segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Jogando como Corinthians

Sem poupar e sem se pouparem no campeonato prioritário, o Corinthians jogou bonito e se manteve na liderança, com 4 pontos distantes do vice líder. Não faltou raça nem técnica e o resultado foi conquistado com equilíbrio tático e muita vontade. Finalmente uma vitória sem muitos sustos, sem sufoco e sem tanto sofrimento. Teve horas que parecia o gato brincando com o rato para cansá-lo para dar o bote final. Com bom toque de bola e boa marcação, com Ralf protegendo bem a zaga, liberando mais o Elias para avançar e dando mais tranquilidade aos meias, os gols não demoraram e com 13 minutos o placar já estava 2 a 0. 
Aos 9 minutos de jogo, Renato Augusto puxou contra ataque pela esquerda, encontrou Elias, que finalizou com extrema precisão. Após quatro minutos, Jadson lançou a bola para Uendel receber livre e cruzar para Vagner Love completar de cabeça e ampliar o placar.
Embora o Chapecoense tivesse mais posse de bola, o domínio do jogo foi do Timão, que fez valer sua superioridade técnica e com uma tática precisa, intensidade, confiança, boas triangulações e eficiência nos contra ataques, não permitiu que o maior volume de jogo do anfitrião lhe fosse favorável. 
Isto não significa que foi um jogo fácil. Com um bom histórico de vitórias em casa, o Chapecoense deu trabalho. Além disso, as dimensões reduzidas do campo e o gramado ruim, determinaram um jogo mais pegado, exigindo maiores esforços na marcação e no domínio da bola.
Com a contusão de Uendel, perdemos na marcação e foi justamente do lado esquerdo que tomamos o gol, já nos acréscimos do 1º tempo. Num contra ataque rápido, Arana não acompanhou, Apodi cruzou rasteiro, Gil não conseguiu cortar e Bruno Rangel mandou pro gol. Cássio nada pode fazer. 
Embalado pelo gol, o time catarinense voltou com tudo para a etapa final, dando trabalho à nossa defesa. Mas o Corinthians acertou a marcação, e mesmo pressionando muito, o anfitrião não conseguiu empatar. 
Rildo substituiu Malcom e Danilo entrou no lugar de um exausto Vagner Love. E foram justamente esses dois jogadores que deram origem ao 3º gol corinthiano. Rildo recebeu a bola de Danilo e quando foi avançar levou um tranco de Vilson. O árbitro marcou o pênalti e Jadson, numa cobrança perfeita, fez o último gol da partida.
Depois do vexame da Copa do Brasil, o Corinthians se reencontrou. Como afirmei no post anterior, como o vexame corinthiano decorreu de uma ação deliberada da diretoria e comissão técnica, ao priorizar o Brasileirão, a derrota para o Santos não impactou negativamente o time. E com a obrigação de ganhar, para limpar a barra com a torcida e justificar sua opção pelo Campeonato Brasileiro, o time, felizmente, abriu mão da filosofia de que empate fora é um bom resultado, não partiu pra retranca, atuou com garra e com vontade e manteve-se no topo da tabela.
A postura do time em campo foi fundamental para o resultado. Com muita entrega, e não com entregada, sem se pouparem e com muita disciplina tática, ficou visível que quando querem e se esforçam, o desempenho é outro e o resultado é positivo. 
Renato Augusto foi o melhor em campo e Vagner Love está se reconciliando com o gol. Com Ralf na cabeça de área a zaga fica mais protegida e Elias, Jadson e Renato Augusto mais livres para criarem. Com mais consistência na armação a bola chega mais ao ataque e aumenta a possibilidade de gol. Que essa forma de jogar fora de casa seja o paradigma para as próximas partidas.
A vitória mantém a vantagem corintiana de quatro pontos na liderança do Brasileirão, com 46 pontos e com 13 rodadas seguidas sem perder. Já o Chapecoense perdeu sua invencibilidade de sete jogos em casa e, com 28 pontos, continua no meio da tabela de classificação. Com o resultado o Timão não só permaneceu na liderança, mas apresentou-se como o melhor mandante, o time que mais pontuou como visitante, com maior número de vitorias, o que menos perdeu, a melhor defesa e o terceiro melhor ataque do campeonato. Características importantes para um time que quer ser campeão.
Melhores momentos
Ficha Técnica - Chapecoense X Corinthians
Local: Arena Condá, em Chapecó (SC)
Data: 30 de agosto de 2015, domingo
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio – GO (FIFA)
Árbitro Assistente 1: Cristhian Passos Sorence - GO (ESP-2)
Árbitro Assistente 2: Bruno Raphael Pires - GO (ASP-FIFA)
Quarto Árbitro: Flávio Rodrigues Guerra - SP (CBF-1)
Arbitro Assistente Adicional 1: Fernando Lopes – SC (ASS)
Delegado: Nilson de Souza Monção – SP (000)
Cartões amarelos: Elicarlos e Neto (Chapecoense); Malcom, Felipe e Jadson (Corinthians)
Gol: Chapecoense: Bruno Rangel, aos 47 minutos do primeiro tempo; Corinthians: Elias, aos nove, e Vagner Love, aos 13, minutos do primeiro tempo; Jadson, aos 44 minutos do segundo tempo
Chapecoense: Danilo, Apodi, Vilson, Neto e Dener; Elicarlos (Camilo), Cléber Santana, Bruno Silva, Ananias (Maranhão) e Tiago Luis (Wagner); Bruno Rangel; Técnico: Vinícius Eutrópio
Corinthians: Cássio, Fagner, Felipe, Gil e Uendel (Guilherme Arana); Ralf, Elias, Renato Augusto, Jadson e Malcom (Rildo); Vagner Love (Danilo); Técnico: Tite

Créditos e fontes de imagens e vídeo
globoesporte.globo.com
Márcio Cunha/Mafalda Press/Gazeta Press
Daniel Augusto Júnior-corinthians.com.br/Daniel Augusto Júnior-corinthians.com.br/MAON
Daniel Augusto Júnior-corinthians.com.br/Daniel Augusto Júnior-Agência Corinthians-gazetaesportiva.net/MAON
Daniel Augusto Júnior-corinthians.com.br/Daniel Augusto Júnior-corinthians.com.br/MAON
youtube.com/band.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário