domingo, 24 de julho de 2016

Uma visita incômoda

Sabe aquela visita que chega em casa justo na hora do jogo do Corinthians e a educação manda que você a receba com sorriso nos lábios? Ou aquela que implica com seus animais e deixa as crianças perturbarem o seu gato? Ou aquela que aparece sem avisar na hora do jantar e o obriga pedir pizza e bebidas? Assim é o Figueirense em Itaquera. Vai chegando como quem não quer nada, desarranja sua rotina e toma conta da casa. E no sábado não foi diferente. O mesmo Figueirense que na era Tite inaugurou nossa Arena derrotando-nos por 1 a 0, fez de tudo para repetir o feito. Felizmente Danilo não permitiu, mas amargamos um empate e perdemos dois preciosos pontos em casa. 
O Corinthians até começou bem, dominou o 1º tempo jogando com velocidade, mas, por erros no arremate final, não conseguiu transformar sua superioridade em gols. O Figueirense abusou das faltas e da violência para deter as investidas corinthianas e seu jogo mais parecia MMA do que futebol. Na etapa final o time visitante melhorou na marcação e complicou o jogo para o Timão. E num vacilo de Marquinhos Gabriel, Dodô roubou a bola no campo de ataque, tabelou com Rafael Moura e acertou chute indefensável para Cássio, abrindo o placar em Itaquera. O gol desestabilizou os corinthianos que, afobados e desorganizados, passaram a errar muito. Mas, mesmo com os erros nas substituições, ao sacar Giovanni Augusto que fazia uma boa partida, e ao demorar para colocar Guilherme no jogo, foi Danilo quem conseguiu o gol de empate, após cabeçada certeira na cobrança de escanteio por Marquinhos Gabriel. Nos minutos finais o Corinthians pressionou muito, mas erros de finalização e boas defesas do adversário impediram a virada. 
Gols
Com maior posse de bola, 62,8% e maior volume de jogo, o Corinthians não venceu por erros no arremate final e pelas defesas do goleiro Thiago Rodrigues, o melhor jogador em campo. Com 17 finalizações, 7 certas, com maior precisão nos chutes e cabeceios, o Timão poderia ter conquistado a vitória. Embora ainda seja a melhor defesa do campeonato, nesta partida, nossa zaga deixou a desejar, com uma péssima atuação do Balbuena, que fez seu pior jogo desde que foi contratado. Ofensivamente, a bola quase não chegou ao André, que ficou encaixotado entre os zagueiros e teve até que buscar a bola para poder jogar. Outro problema detectado é a ausência de um cobrador de faltas. Deu saudades do Chicão, o homenageado da tarde. 
Péssima, também, foi a atuação da arbitragem, que relevou a violência e a cera dos catarinenses. Até acho que por não ter tido coragem de expulsar os jogadores que já tinham cartão, ele também não teve coragem de expulsar o Cássio, embora a bola do Dodô fosse para a lateral e não para o gol. 
Danilo, pelo gol de empate, acabou sendo uma boa opção, embora Giovanni Augusto não merecesse ser substituído, pois, ao contrário do jogo anterior, estava atuando bem. Elias teve uma atuação melhor que a anterior e espero que com mais ritmo de jogo ele volte a ser efetivo, pois Rodriguinho oscila muito e Maycon foi reforçar um adversário. Marquinhos Gabriel deixou muito a desejar, deu um gol de bandeja pro Dodô e redimiu-se parcialmente na cobrança de escanteio que resultou no gol do Danilo. Léo Príncipe foi bem na sua estreia, André, nitidamente sem ritmo de jogo, esó recebeu uma bola. Romero continua se esforçando e lutando muito, mais raça que técnica. Yago foi melhor que no jogo anterior e Balbuena muito vacilão. Uendel e Bruno Henrique não comprometeram. Guilherme entrou muito tarde, teve pouco tempo de jogo, mas mostrou que está merecendo uma chance no time titular. Cássio quase nos complicou de vez. 
Muito criticado, Cristóvão não pode ser crucificado pelo empate. Pode até ter errado nas substituições, mas se não fossem as boas defesas do goleiro do Figueirense, estaríamos comemorando a vitória. Numa situação de mudança, com o desmanche da comissão técnica promovido pela cbf, (ou pelo Tite), oscilações são normais e ainda é cedo para atribuir ao técnico a responsabilidade pelos dois últimos empates. Além disso, a diretoria não trouxe nenhum reforço ao time, que é apenas mediano e tem carências em todos os setores. 
Com o resultado, o Corinthians manteve a invencibilidade de 31 jogos em Itaquera e alcançou 30 pontos, dois a menos que o líder Palmeiras, e o Figueirense, com 17 pontos, caiu para o 18º lugar. Na próxima rodada, o Timão enfrentará o Internacional no domingo, 31/07, às 16:00 horas no estádio Beira Rio em Porto Alegre, e o Figueirense receberá o Vitória, no sábado, 30/07, às 16:00 horas, no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis.
Melhores momentos
Ficha Técnica - Corinthians 1 X 1 Figueirense 
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 23 de julho de 2016, sábado
Horário: 16:00 horas (de Brasília)
Árbitro: Marielson Alves Silva – BA (ASP-FIFA)
Árbitro assistente 1: Cristhian Passos Sorence – GO (ESP) 
Árbitro assistente 2: Leone Carvalho Rocha – GO (CBF-1)
Quarto Árbitro: Marcelo Aparecido R de Souza –SP (CBF-1) 
Público: 38.507 pagantes
Renda: R$ 2.513.051,50
Cartões amarelos: Cássio, Uendel (Corinthians); Pará, Dodô, Werley, Yago, Bruno Alves, Jefferson (Figueirense)
Gols: Corinthians: Danilo, aos 39 minutos do segundo tempo; Figueirense: Dodô, aos 14 minutos do segundo tempo
Corinthians: Cássio; Léo Príncipe, Yago, Balbuena e Uendel; Bruno Henrique (Guilherme), Rodriguinho, Romero, Giovanni Augusto (Danilo) e Marquinhos Gabriel; André; Técnico: Cristóvão Borges
Figueirense: Thiago Rodrigues; Ayrton, Werley, Bruno Alves e Pará (Moraci); Elicarlos (Jackson Caucaia), Jefferson, Yago e Dodô; Rafael Silva (Bady) e Rafael Moura; Técnico: Argel Fucks 
Bastidores
Homenagem ao Chicão

Créditos e fontes de imagens e vídeos 
globoesporte.globo.com
youtube.com-globo.com
Fernando Dantas/Gazeta Press/gazetaesportiva.com
youtube.com-globo.com
youtube.com/Corinthians
youtube.com-globo.com 

Nenhum comentário:

Postar um comentário