segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Errando como nunca e vencendo como sempre

Para quem esperava um jogo com padrão Corinthians, foi um susto e uma decepção. Algumas dificuldades eram previstas, devido à necessidade do Coritiba tentar manter-se na Série A do campeonato, mas nem o corinthiano mais pessimista poderia imaginar o sufoco que foi o jogo, mais por erros nossos do que pela qualidade do rival. Parecia que o time em campo nem era o mesmo que depenou o Galo no Horto. 
A equipe entrou desconcentrada, desatenta, jogando sem objetividade, errando passes e finalizações. Os jogadores aparentavam estar ansiosos e dispersivos, cometendo erros juvenis e enfeitando as jogadas. Não sei se entraram no oba oba da torcida ou se entraram de salto alto. O time estava irreconhecível, a defesa desatenta, o meio campo com dificuldades na criação e errando muito. Jadson e Renato Augusto erraram 14 passes, 7 cada um. O problema era mais de postura em campo do que tático, era muita desconcentração e até uma aparente displicência. 
Mesmo assim, o time saiu na frente. Edílson sofreu pênalti e Jadson converteu. Depois do gol o Coritiba melhorou a marcação, passou a trabalhar melhor a bola e chegou a nos dar alguns sustos. Mas, nossa superioridade técnica fez a diferença, tivemos maior volume de jogo e se não fossem os gols perdidos poderíamos ter ampliado o placar. Na etapa final, o Coritiba voltou modificado e mais ligado no jogo, enquanto o Corinthians parecia ter comido uma feijoada no intervalo. Negueba, que já havia dado trabalho no 1º tempo, voltou ligado no 220 volts, empatando o jogo no 1º minuto e puxando contra ataques. Meio atordoado com o empate, o Corinthians demorou uns 10 minutos para equilibrar o jogo, mas errando passes e criando pouco, sofreu para superar a marcação do Coritiba. Mesmo assim levou perigo e obrigou o goleiro Wilson trabalhar. 
Tite, preocupado no banco, tentava arrumar o time no gramado. Não tendo o retorno necessário, substituiu Malcom por Lucca, Vagner Love por Danilo e, quase no final, Renato Augusto por Rodriguinho. Mesmo sem sua organização habitual, o Corinthians tentou acuar o adversário, que não se entregou. Mas, se de início as mudanças não surtiram efeito, aos 43 minutos, numa jogada ensaiada, Edílson cruzou para a área, a bola desviou na cabeça do Danilo, e Lucca se jogou entre dois zagueiros, alcançou a bola e mandou-a pra rede, desempatando a partida, para a alegria da Nação Corinthiana. 
Com o resultado, o Corinthians chegou aos 76 pontos, atingiu 75% de aproveitamento no campeonato e manteve a distância de 11 pontos do 2º colocado, o Atlético-MG, que venceu o Figueirense por 1 a 0, adiando o hexa do Timão, que continua dependendo apenas de si mesmo para conquistá-lo. 
Os próprios jogadores e o técnico reconheceram que, apesar da vitória, não fizeram um bom jogo e que entraram na empolgação da torcida. A vitória apertada e sofrida de sábado foi um dos piores jogos do campeonato. Vacilos atípicos da defesa, indecisões, erros de passes e de finalizações, bem como dificuldades de criação, aliadas à falta de objetividade e desconcentração determinaram um mau desempenho, muitos sustos e um grande sufoco, algo impensável diante de um adversário de poucos recursos técnicos, que luta para não cair e com um técnico interino e improvisado. 
Como em uma semana ninguém desaprende a jogar futebol, somente o fator emocional, a ansiedade e o descontrole psicológico podem explicar tamanha queda de rendimento num jogo tão decisivo. Podemos mesmo afirmar que foi um jogo atípico em que o Timão errou como nunca, mas venceu como sempre. 
Com a parada do campeonato devido à disputa das eliminatórias da Copa, Tite terá tempo suficiente para aparar as arestas, trabalhar o psicológico e fazer o time retomar o padrão de jogo. A próxima partida será no dia 19/11, às 22 horas, contra o Vasco, no Rio de Janeiro e basta uma vitória corinthiana ou o Atlético-MG não vencer o São Paulo, para a conquista do hexacampeonato. 
Melhores momentos
Gols
Ficha Técnica - Corinthians 2 X 1 Coritiba
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 7 de novembro de 2015, sábado
Horário: 19:30 horas (de Brasília)
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva - PA (FIFA)
Árbitro Assistente 1: Guilherme Dias Camilo - MG (FIFA)
Árbitro Assistente 2: José Javel Silveira - RS (ESP-2)
Quarto Árbitro: Igor Junio Benevenuto - MG (ASP-FIFA)
Delegado: Márcio Verri Brandão - SP (ASS)
Quinto Árbitro: Daniel Paulo Ziolli - SP (ASP-FIFA)
Público: 43.688 pagantes (total de 44.015)
Renda: R$ 2.772.735,50
Cartões amarelos: Carlinhos, Kleber, Leandro Silva e Rafael Marques (Coritiba)
Gols: Corinthians: Jadson, aos 15 minutos do primeiro tempo, e Lucca, aos 42 minutos do segundo tempo; Coritiba: Negueba, a 1 minuto do segundo tempo
Corinthians: Cássio; Edílson, Felipe, Yago e Guilherme Arana; Ralf, Elias, Jadson, Renato Augusto (Rodriguinho) e Malcom (Lucca); Vagner Love (Danilo); Técnico: Tite
Coritiba: Wilson; Leandro Silva, Rafael Marques, Juninho e Carlinhos; João Paulo, Alan Santos (Cáceres), Negueba (Lúcio Flávio) e Juan (Thiago Lopes); Kleber e Henrique Almeida; Técnico: Pachequinho

Créditos e fontes de imagens e vídeos
globoesporte.globo.com
twitter.com/@TuEsOrgulho_
Sergio Barzaghi-Gazeta Press-gazetaesportiva.net/Marcos Ribolli-globoesporte.globo.com/MAON
facebook.com/Edson Fonseca Nogueira Nogueira
youtube.com/globo.com
youtube.com/globo.com
Fernando Dantas-Gazeta Press-gazetaesportiva.net/twitter.com-@WebSCCP/MAON 

Nenhum comentário:

Postar um comentário