quinta-feira, 29 de junho de 2017

Mais altitude que atitude

No pior jogo do ano, quase o Corinthians sucumbiu no estádio La Independência na cidade de Tunja, na Colômbia. Tomando sustos e levando sufoco, o misto frio do Timão jogou como timinho e só empatou nos acréscimos, mais por mérito pessoal do Balbuena do que do time. Aliás, louva-se o empenho da dupla paraguaia, Romero e Balbuena, os que mais correram, mais lutaram, mais se esforçaram e menos sentiram a altitude de 2800 metros. 
Se os paraguaios não sentiram, a maioria da equipe sofreu a ressaca do jogo desgastante de domingo e da viagem de Porto Alegre à Colombia, estranhou o gramado fofo e as dimensões do campo, sentiu a altitude, a falta de ritmo de jogo e o desentrosamento dos reservas no mistão alvinegro. Nossos jogadores apanharam da bola, erraram passes, falharam na marcação, o meio campo nada criou, o ataque foi inoperante e o resultado só não foi pior pelas defesas de Cássio e pela boa atuação da zaga, que apesar de algumas falhas, fez o gol que o ataque não conseguiu fazer. 
Embora limitados tecnicamente, os colombianos beneficiaram-se do conhecimento do campo, de estarem acostumados com a altitude e pela motivação de estarem participando pela primeira vez de um campeonato internacional. Ao contrário, a equipe alvinegra entrou em campo menos concentrada, cometendo erros primários, rifando a bola e com algumas jogadas muito estabanadas. Pela atuação desastrosa, Moisés demonstrou não servir nem para gandula. Se colocar um cone no lugar do Kazin, o efeito será o mesmo. Sem nenhuma mobilidade, sem fazer o pivô, o gringo da favela ficou encaixotado entre os zagueiros colombianos, quando conseguiu pegar na bola errou as finalizações e provou que seu carisma é maior que o seu futebol. Marquinhos Gabriel perdeu o fôlego e o pique, Giovanni Augusto continua devendo e Clayton nada acrescentou ao jogo. Só não entendi porque Pedrinho, jogador leve e de boa movimentação não ficou nem no banco, nem porque, mesmo estando no banco, Arana não substituiu o inútil Moisés. Se não tinha condições de jogo deveria ter ficado em São Paulo para não se desgastar com a viagem. 
Gols
O gol do Corinthians saiu aos 47 minutos da etapa final. Balbuena iniciou a jogada, tocou para Fagner na direita, que devolveu para o zagueiro completar de cabeça, sem chances para o goleiro Villete. 
Esse jogo serviu para mostrar que não temos substituto para o Arana e que Carlinhos, já recuperado de cirurgia, precisa deixar de reforçar o sub 20 para ser o reserva imediato de Jô. Moisés e Kazin podem ser negociados para diminuir a folha de pagamento. São gasto para o clube e não investimento.
Com o resultado o Corinthians pode empatar sem gols no jogo de volta para assegurar vaga nas oitavas de final. Novo 1 a 1 leva a decisão para os pênaltis, enquanto igualdade com mais tentos dá a vaga aos forasteiros. Caso haja vencedor, este estará classificado. Com o gol fora de casa, o Timão tem uma pequena vantagem no jogo em Itaquera. 
A partida de volta está marcada para o dia 26 de julho, no estádio de Itaquera, mas, até lá, o Corinthians terá que disputar seis jogos do Campeonato Brasileiro. O primeiro será no domingo, 02/06, às 16:00 horas (de Brasília), contra o Botafogo, também em Itaquera. Os colombianos, estreiam no seu torneio nacional no dia 9 de julho, contra o Hulia, em casa. 

Créditos e fontes de imagens e vídeo 
globoesporte globo.com-twitter.com/@bruno Cassucci 
Luis Acosta/AFP/gazetaesportiva.com 
Luis Acosta/AFP/gazetaesportiva.com 
youtube.com/Danilo Silva/Gols HD2-globo.com 

Nenhum comentário:

Postar um comentário