campo, mas também do jogo. E que faça valer o mantra: Caiu em Itaquera, o Timão atropela. 

Créditos e fontes de imagens 
facebook.com/Renato Silva 
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/meutimao.com.br-Gilvan de Souza/Flamengo/flahoje.com-MAON 
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians-Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/globoesporte.globo.com-MAON 
Paulo Ermantino-Raw Image-Gazeta Press
meutimao.com.br 

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Quase deixaram o Coelho escapar

Foi um jogo feio diante de um adversário fraco, o lanterna do campeonato. Pela falta de qualidade do adversário, era um jogo pra golear e fazer saldo de gols. Mas, o Corinthians desconcentrou-se e, afobado e precipitado, não soube aproveitar a oportunidade. Venceu, mas não convenceu. Com a bola rolando, foi um fiasco. Errou passes, (40 passes errados para 297 certos), pouco criou e pouco finalizou, (6 finalizações contra 13 do América-MG), teve menos posse de bola (47%) com predomínio no campo de defesa, poucas triangulações e infiltrações. Nossa defesa mostrou-se sólida, mas, devido a baixa qualidade do ataque mineiro, correu poucos riscos. Tivemos sérios problemas ofensivos, com muita dificuldade na transição e em manter a bola no ataque, mas fomos felizes nas bolas paradas. Um gol de escanteio e outro de um pênalti Mandrake. 
Gols
O 1º gol saiu aos 9 minutos de jogo. Giovanni Augusto cobrou escanteio do lado direito, Balbuena escorou de cabeça para o meio da área, a bola sobrou para Romero, que chutou para o gol e abriu o placar. Aos 28 minutos Luciano dominou a bola com o braço em uma disputa com o zagueiro Adalberto e caiu dentro da área. O árbitro viu um pênalti inexistente no lance, Marquinhos Gabriel se apresentou para a cobrança e converteu. 2 a 0 para o Timão. 
O resultado foi muito melhor que o desempenho. Foi um jogo ruim, com uma fraca atuação dos dois times e no qual o Corinthians venceu devido à baixa qualidade técnica do adversário. Com o América-MG nem era preciso jogar muito, tanto que o Corinthians não jogou nada, deu muito espaço e, mesmo assim, venceu o jogo. Individualmente, os melhores em campo foram os zagueiros. Romero foi o jogador que mais buscou o jogo e foi oportunista ao abrir o placar. Cássio, apesar de pouco exigido, mostrou segurança e não comprometeu. Rodriguinho foi o pior em campo, pouco marcou, nada criou e errou tudo o que tentou. A entrada de Camacho melhorou a saída de bola, mas, infelizmente, ele ficou pouco tempo em campo e teve que ser substituído por sentir dores na coxa. Giovanni Augusto, bem marcado, teve dificuldades para buscar a bola e pouco produziu. 
Foi um jogo duro de assistir e só aguentei até o fim porque aqui é Corinthians. 
Com o resultado o Corinthians alcançou 22 pontos e subiu para o 2º lugar no campeonato, com apenas 3 pontos atrás do líder Palmeiras. O América-MG permanece na lanterna, com os mesmos 8 pontos. 
O próximo compromisso do Timão será contra o Flamengo no próximo domingo, 03/07, às 16:00 horas, em sua Arena em Itaquera, e o Coelho enfrentará no sábado, 02/07, às 18:30 horas o Atlético-PR, fora de casa.
Melhores momentos

Ficha Técnica - América-MG 0 X 2 Corinthians 
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG)
Data: 29 de junho de 2016, quarta-feira
Horário: 21:45 horas (de Brasília)
Árbitro: Wagner Reway – MT (ASP-FIFA)
Árbitro assistente 1: Eduardo Gonçalves da Cruz – MS (FIFA)
Árbitro assistente 2: Fabiano da Silva Ramires – ES (ESP)
Quarto árbitro: Igor Junio Benevenuto – MG (ASP-FIFA)
Cartões amarelos: Leandro Guerreiro e Adalberto (América-MG); Marquinhos Gabriel (Corinthians)
Gols: Corinthians: Romero, aos 9 minutos do primeiro tempo, e Marquinhos Gabriel, aos 29 minutos do segundo tempo
América-MG: João Ricardo; Jonas, Alison, Adalberto e Danilo (Gilson); Leandro Guerreiro, Claudinei, Alan Mineiro (Matheusinho) e Ernandes; Osman e Victor Rangel (Borges); Técnico: Sérgio Vieira 
Corinthians: Cássio; Fagner, Balbuena, Pedro Henrique e Uendel; Bruno Henrique, Rodriguinho (Camacho) (Willians), Romero, Giovanni Augusto (Guilherme) e Marquinhos Gabriel; Luciano; Técnico: Cristóvão Borges
Bastidores

Créditos e fontes de imagens e vídeos
globoesporte.globo.com-Mourão Panda/Gazeta Press-MAON
Thomas Santos/Agif/Gazeta Press/gazetaesportiva.com-Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians/meutimao.com.br-MAON
youtube.com-globo.com
youtube.com-globo.com
footstats.net
youtube.com/Corinthians