segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Vira, vira, vira... VIROU!

Muda o ano, muda o técnico, mudam alguns jogadores, muda o campeonato, só não muda a tradição. Não é apenas a torcida que é Fiel; o Corinthians, também é Fiel. Fiel ao seu complexo de Robin Hood, Fiel à sua tradição de tirar ponto dos grandes para favorecer os pequenos. E não foi diferente no Florida Cup. Perdemos do Colonia, 11º colocado na Bundesliga e a dois pontos da zona de rebaixamento, um time que oscila nas divisões do futebol alemão, e ganhamos do Bayer Leverkusen, o 3º colocado e que terminou em alta a fase de grupos da Liga dos Campeões. Parece que continua tudo igual, só muda o endereço.
Mas, dos males o menor. Vencemos o adversário melhor preparado e emplacamos o melhor jogador do torneio, que é o nosso melhor jogador, o Paolo Guerrero. Assim, vencemos 50% dos jogos que disputamos e não voltamos de mãos vazias. Não bancamos o Pateta e ainda trouxemos o Mickey na bagagem.
Comparando os dois jogos, melhoramos muito contra o Bayer Leverkusen, no posicionamento tático, no entrosamento, no desempenho físico e principalmente na postura em campo. 
Mais organizado em campo e em nítida vantagem física, por estar no meio do campeonato, o time alemão abriu o placar aos 13 minutos de jogo, após Drmic passar sem dificuldade pelo Felipe e rolar a bola para Yurchenko, que chutou forte, numa finalização indefensável para o goleiro Cássio. 
Gols
Se nos primeiros 20 minutos, os corinthianos bateram cabeça e pareciam estar meio perdidos, aos poucos o time foi se ajustando e assumiu o controle do jogo. Sem se abater com o gol adversário, o Corinthians teve tranquilidade para controlar o jogo e, aos 28 minutos, numa cobrança de escanteio de Renato Augusto, Guerrero, pelo alto, empatou a partida. 
Na etapa final, contrariando os prognósticos, Tite voltou com o mesmo time, enquanto o Bayer trocou sete jogadores. E aos 14 minutos, num cruzamento de Fagner, Guerrero virou o jogo.
Somente aos 12 minutos Tite fez a primeira substituição, trocando Elias por Bruno Henrique. E, após a virada, entraram Mendoza, Edílson, Petros, Danilo, e Luciano, substituindo, respectivamente, Emerson, Fagner, Lodeiro, Renato Augusto e Guerrero. 
Guerrero foi o melhor em campo e foi premiado com o troféu Mickey como o melhor jogador do torneio. Renato Augusto, o responsável pela criação, movimentou-se bem e teve um papel de destaque, inclusive cobrando o escanteio certeiro para o Guerrero abrir o placar, e Emerson demonstrou muita raça e vontade, correu bastante, brigou, deu chapéu e muito trabalho aos seus marcadores.
Elias, mais uma vez decepcionou e ainda não justificou sua contratação. Bruno Henrique já está merecendo seu lugar. Lodeiro foi outro que pouco apareceu no jogo, deixando de contribuir na criação. Luciano teve outra atuação apagada e o novato Mendoza mostrou muita disposição mas não conseguiu efetuar nenhum lance decisivo.
Apesar de apenas uma semana de treinamento, o Corinthians mostrou um ritmo de jogo surpreendente e em 48 horas melhorou sensivelmente o seu desempenho. Vencer o Bayer Leverkusen, que já disputou 17 jogos do campeonato alemão, foi importante para dar confiança e moral para a equipe. Além disso, jogar contra adversários fortes prepara melhor o time para os desafios futuros, tendo em vista, principalmente os jogos decisivos com o Once Caldas na Pré Libertadores. 
Mas, se não dava para detonar o time por ter perdido do Colônia, também não dá para festejar muito a vitória sobre o Bayer Leverkusen. Num jogo amistoso, nem sempre os jogadores dão o máximo, evitam divididas para não se lesionarem e falta a adrenalina das grandes competições. Ainda temos muito que caminhar para chegar ao time ideal, ajustando as novas peças, recauchutando outras e substituindo aquelas que estiverem avariadas. Mesmo em início de temporada, não podemos perder tempo, pois logo mais teremos um teste difícil e decisivo. O trabalho tem que acelerar e a vontade e a responsabilidade, além do preparo físico e técnico e do esquema tático adotado, serão fundamentais para os resultados que virão.
Melhores momentos
Ficha técnica: Corinthians 2 x 1 Bayer Leverkusen
Local: EverBank Field, em Jacksonville (EUA)
Data: 17 de janeiro de 2015, sábado
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Kevin Terry Jr. (Estados Unidos)
Assistentes: Ramon Bermudez e Daniel Gutierrez (ambos dos Estados Unidos)
Cartões amarelos: Castro e Bender (Bayer Leverkusen); Petros (Corinthians)
Gols: Bayer Leverkusen: Yurchenko, aos 13 minutos do primeiro tempo; Corinthians: Guerrero, aos 30 minutos do primeiro tempo e aos 13 do segundo; 
Bayer Leverkusen: Leno (Kresic); Hilbert, Spahic (Rolfes), Boenisch (Wendel) e Boeder; Lars Bender (Frey), Gonzalo Castro (Reinartz), Yurchenko (Brandt) e Calhanoglu (Henrichs); Drmic (Kiessling) (Brasic) e Bellaric; Técnico: Roger Schmidt
Corinthians: Cássio; Fagner (Edílson), Felipe, Gil e Fábio Santos; Ralf, Elias (Bruno Henrique), Renato Augusto (Danilo) e Lodeiro (Petros); Emerson (Mendoza) e Guerrero (Luciano); Técnico: Tite

Créditos e fontes de imagens e vídeos
globoesporte.globo.com
Daniel Augusto Júnior. Agência Corinthians/corinthians.com.br
youtube.com/corinthians.com.br
facebook.com/SC Corinthians Paulista
timaoweb.com.br
youtube.com/globo.com
Daniel Augusto Júnior/Agência Corinthians/gazetaesportiva.net.
meutimao.com.br
Daniel Augusto Júnior. Agência Corinthians/corinthians.com.br
youtube.com/globo.com
meutimao.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário