domingo, 15 de fevereiro de 2015

Afobação, adversária mor

 
O jogo começou na maior correria e eu fiquei bastante apreensiva, lembrando-me que nem todo mundo consegue correr e pensar simultaneamente. Até comentei no twitter sobre o excesso de correria e a necessidade de tocar mais a bola e cadenciar o jogo. Os jogadores pareciam ansiosos para mostrar serviço e ganhar novas chances pra atuar no time principal. Como a pressa é inimiga da perfeição, muitas oportunidades foram criadas, mas em vão. Eles escorregavam, caiam e erravam todas as finalizações. Por incrível que pareça, foram mais de 20 finalizações, mas só as cobranças de pênaltis resultaram em gol. Aliás, cobranças perfeitas do Fábio Santos.
O Corinthians teve o domínio total do jogo, mas teve muita dificuldade em traduzir tal domínio num resultado favorável. Muito superior em campo, mesmo com apenas dois titulares, sofreu para sair vitorioso num jogo em que sobrou vontade e faltou tranquilidade, principalmente na hora de finalizar. 
Na etapa inicial os corinthianos protagonizaram um festival de finalizações erradas, com Mendoza, Petros, Bruno Henrique perdendo gols, com Edu Dracena mandando uma bola no travessão após cobrança de escanteio e com Petros atrapalhando o que seria um gol de Edilson. Mas, fomos salvos por um pênalti polêmico marcado após Guerrero ter caído na área.
Na etapa final, após uma inversão de lateral, em que o árbitro e o bandeira não se entenderam, o Botafogo-SP empatou o jogo, num apagão geral da defesa corinthiana. O Timão partiu pra reação, mas o adversário melhorou a marcação e o lance de maior perigo que conseguimos foi um chute do Guerrero acima do travessão. Se no 1º tempo criamos muito, mas a bola não entrava, no 2º tempo tivemos dificuldades para criar.
Muito pilhado à beira do gramado, Tite substituiu Edilson por Jadson, improvisou Petros na lateral e colocou Malcom no lugar de Mendoza. Os dois entraram bem, melhorando a armação e a criação.
Mas foi com a entrada do Vagner Loko, o ex Love, que a torcida voltou a se empolgar. Embora tenha perdido um gol, o novo atacante mostrou muita vontade e determinação e se continuar nesse pique, tem tudo para dar certo.
Apesar das mexidas de Tite, o gol salvador resultou de outro pênalti sofrido por Guerrero nos instantes finais da partida e bem cobrado por Fábio Santos, para alívio da Fiel. Interessante notar que os 2 gols corinthianos foram protagonizados pelos únicos titulares que iniciaram a partida, Guerrero, que sofreu os pênaltis, e Fábio Santos, que os converteu. 
Cristian fez uma boa estreia, deu bons passes, marcou bem e foi bastante participativo. Luciano, bastante perdido e com muita dificuldade de criação, foi o pior em campo. Deveria nem ter voltado do vestiário. Saiu vaiado e pode ir para o Flamengo que não fará falta. Alguém precisa avisar o Mendoza que ele não foi contratado para reforçar o Corre Corinthians e sim para jogar futebol. Demonstrou mais vontade que técnica. A entrada do Malcom melhorou muito o setor ofensivo, com boa movimentação.
A arbitragem foi um desastre. Confusa e perdida, acabou interferindo no resultado, distribuiu cartões de baciada, inverteu faltas e laterais, marcou um pênalti discutível e o gol do Botafogo teve início numa lateral indevidamente invertida. Conseguiu desagradar os dois times.
 
Está de parabéns a Fiel, que mesmo num sábado de carnaval, com muita gente de ressaca e fora de São Paulo, compareceu para prestigiar o time reserva. O público de 27296 pagantes superou as expectativas mais otimistas.
Apesar da vitória, dos 3 pontos e da superioridade alvinegra, o jogo que parecia fácil, quase se tornou dramático. Nosso maior adversário não foi o Botafogo-SP e sim a correria e a afobação. Alguns jogadores precisam aprender a correr menos, a pensar mais e a atuarem com mais frieza e serenidade. Houve momentos em que faltou concentração e sobrou empolgação. 
E para quem só acha que os pênaltis não existiram e não admitem que o gol do Botafogo surgiu de um lance irregular, eu lembro que se os pênaltis não aconteceram, mas mesmo assim o juiz assinalou, o Universo apenas está nos devolvendo parte do muito que já nos tiraram.
 
Ficha Técnica - Corinthians 2 X 1 Botafogo-SP
Local: Arena Corinthians, em Itaquera, São Paulo (SP)
Data: 14 de fevereiro de 2015, sábado
Horário: 17 horas (de Brasília)
Árbitro: Marcelo Prieto Alfieri (SP)
Assistentes: Alex Alexandrino (SP) e Fernando Afonso Gonçalves de Melo (SP)
Quarto Árbitro: Leonardo Lourenço Marchiori
Público: 27.060 pagantes (total de 27.296)
Renda: R$ 1.203.003,70
Cartões amarelos: Edu Dracena, Cristian, Fábio Santos, Yago, Edílson e Bruno Henrique (Corinthians); Luciano Sorriso, André Rocha, Eli Sabiá, André Santos, Bruno Costa e Renan Rocha (Botafogo-SP)
Gols: Corinthians: Fábio Santos, aos 42 minutos do primeiro tempo e aos 49 minutos do segundo tempo; Botafogo-SP: Rodrigo Andrade, a 1 minuto do segundo tempo
Corinthians: Walter; Edílson (Jadson), Yago, Edu Dracena e Fábio Santos; Cristian, Bruno Henrique, Luciano (Vagner Love), Petros e Mendoza (Malcom); Guerrero; Técnico: Tite
Botafogo: Renan Rocha; Gimenez, Halisson, Eli Sabiá e Denis (Bruno Costa); André Rocha, Luciano Sorriso, Rodrigo Andrade e Zé Roberto (André Santos); Wesley e Giancarlo (Isaac Prado); Técnico: Alexandre Ferreira

Créditos e fontes de imagens
globoesporte.globo.com
domingossccp.blogspot.com
Daniel Augusto Jr-Agência Corinthians/placar.abril.com.br
Daniel Augusto Jr-Agência Corinthians/gazetaesportiva.net
Daniel Augusto Jr-Agência Corinthians/globoesporte.globo.com
Daniel Augusto Jr-Agência Corinthians/esportes.terra.com.br
domingossccp.blogspot.com
domingossccp.blogspot.com
Fernando Calzzan-Photopress/Gazeta Press
Fernando Calzzan-Photopress/Gazeta Press 

Nenhum comentário:

Postar um comentário