domingo, 28 de fevereiro de 2016

Acreditando sempre

Melhores momentos
Sem ser brilhante, mas com muita paciência e persistência, o Corinthians reconciliou-se com a vitória e garantiu sua permanência na liderança do Grupo D e do Campeonato Paulista. E no finalzinho do jogo, para o desespero da turma do Fiel Secador, que nas redes sociais já zoava o empate. Em nenhum momento o Timão desistiu do jogo e somente aos 46 minutos da etapa final. conseguiu furar a retranca do adversário que jogou no esquema tático 10-1, com apenas o Marcelinho Paraíba liberado da marcação. 
Com um padrão de jogo definido, o Corinthians, mesmo ainda desentrosado, dominou o jogo, mas desperdiçou muitas oportunidades. Errando passes, afobados na hora de finalizar e sem a tranquilidade ofensiva necessária, nossos jogadores, das 17 finalizações tentadas, acertaram apenas 4 e somente uma resultou em gol. Faltou pontaria, faltou tranquilidade e acho que também faltou treinamento. Tivemos bolas pra todos os lados. Bolas na arquibancada, nas mãos do goleiro, na defesa adversária, bola espirrada, bola cortada, bola na barreira, um verdadeiro festival de bolas perdidas. Uendel, Giovanni Augusto, Lucca, Guilherme, Bruno Henrique, Fagner, Rodriguinho, André, Luciano e Romero desperdiçaram oportunidades, inclusive nas bolas paradas. Cabeças desconcentradas, corações afobados e pés descalibrados diante de um adversário retrancado, cujo objetivo era não perder. 
Gol
Mas, se faltou técnica e entrosamento, não faltou raça nem vontade. O time continuou insistindo e, aos 46 minutos da etapa final, Uendel cruzou na área, a bola passou por todo mundo e chegou ao Rodriguinho, que bateu de primeira para abrir o placar e garantir a liderança corinthiana, no Grupo D e no campeonato. 
Há de se louvar a raça, a paciência e a perseverança do time, que tanto tentou e martelou, que acabou fazendo o gol salvador. E, não podemos deixar de registrar que a mexida de Tite, ao ao promover as entradas de Luciano, Romero e Danilo, adiantou o time, deu maior velocidade na troca de passes, aumentou a pressão e melhorou a transição do meio campo para o ataque. 
A defesa demonstrou segurança nas poucas vezes em que foi acionada, o meio campo, em relação aos jogos anteriores, melhorou na criação, mas o setor ofensivo, no seu todo, falhou muito no arremate final, demonstrando afobação e desconcentração. 
Giovanni Augusto foi o melhor jogador em campo. Abriu espaços, driblou, fez bons lançamentos, demonstrando muita habilidade e boa visão de jogo. Dos que chegaram na temporada é o que melhor e mais rapidamente se integrou ao grupo e assimilou o padrão de jogo adotado pelo time. Outro que merece destaque é o Luciano, que nem parece estar voltando de contusão. Sua entrada mudou o jogo e, tudo indica que vai retomar o bom desempenho anterior. 
Rodriguinho atua melhor como 2º volante do que na armação, mas ainda precisa movimentar-se mais e aprimorar sua visão de jogo. E teve o mérito de marcar o gol decisivo. 
Dos recém chegados Guilherme é o que tem demonstrado maior dificuldade de entrosamento e de assimilar o padrão tático. Parece ainda estar fora de forma, sem ritmo de jogo e sem sintonia com o time. 
Do lado do adversário, Léo Príncipe, corinthiano emprestado ao Oeste foi muito bem e chegou até a driblar Lucca e a dar canseira no Uendel. Muito seguro, um dos melhores jogadores do Oeste na partida. Que tristeza saber que ele defende um adversário e o contrato do Edílson vai até o final de 2017. Oremos para o Fagner não se machucar nem ser vendido. 
Numa noite de um sábado chuvoso, concorrendo com um show dos Rolling Stones, num horário inapropriado e jogando contra um time da zona de rebaixamento, o Corinthians colocou na Arena 28.717 pagantes, que apoiaram o time durante todo o jogo. Parabéns à Fiel, a torcida sempre presente e que faz a diferença.
Com o resultado, o Corinthians chega a 17 pontos após sete rodadas e lidera o Grupo D e o campeonato. O Oeste, com cinco pontos, permanece na lanterna do Grupo A. 
O próximo compromisso do Timão será nesta quarta-feira, 02/03, contra o Independiente Santa Fé, pela Copa Libertadores na Arena Corinthians, às 21:45 horas, horário de Brasília. 
Ficha Técnica - Corinthians 1 X 0 Oeste
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 27 de fevereiro de 2015, sábado
Horário: 21:00 horas (de Brasília)
Público: 28.717 pagantes
Renda: R$ 1.460.902,00
Árbitro: José Cláudio Rocha Filho
Assistente 1: Risser Jarussi Corrêa 
Assistente 2: Diogo Correia dos Santos 
Quarto árbitro: Luciano Monteiro dos Santos
Cartões amarelos: Yago (Corinthians); Léo Príncipe (Oeste)
Gol: Corinthians: Rodriguinho, aos 46 minutos do segundo tempo
Corinthians: Matheus Vidotto; Fagner, Felipe, Yago e Uendel; Bruno Henrique, Giovanni Augusto, Rodriguinho, Guilherme (Luciano) e Lucca (Romero); André (Danilo); Técnico: Tite 
Oeste: Fábio; Léo Príncipe, Brinner, Daniel Gigante e Dionísio (Danielzinho); Elivélton (Leandro Mello), Betinho, Guilherme Amorim e Mazinho; Maurinho e Marcelinho Paraíba (João Gabriel); Técnico: Renan Freitas

Créditos e fontes de imagens 
globoesporte.globo.com/Mário Ângelo-Sigmapress-Gazeta Press/MAON 
youtube.com/globo.com 
twitter.com/@ESPNagora 
youtube.com/globo.com 
Djalma Vassão-Gazeta Press-gazetaesportiva.com/Luis Moura-Gazeta Press/MAON 
twitter.com/@Agarie 
gazetaesportiva.com 

Nenhum comentário:

Postar um comentário